Menu
BANNER ANNA
quinta, 2 de abril de 2020
Busca
POLONIO IMÓVEIS

Número de infrações caiu 61,5% em MS

10 Mar 2011 - 10h47Por Correio do Estado

A Operação Carnaval da Polícia Militar Ambiental registrou queda de 61,5% no número de infrações por crimes ambientais. A operação que foi concluída hoje teve como estratégia inicial reforçar o policiamento preventivo nas cidades com tradição carnavalesca, que receberam maior número de turistas, tais como: Corumbá, Bonito, Jardim, Coxim, Aquidauana, Porto Murtinho e Miranda. Em relação aos crimes e infrações ambientais os números mostraram que a operação foi a mais tranquila dos últimos anos. Foram apenas 10 autuações, sendo 9 pessoas presas em flagrante, ou seja, menos da metade da operação do ano passado. No entanto, a quantidade de pescado apreendido foi superior às operações de anos anteriores, com 441 kg. Porém, isso se deu por duas grandes apreensões de 170 e 111 kg com dois pescadores em duas ocorrências isoladas. A quantidade de petrechos de pesca proibidos manteve-se dentro do normal. Os valores de multas aplicados foram menores. Pouco mais de 15% das multas da operação do ano passado que foram de R$ 112.020,40.

Os postos avançados das cachoeiras dos rios Anhanduí, em Bataguassu, Rio Verde, em Ribas do Rio Pardo, Salto do Pirapó, em Juti e Cachoeira do Sossego, no rio Aquidauana, em Rochedo, que foram montados durante a fiscalização da piracema vão continuar instalados para ajudar na fiscalização.

Três equipes de Campo Grande também fizeram fiscalização itinerante, sem área definida, com serviços de barreiras e fiscalização fluvial. Cerca da 90% do efetivo de 352 homens estiveram envolvidos na operação.

As ocorrências relativas à pesca predatória predominaram. Foi registrada apenas uma prisão por caça e uma por manutenção de aves em cativeiro ilegalmente, além de uma por porte ilegal de arma e suspeita de caça. As demais foram de pesca.

Na avalição da PMA as chuvas podem ter contribuído para o redução no total de infrações e crimes ambientais durante o carnaval. Com relação à pesca, alguns trechos de rios piscosos estavam interditados dificultando a atividade em diversos locais. A própria chuva incessante diminuiu a incidência de pescadores nos rios.

Com relação a outros crimes e infrações ambientais, a chuva também pode ter sido decisiva. É que as precipitações também dificultam o desmatamento ou limpezas com queimadas. A extração de madeira, crime comum em anos anteriores, também se tornou mais complicada.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Servidores de MS podem renovar empréstimos com carência de até 6 meses pelo Banco do Brasil
CORONAVÍRUS NO BRASIL
Mandetta responde críticas de Bolsonaro: 'quem tem mandato fala, quem não tem, trabalha'
BONITO - MS - BOLETIM CORONAVÍRUS
Em boletim sobre coronavírus, Saúde coloca 12 pessoas em isolamento por 14 dias em Bonito (MS)
CORONAVÍRUS NO MS
Idoso de 60 anos morre com suspeita de COVID-19 e foi sepultado sem velório em MS
MORTE A ESCLARECER
Mulher é morta a tiros por engano em MS
CORONAVÍRUS NO MS
Em nova atualização, MS tem 2 novos casos de coronavírus, Confira as cidades na lista
Policial
Ambiental captura jiboia com mais de dois metros em residência
Preso
Homem desrespeita toque de recolher, faz festa e acaba preso
FLAGRANTE
Dupla não respeita o toque de recolher e é presa, em Bonito
ATENTADO
Jovem que pilotava moto durante Toque de Recolher leva quatro tiros em MS