Menu
tera, 22 de setembro de 2020
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO

Justiça deve definir até amanhã causa sobre afastamento do prefeito de Aquidauana

11 Abr 2011 - 17h00Por Midiamax

O promotor de Justiça José Maurício Albuquerque, autor da ação que pede o afastamento e a quebra de sigilo bancário do prefeito de Aquidauana, Fauzi Muhamad Abdul Hamid Suleiman, do PMDB, acusado por improbidade administrativa, acha que a Justiça local defina sobre o seu pedido entre hoje, segunda-feira e amanhã.

A ação de Albuquerque é sustentada, segundo ele, por “fortes indícios” de irregularidades na parte financeira da prefeitura.

De acordo com a denúncia, o prefeito, que nega as acusações, estaria implicado num suposto esquema de desvio de dinheiro que envolve 11 pessoas, entre os quais advogados, servidores públicos, o prefeito de Anastácio, Douglas Figueiredo, do PSDB, e uma das mais importantes agências de publicidade de Mato Grosso do Sul, a Futura Comunicação & Marketing, com sede em Campo Grande.

“São 38 volumes, muita documentação e, para fundamentar a decisão, o juiz precisa analisar os papéis e isso demanda tempo”, disse o promotor que, ainda assim, acredita num desfecho até amanhã.

Albuquerque disse ter solicitado a quebra de sigilo bancário das pessoas implicadas no caso por interpretar que, a partir daí, “será possível descobrir se houve migração de dinheiro entre os envolvidos” no suposto esquema.

O promotor apura o caso desde o ano passado e a peça inicial da investida foi um diálogo gravado entre o vereador da cidade, Wezer Lucarelli, do PPS e um ex-consultor jurídico da prefeitura, Péricles Garcia Santos. Na conversa, Santos revela a suposta trama.

Em coletiva de imprensa, o prefeito disse que a gravação deve ser desprezada por não ter tido respaldo judicial. Ele disse que o vereador Lucarelli é um adversário político seu, daí o interesse em difamá-lo.

Já o promotor não crê nisso: “foi uma declaração espontânea, havia mais pessoas ouvindo o diálogo. E mais: a partir da gravação descobrimos que as irregularidades existem e isso foi possível por meio do diálogo”, afirmou Albuquerque.

A agência de publicidade entrou no negócio, segundo a denúncia, já no período da eleição. A Futura teria doado R$ 70 mil à campanha de Suleiman, por meio de um caixa dois, já de olho no contrato pela prestação de serviço à prefeitura.

A agência vencera a licitação, que teria sido fraudada, e capturado ao menos R$ 3 milhões dos cofres da prefeitura. Suleiman teria recebido por um período algo em torno de R$ 50 mil mensais da empresa.

A direção da Futura ainda não comentou o caso. Já o prefeito disse que é vítima de uma perseguição política e que vai desmentir “uma a uma” das denúncias.

Saiba mais sobre a ação que pede o afastamento do prefeito de Aquidauana em notícias relacionadas, logo abaixo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID-19
IDB INFORMA: mesmo com a cidade lotada no último feriadão, casos de covid não aumentaram em Bonito
AMEAÇA
Homem deve pensão, acha ruim de mulher levar caso para justiça e ameaça vítima de morte, em Bonito
COVID-19
Bonito busca soluções para melhorar fiscalização na cidade
Encontro
Pelo segundo ano, Amazônia será tema de Bolsonaro em discurso na ONU
ECONOMIA
Atividade industrial de MS recupera mesmo patamar de produção anterior à Covid-19
Procurado pela polícia
Padrasto de menina baleada na boca fugiu de posto de saúde
Meteorologia
Previsão de temperaturas amenas nesta terça-feira, em Bonito
FESTIVAL BRASIL SABOR
BRASIL SABOR: Reúne mais de 40 estabelecimentos de Campo Grande, Dourados, Três Lagoas e Bonito
Morador de rua dormindo embaixo das tendas - Crédito: Ligado na Redação/Dourados News CORONAVÍRUS NO MS
Tenda instalada para auxílio durante a pandemia é usada de abrigo por morador de rua
FOGO NO PANTANAL
Fazendeiros serão autuados por crime ambiental no Pantanal