Menu
domingo, 16 de junho de 2024
Busca
FARMÁCIA EM BONITO
FESTIVAL DO CHAMAMÉ

Festival do Chamamé transcende ao ritmo argentino e destaca a polca e a guarânia

13 Nov 2022 - 11h50Por SUBCOM

Realizado em Porto Murtinho para celebrar um ritmo que nasceu no norte argentino e se tornou um dos expoentes da cultura musical de Mato Grosso do Sul, o Festival do Chamamé tornou-se um encontro de discussão e celebração mais abrangente de outros gêneros que atravessaram fronteiras e fazem parte da identidade do Estado, como a polca e a guarânia. Os músicos levaram essa inclusão aos palcos e os estudiosos para os debates nos seminários.

“Historicamente, a presença dos paraguaios e da cultura paraguaia em nosso Estado é mais antiga do que a presença de um gênero musical como o chamamé. O chamamé é importante, mas não podemos esquecer que entre Mato Grosso do Sul e a Argentina temos o Paraguai. Não podemos ignorar isso, principalmente na cultura”, afirma Evandro Higa, doutor em música e professor da UFMS, um dos convidados a participar da agenda de seminários do festival.

Iniciado no dia 11 na cidade denominada de Portal da Rota Bioceânica (Brasil-Chile), o evento reúne artistas do Estado e do Paraguai e Argentina e as influências musicais destas fronteiras abstratas dominam os repertórios variados que predominam nos shows. Um dos primeiros músicos a falar da importância dos ritmos paraguaios no contexto desse festival foi o harpista Fábio Kaida, que se apresentou no primeiro dia e fez o público cantar e dançar muita polca.

Herança musical

“O festival é algo maravilhoso, fiquei muito feliz pelo convite, mas entendo que não podemos esquecer dos ritmos paraguaios que chegaram primeiro do que o chamamé em nosso Estado. Estão aqui do outro lado do rio (Paraguai), além de outras influências, como o tereré e a sopa paraguaia”, diz o instrumentista nascido em Campo Grande. “É nossa história e a harpa, que trouxe aqui e foi referenda por esse público, é um símbolo oficial do Paraguai.”

Fábio Kaida foi um dos artistas que mais destacou os três ritmos no palco, fazendo os fronteiriços dançarem com o som inconfundível da harpa. “A nossa música deve muito ao Paraguai”, observa, lembrando de clássicos como a polca Pé de Cedro (Zacarias Mourão) e as guarânias Tocando em Frente (Almir Sater-Renato Teixeira) e Trem do Pantanal (Paulo Simões-Geraldo Roca). “O festival é espetacular por isso, permite preservar essa herança que ganhamos.”

Marcelo Loureiro

O instrumentista também sul-mato-grossense Marcelo Loureiro, que se apresentou na madrugada de domingo (13) se enveredou por esse caminho ao tocar viola, violão, charango andino e harpa e interpretar a música pantaneira (influenciada pela fronteira com o Paraguai) e sul-americana. Saindo do foco do festival, ele cantou Almir Sater, por exemplo, abrindo o show com “Corumbá”, “Comitiva Esperança” e “Luzeiro”, no ritmo das águas do rio fronteiriço.

Casa do chamamé

Da mesma forma, Corrientes, berço do chamamé, trouxe para o festival essa mistura de ritmos com o Paraguai e Brasil. Os artistas demonstram no variado repertório a irmandade na música sem fronteira, homenageando o Estado com interpretações como Chalana (Mário Zan e Arlindo Pinto), enquanto o acordeonista gaúcho Desidério Souza foi mais além: puxou no fole o vanerão (“Fundo da Grota”) e animou o baile na arena da praça de eventos.

A segunda noite de shows predominou a música e a dança argentinas e paraguaias, com a presença da Escuela de Danza Villa Guilhermina, Ballet Municipal de Valemi, Grupo Musical Raices Gaúchas (Santa Fé), Ballet David Sanches (Pedro Juan Caballero), Teresita Vellozo (Assunção), Alfredo Monzón e Grupo e Los Reales del Litoral. Um dos momentos marcantes foi a emoção dos jovens dançarinos de Villa Guilhermina ao serem ovacionados pelo público.

Uma das principais atrações da noite, o Fuelles Correntinos elevou o chamamé ao mais alto grau no dueto entre acordeons e vozes dos irmãos Pedro e Emiliano, na estrada desde os sete anos de idade. Considerada a nova sensação chamamezeira do norte argentinos, a dupla fez os murtinhense saírem das arquibancadas para bailar na arena e chamou os dançarinos correntinos ao palco. “Nos sentimos em casa, a casa do chamamé, foi emocionante”, disse Emiliano.

O Festival Internacional do Chamamé, promovido pela prefeitura de Porto Murtinho, encerra-se nesta segunda-feira (14). Considerado um dos maiores eventos do gênero, tem o apoio do Governo do Estado e Fundação de Cultura de MS. A produção é do Instituto Cultural Chamamé MS. Acompanhe a programação pelo instagram, site, twitter  Facebook e Youtube.

Leia Também

Paulo Corrêa articula e Energisa amplia rede do distrito de Nova Itamarati, em Ponta Porã Destaque
Paulo Corrêa articula e Energisa amplia rede do distrito de Nova Itamarati, em Ponta Porã
Audiência Pública da Saúde acontece nesta quarta-feira Atenção população
Audiência Pública da Saúde acontece nesta quarta-feira
Governo do Estado nomeia 116 aprovados no concurso público da Secretaria de Saúde Oportunidades
Governo do Estado nomeia 116 aprovados no concurso público da Secretaria de Saúde
Em Aquidauana, Paulo Corrêa ressalta a força e os resultados do municipalismo em MS Destaque
Em Aquidauana, Paulo Corrêa ressalta a força e os resultados do municipalismo em MS
Parque da Lagoa Comprida de Aquidauana será revitalizado Investimento
Parque da Lagoa Comprida de Aquidauana será revitalizado
Sancionada lei que assegura ao consumidor informações sobre serviços bancários gratuitos Novidade
Sancionada lei que assegura ao consumidor informações sobre serviços bancários gratuitos
Lula realiza reunião com reitores no Palácio do Planalto e anuncia R$ 5,5 bi em investimentos Greve
Lula realiza reunião com reitores no Palácio do Planalto e anuncia R$ 5,5 bi em investimentos
Emenda de Paulo Corrêa garante atendimentos do FAF e do centro de equoterapia da PMMS Política
Emenda de Paulo Corrêa garante atendimentos do FAF e do centro de equoterapia da PMMS
Pecuária sul-mato-grossense busca na genética formas de aumentar a produtividade da carne Investimento
Pecuária sul-mato-grossense busca na genética formas de aumentar a produtividade da carne
Na FIEMS, Paulo Corrêa discute educação e novas oportunidades no mercado de trabalho Política
Na FIEMS, Paulo Corrêa discute educação e novas oportunidades no mercado de trabalho
Bonito Informa
Avenida 09 de Julho 2135 - Centro - Bonito/MS/MS
(67) 99638-6610rogerio@bonitoinforma.com.br
© Bonito Informa. Todos os Direitos Reservados.