Menu
BANNER ANNA
sexta, 29 de maio de 2020
Busca
POLONIO IMÓVEIS

STF reforça direito de crítica da imprensa

31 Mar 2011 - 13h29Por Midiamax

O direito dos jornalistas de criticar pessoas públicas, quando motivado por razões de interesse coletivo, não pode ser confundido com abuso da liberdade de imprensa. Esse foi o fundamento do ministro Celso de Mello para rejeitar pedido de indenização do desembargador aposentado Francisco de Oliveira Filho, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, contra o jornalista Cláudio Humberto.

O voto do ministro foi acompanhado por unanimidade pela 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal. Os argumentos de Celso de Mello foram reafirmados ao decidir Agravo de Instrumento interposto pelo desembargador contra decisão do próprio ministro, tomada em agosto de 2009.

"A crítica que os meios de comunicação social dirigem às pessoas públicas, por mais dura e veemente que possa ser, deixa de sofrer, quanto ao seu concreto exercício, as limitações externas que ordinariamente resultam dos direitos de personalidade", afirmou Celso de Mello.

O desembargador entrou com ação contra o jornalista por conta de uma nota escrita por Cláudio Humberto em sua coluna, que é publicada em diversos jornais do país. A nota tinha o seguinte teor: "O Judiciário catarinense é uma ilha de agilidade. Em menos de 12 horas, o desembargador Francisco de Oliveira Filho reintegrou seis vereadores de Barra Velha, após votar contra no mesmo processo. Os ex-cassados tratavam direto com o prefeito, ignorando a Constituição. A Câmara vai recorrer. O povão apelidou o caso de Anaconda de Santa Catarina".

Para Celso de Mello, o jornalista se limitou a exercer sua "liberdade de expressão e de crítica". O decano do Supremo ressaltou que a nota passou longe de evidenciar prática ilícita contra a honra do juiz. De acordo com o ministro, a Constituição "assegura, a qualquer jornalista, o direito de expender crítica, ainda que desfavorável e mesmo que em tom contundente, contra quaisquer pessoas ou autoridades".

A decisão da 2ª Turma do Supremo derrubou a condenação imposta ao jornalista pelo Tribunal de Justiça catarinense. O ministro Celso de Mello lembrou que o direito de crítica não tem caráter absoluto, como nenhum outro direito tem. Mas ressaltou que "o direito de crítica encontra suporte legitimador no pluralismo político, que representa um dos fundamentos em que se apóia, constitucionalmente, o próprio Estado Democrático de Direito".

Ao julgar o Agravo do desembargador, o ministro acolheu apenas o pedido relativo à fixação dos honorários de sucumbência, que estabeleceu em 10% do valor da causa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BOA AÇÃO EM BONITO
EM BONITO: mutirão popular arrecada e produz EPIs para o Hospital Darci João Bigaton
Apenas o veículo entrou no cemitério no início da tarde de hoje em Dourados DOURADOS - TRISTE
Protocolo é seguido e mulher vítima de Covid-19 é enterrada sem despedida de familiares em Dourados
DOURADOS - VÍTIMA DA COVID-19
Jovem de 27 anos morre por Covid-19 em Dourados
Instituto de Desenvolvimento de Bonito
Requerimento quer antecipar feriados e pode causar mais dificuldades no turismo de Bonito
Homem é executado com 6 tiros a 'queima-ropa' durante partida de futebol em MS ASSASSINATO A ESCLARECER
Homem é executado com 6 tiros a 'queima-ropa' durante partida de futebol em MS
ALISTAMENTO
Governo prorroga até 30 de setembro prazo para alistamento militar
Secretaria  de Educação  de MS  exibirá  aulas remotas na TVE SED/MS e FERTEL
SED/MS e FERTEL firmam convênio para transmissão de aulas da rede pública pela TVE Cultura
COVID-19
É sexta-feira, mas fique em casa: número de casos confirmados de Covid-19 sobe para 45, em Bonito
Executado
Homem é executado após partida de futebol, em MS
FATALIDADE
Adolescente de 17 anos morre ao bater moto contra árvore em avenida