Menu
BANNER ANNA
quinta, 20 de fevereiro de 2020
Busca

Metade da população de cidade japonesa arrasada por tsunami está desaparecida

12 Mar 2011 - 13h59Por Agência Lusa

 Cerca de 9,5 mil pessoas, metade da população da localidade de Minamisanriku, na província de Miyagi, continuam desaparecidas na sequência do violento terremoto e do tsunami que se seguiu ocorridos sexta-feira (11) no Japão, segundo informaram as autoridades do país. Minamisanriku tem 17 mil habitantes.

As equipes de socorro, que já resgataram 3 mil moradores, procuram sobreviventes em casas destruídas, águas lamacentas e incêndios provocados pelo sismo de 8,8 graus na escala Richter e pelo consequente tsunami que varreu bairros inteiros ao longo da costa nordeste japonesa.

A cadeia de televisão pública NHK anunciou que 900 pessoas morreram e mais de 700 estão desaparecidas, números que devem aumentar à medida que os trabalhos de resgate avançam.

Além do desastre ter afetado estradas de ferro, rodovias e o transporte marítimo, mais de 23 mil pessoas ficaram bloqueadas no aeroporto de Tóquio. Cerca de 6 milhões de casas, mais de 10% das habitações do país, ficaram sem eletricidade

Deixe seu Comentário

Leia Também

MUITA CHUVA
Forte chuva alaga ruas e deixa família em situação critica no bairro (VÍDEOS)
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Agehab entrega bases do lote urbanizado e títulos de propriedade em Maracaju
LEÃO
Programa para fazer declaração do Imposto de Renda já está disponível
TRÁFICO DE DROGAS
Maconha "rastreada por GPS” é apreendida entre Ponta Porã e Dourados
AIPIM
ESPECIAL IDB: venha conhecer o Aipim, o restaurante vai te surpreender
FATALIDADE
Identificadas vítimas do acidente que resultou na morte de três pessoas em Nova Andradina
Sorteio
Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 190 milhões
Fátima do Sul
Mulher é encontrada morta a marteladas e namorado é principal suspeito
BONITO - MS - POLÍCIA
Veículos furtados com agrotóxicos e cigarros contrabandeados são apreendidos em Bonito (MS)
MIRANDA E CARACOL NA MIRA
Miranda e Caracol serão alvos de fiscalização do CGU sobre aplicação de recursos federais