Menu
domingo, 25 de julho de 2021
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO JUNHO
Economia

Mais de 1 milhão de pessoas saíram da extrema pobreza em 2012

1 Out 2013 - 14h26Por Agência Brasil

A desigualdade de renda registrou queda em 2012, apesar de o desempenho da economia ter sido considerado fraco. O Produto Interno Bruto (PIB) aumentou 0,9% no ano passado, enquanto a renda per capita das famílias cresceu, em média, 7,9%.

As famílias mais pobres, em especial, conseguiram evolução na renda maior do que a média, 14%, entre os 10% mais pobres da população. Os dados são do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), no estudo Duas Décadas de Desigualdade e Pobreza no Brasil Medidas pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgado hoje (1º).

A população extremamente pobre (que vive com menos de US$ 1 dólar por dia) caiu de 7,6 milhões de pessoas para 6,5 milhões. A população pobre (que vive com entre US$ 1 e US$ 2 dólares por dia), de 19,1 milhões de pessoas para 15,7 milhões.

"Três milhões e meio de pessoas saíram da pobreza em 2012 e 1 milhão da extrema pobreza, em um ano em que o PIB cresceu pouco. Para a pobreza, o fundamental é o que acontece na base – cuja renda cresceu a ritmo chinês. O bolo aumentou com mais fermento para os mais pobres, especialmente para os mais pobres dos pobres", disse o presidente do Ipea, Marcelo Neri.

Os principais indicadores do crescimento dos rendimentos da população são a posse de bens duráveis – como televisão, fogão, telefone, geladeira e máquina de lavar – e o acesso a serviços públicos essenciais – como energia elétrica, coleta de lixo, esgotamento sanitário e acesso à rede de água.

A ampliação da posse de bens e de acesso a serviços se deve, em grande parte, a dois fatores: o aumento da renda do trabalho e o impacto do Bolsa Família. "Nos últimos dez anos, o protagonista da redução da desigualdade é a renda do trabalho, o coadjuvante principal é o Bolsa Família", diz o estudo. De acordo com o Ipea, de 2002 a 2012, 54,9% da redução da desigualdade foi devido à contribuição da renda do trabalho. O Bolsa Família contribuiu 12,2% para essa queda.

"O Bolsa Família é um custo de oportunidade social, tem mais impacto sobre a desigualdade do que a Previdência", informou Neri. A Previdência é o terceiro fator que mais contribui para a redução da desigualdade, 11,4% para os que ganham acima do piso do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e 9,4% para os que ganham um salário mínimo (R$ 678). Se somados os dois grupos, a Previdência tem impacto superior ao do Bolsa Família.

Leia Também

FOI MULTADO?
Você foi multado? Saiba que pode ter até 40% de desconto no pagamento pelo Aplicativo, VEJA
MS CONTRATA AÇÕES DO GOVERNO DE MS
MS Contrata + abre pré-cadastro para programa de Microcrédito com juro zero
FOTO: NOTÍCIAS E CONCURSOS BOLSA FAMÍLIA 2021
Novo Bolsa Família de R$ 300 pode ser financiado; veja como
BONITO TRATOR BONITO - MS - PARCERIA
Prefeitura cede trator com terraceador ao IASB para utilização no Projeto Águas de Bonito
DETRAN/MS DETRAN / MS
Mais inovação: Detran-MS lança ferramenta digital para transferência de veículos
Servidor exibe carta de concessão de aposentadoria junto à equipe que o atendeu. Foto: Rildo Lima  Previna SURPRESA BOA
Servidor público vai buscar informação e é surpreendido ao ser aposentado em uma hora em MS
BONITO - MS - AÇÃO SOCIAL
Assentamento Guaicurus: 41 cestas básicas foram entregues as famílias em situação de vulnerabilide
VEM PRA BONITO?
Confira 03 passeios incríveis para fazer com a família em Bonito (MS)
Foto: @visitmsoficial/Alexis Prappas AUXÍLIO DE R$ 1 MIL REAIS
Cadastro para o programa Incentiva+MS Turismo começa nesta quarta-feira e vai até dia 08 de agosto
Foto: Breno Teixeira/@visitbonito BONITO - MS - RETOMADA
Avanço da vacinação acelera retomada do turismo em Bonito (MS)