Menu
domingo, 20 de setembro de 2020
Busca
ZAP INFORMÁTICA

INSS poderá pagar auxílio-doença até recuperação do segurado

13 Abr 2011 - 14h37Por Assessoria parlamentar

Projeto de Decreto Legislativo apresentado pelo deputado federal Geraldo Resende (PMDB-MS) acaba com a alta programada imposta pelo Decreto nº 5.844, de 13 de julho de 2006, que suspende o auxílio-doença de segurado do INSS sem que ele passe por perícia médica que ateste a sua recuperação.

Segundo Geraldo, a alta programada determina o pagamento do benefício por tempo determinado, ou seja, o médico perito fixa a data de encerramento do benefício, estabelecendo o tempo necessário para a recuperação sem a realização de nova perícia médica. Para o deputado, essa regra é ilegal e inexeqüível.

De acordo com a Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991 – Lei de Benefícios Previdenciários, no art. 59, o auxílio-doença será devido ao segurado que, havendo cumprido, quando for o caso, o período de carência exigido nesta Lei, ficar incapacitado para o seu trabalho ou para a sua atividade habitual por mais de 15 (quinze) dias consecutivos.

O art. 60 da Lei determina que o auxílio-doença será devido ao segurado empregado a contar do décimo sexto dia do afastamento da atividade, e, no caso dos demais segurados, a contar da data do início da incapacidade e enquanto ele permanecer incapaz.

“O ato administrativo do INSS que estabeleceu a alta Programada é ilegal é inconstitucional, pois contraria não só a Lei 8.213, de 1991, mas também a Constituição Federal, que estabelece as garantias de prevalência à vida, à saúde e a incolumidade física e mental de todos e em especial da classe trabalhadora”, diz Geraldo na exposição de motivos que justifica o Decreto Legislativo.

Para o deputado, nenhum decreto tem poder suficiente para derrogar ou inibir o exercício de um direito fundamental. Logo, o Decreto da Alta Programada não pode impedir o recebimento do auxílio-doença por uma pessoa que ainda não se recuperou.

“Contudo, no momento atual, cabe como única alternativa para corrigir tamanha injustiça ao segurado buscar o apoio judicial antes de expirado o prazo estabelecido pelo INSS. Assim, a Justiça enquadrará a autarquia federal nos termos da lei e da Constituição Federal, obrigando a realização de perícia médica antes de qualquer decisão sobre a suspensão do benefício”.

“Para corrigir essa distorção e evitar que o segurado tenha de buscar o Poder Judiciário para fazer valer seus direitos, apresentamos Decreto Legislativo. Dessa forma, deve-se fazer valer o auxílio-doença devido ao segurado empregado enquanto ele permanecer incapaz, devendo, portanto, ser submetido à perícia médica oficial na data prevista para o final de seu benefício”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Van que se envolveu no acidente em Patos de Minas (MG) na madrugada deste domingo (20)  Foto: Polícia Rodoviária Federal/Divulgação TRAGÉDIA NAS ESTRADAS
TRAGÉDIA: Batida entre van e caminhão mata 12 pessoas, 02 adolescentes e 01 criança estão entre elas
Renato tinha 50 anos e era formado em educação física - Assessoria/Cedida CORONAVÍRUS NO MS
Professor e candidato a vereador morre em decorrência da Covid-19 em MS
PLANTÃO POLICIAL CRIME EM MS
ASSASSINATO: Jovem de 23 anos é morto a facadas pela namorada de 17 anos e ainda ameaça socorristas
BONITO - MS - A CASA CAIU
CASA CAIU: Polícia Militar apreende cerca de 700 quilos de maconha em Bonito (MS)
LUTO NO BOMBEIROS DE MS
Corpo do Subtenente BM que morreu em acidente em Santa Catarina chega em Dourados
BONITO - MS - BOLETIM COVID-19
Homem de 64 anos é a 7ª vítima de coronavírus em dia de mais 05 confirmados em Bonito (MS)
FOGO NO PANTANAL
Governo envia equipamentos de combate a incêndio e caminhões-pipa para Costa Rica e Corumbá
ELEIÇÕES 2020
Foi dada largada na corrida pela prefeitura de Bonito; 4 candidatos estão na disputa
FOGO NO PANTANAL
Governo reduz focos de incêndio no Pantanal de MS e controla fogo no Parque Estadual do Taquari
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Parceria entre Agehab, Agraer e Prefeitura garante título definitivo a 215 famílias em Bodoquena