Menu
sbado, 31 de outubro de 2020
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO

Informação demais confunde memória, comprova estudo

22 Mar 2011 - 16h21Por Folha.com

O excesso de informações confunde o cérebro e dificulta a memorização, comprovaram pesquisadores das universidades Stanford e Yale, nos EUA.

 "Descobrimos que a concorrência entre lembranças resulta em memória pior", disse à Folha o psicólogo Brice Kuhl, pesquisador de Yale e principal autor do trabalho.

Diariamente e o tempo todo, o cérebro é exposto a toneladas de informações. Umas são mais lembradas do que outras.

"Embora saibamos que a competição entre memórias é uma parte fundamental da memorização, há poucas provas de como o processo acontece no cérebro", escrevem os autores, no artigo publicado ontem na revista "Proceedings of the National Academy of Sciences".

O estudo monitorou com ressonância magnética a atividade cerebral de voluntários, durante teste composto de várias rodadas.

No teste de memória, imagens e informações eram misturadas em placas e as pessoas deviam se lembrar do conteúdo separadamente.

Os pesquisadores descobriram que, quando a lembrança era clara, era como se a pessoa revivesse o momento em que a memória foi armazenada, com a ativação das mesmas áreas cerebrais.

Mas, quando as informações foram misturadas, o cérebro também se confundiu e tentou reproduzir duas memórias. A pessoa teve dificuldade de se lembrar com clareza do conteúdo.

"É como se a memória estivesse borrada. Pode-se dizer que quando tentamos guardar duas coisas, não guardamos nenhuma delas direito", afirma Cláudio da Cunha, pesquisador de neurociência e farmacologia da Universidade Federal do Paraná.

MEMÓRIA FOTOGRÁFICA

Para a bióloga e neurocientista, Valéria Catelli Costa, pesquisadora da USP, o maior achado do trabalho foi mostrar como as memórias são codificadas no cérebro, formando "desenhos".

A facilidade ou dificuldade de se lembrar de um acontecimento depende de como essa codificação foi feita.

"Quanto mais você associa dados a um fato, mais fácil fica de você se lembrar, e melhor é a codificação."

Segundo os autores, a codificação é influenciada por memórias antigas e analogias com eventos diferentes.

"Pode ser uma influência negativa ou positiva. A memória de um número de telefone velho torna mais difícil aprender um novo número", exemplifica Kuhl.

Mas, também, um especialista em vinhos só é especialista porque se lembra de conhecimentos anteriores.

"Selecionamos memórias úteis. Guardamos o que é requisitado em tarefas", diz o neurologista Benito Damasceno, da Unicamp.

Para ele, o processo de competição é positivo, porque nos torna capaz de separar o que é importante."Com a seleção conseguimos consolidar um aprendizado e reviver um acontecimento."

O problema é que nem sempre essa seleção é consciente. Para o pesquisador americano, não existem memórias mais fortes do que outras. Então, não adianta muito se esforçar para lembrar a data do aniversário de casamento, por exemplo.

"Queremos pensar que as memórias emocionais ou afetivas são mais fortes, mas nem sempre isso é verdade."

Deixe seu Comentário

Leia Também

MIRANDA - CASO DE POLÍCIA
Polícia Civil prende suspeito de furto em loja de eletrodomésticos em Miranda
BONITO - MS - BOLETIM CORONAVÍRUS
COVID: Novos casos são confirmados com 28 suspeitos sendo analisados nas últimas 24h em Bonito
NOTA MS PREMIADA
Contribuintes que pediram nota fiscal com o CPF disputam prêmios de R$ 300 mil neste sábado
CAMPO GRANDE - PESQUISA IBOPE
PESQUISA IBOPE divulga novos números da corrida pela prefeitura de Campo Grande, confira
DEU POLÍCIA
Grafite em forma de vagina em fachada de sex shop vira caso de polícia em MS
BONITO - MS - OPERAÇÃO FINADOS
Bonito e mais 10 bases da PMR começam 'Operação Finados' com número maior de policiais
PANDEMIA AINDA NÃO ACABOU
PANDEMIA AINDA NÃO ACABOU: Avança e MS registra 555 novos casos de Coronavírus em apenas 24h
COVID-19
Bonito registra mais 4 novos casos de covid-19
FURTO
Bandidos invadem e furtam R$ 500 de conveniência, em Bonito
Capotamento
Homem morre após pneu furar e carro capotar