Menu
BANNER ANNA
segunda, 24 de fevereiro de 2020
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO

"Prima" da dengue pode se espalhar no país

16 Mar 2011 - 13h39Por Folha.com

Pesquisadores do Rio e de Belém alertam para o risco de que a febre chikungunya, causada pelo mesmo mosquito que transmite a dengue, se espalhe pelo país.

Os médicos diagnosticaram um caso dessa febre a partir de testes sorológicos para a detecção de anticorpos do vírus da doença. O paciente é um surfista carioca de 41 anos, contaminado em uma viagem à Indonésia, em agosto de 2010.

O trabalho será apresentado durante o Congresso Brasileiro de Medicina Tropical, que acontece entre os dias 23 e 26 de março, em Natal (RN).

O vírus da doença é transmitido pelo mesmo mosquito da dengue, o Aedes aegypti. Como os sintomas são muito parecidos com os da dengue, a chikungunya pode chegar ao Brasil e não ser detectadas. A Organização Mundial de Saúde registra casos da febre na África e na Ásia.

Apesar de o problema ainda não existir no país - há três casos diagnosticados, todos de pessoas contaminadas no exterior-, pesquisadores estão alertas.

SEM SINTOMAS

Como a infestação de mosquito no país é alta, o temor é que o vetor espalhe o vírus.

"Trinta por cento dos casos da chikungunya são assintomáticos, o que pode contribuir para a dificuldade de bloqueio dos casos vindos de outros países, introduzindo a doença no Brasil", explica a infectologista Isabella Albuquerque, do Hospital São Vicente de Paulo (RJ), uma das responsáveis pelo diagnóstico do surfista.

A chikungunya tem quase os mesmos sintomas da dengue: febre acima de 39 graus, enjôo, vômitos, vermelhidão na pele e dores musculares. Uma das características que a diferencia da dengue é a dor forte nas articulações -algumas vezes, chega a ser confundida com artrite.

Ela não apresenta versão hemorrágica e seu índice de letalidade é baixo. Mas as dores nas articulações, nos casos mais graves, podem perdurar por até cinco anos.

Como na dengue, ainda não há medicamentos para combater a chikungunya. São usados anti-inflamatórios, analgésicos e antitérmicos para controlar sintomas.

De acordo com o virologista Pedro Vasconcelos, do laboratório de arbovirologia e febres hemorrágicas do Instituto Evandro Chagas (Ministério da Saúde), em Belém, a apresentação do trabalho no congresso é importante para alertar profissionais sobre os riscos de que a doença chegue ao Brasil. "Alguns nunca ouviram falar dela e outros desconhecem que já é possível fazer o diagnóstico aqui."

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - MARIA DA PENHA
Mulher é espancada pelo marido após sair para buscar galão de água em Bonito (MS)
BONITO - MS - POLÍCIA
Traficantes de Maracaju são presos tentando vender drogas no Carnaval em Bonito (MS)
TRAGÉDIA NAS ESTRADAS
Grave acidente entre caminhão e carreta deixa um morto em Nova Alvorada do Sul
CONDOMÍNIO DE LUXO
Bandidos invadem condomínio de luxo, furtam cofre e deixam prejuízo R$ 500 mil
MIRANDA - MS - POLÍCIA
Motociclista é preso com dezenas de porções de maconha e cocaína em Miranda
FATAL
Saindo de festa, jovem de 25 anos morre em acidente de carro em MS
FÉ DENTRO DOS PRESÍDIOS
Um dos pilares da ressocialização, a religião promove ambiente de fé em presídios do MS
HOJE TEM MENGÃO
Flamengo decide Taça Guanabara com Boavista neste sábado no RJ
JARDIM - MS - POLÍCIA
Suspeito de estuprar enteada de 8 anos é preso em Jardim (MS)
RAÇA NEGRA VEM AÍ
Prefeito surpreende e anuncia Raça Negra para o aniversário em cidade de MS