Menu
tera, 25 de fevereiro de 2020
BANNER ANNA
Busca

Governo brasileiro está pessimista com visita de Obama

17 Mar 2011 - 11h49Por Folha.com

O Palácio do Planalto começa a revelar pessimismo em relação à visita de Barack Obama, neste final de semana, e reclama da resistência dos EUA em discutir temas de interesse do Brasil, apesar do discurso corrente de implantar um novo capítulo nas relações entre os dois países. 

Segundo a declaração de um funcionário da Casa Branca, publicada na edição de ontem do jornal, ajudou a "azedar" o clima pré-visita. Mike Froman, vice-conselheiro de segurança nacional de Obama, afirmou que a "viagem é fundamentalmente a respeito da recuperação econômica e exportações americanas". 

Nas palavras de um integrante da Presidência, trata-se de um visão utilitarista dos EUA sobre o Brasil, principalmente diante da preocupação da presidente Dilma Rousseff com o deficit comercial brasileiro em relação ao mercado americano -- US$ 7,731 bilhões em 2010, em dados do Ministério do Desenvolvimento.

O desânimo foi reforçado pela informação de que o mandatário não iria a um jantar que Dilma havia sugerido no Palácio da Alvorada. 

A equipe que negocia os termos do encontro oficial comunicou que Obama gostaria de deixar Brasília rumo ao Rio de Janeiro no fim da tarde de sábado, não por volta das 20 horas, como inicialmente pensado. Até segunda ordem, o evento se transformou em um rápido encontro de despedida. 

Representantes da diplomacia brasileira, porém, evocam outro tipo de visão. Consideram que a chegada do presidente da mais importante economia do planeta em menos de três meses de governo já é, por si só, um "êxito". 

Apesar da contrariedade entre não diplomatas, o Itamaraty não faz reparos à lista de acordos e termos de cooperação que sairá da visita. 

Dilma, embora reconheça o simbolismo da visita, tem dito a assessores que desejava ver do parceiro sinalizações mais concretas de aproximação. Na pauta de seus sonhos, o apoio à campanha brasileira por um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU. 

À medida que as negociações avançavam, multiplicavam-se as críticas no Planalto. Um interlocutor palaciano argumenta que os EUA tentam vender seus caças F18, mas dizem não aos aviões da Embraer. 

Afirma que os americanos desejam entrar na indústria do pré-sal e cooperar na área energética, mas não discutem as tarifas à importação do etanol brasileiro. 

Nas reuniões preparatórias, ministros relembram o financiamento de US$ 10 bilhões que a China concedeu à Petrobras no passado. 

Um acordo para tratar de uma futura e gradativa eliminação da exigência de vistos a visitantes brasileiros nos EUA não deve sequer entrar nas conversas oficiais. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DROGAS
Caminhão com 400 kg de maconha que saiu de MS e apreendido em Brasília
INSCRIÇÕES
Programa Vale Universidade recebe inscrições no dia 3 de março
Achado de cadáver
Bombeiros localizam corpo de jovem que havia desaparecido em rio de MS
Campo Grande
Bebê nasce sem ânus em Campo Grande e família busca vaga para cirurgia
Capotamento
Caminhonete capota após aquaplanar na BR-359 em Coxim
ATENTADO
Ex-prefeito de Amambai foi morto após discussão por desacordo trabalhista
Sorteio
Após acumular pela 16ª vez, Mega Sena terá o 3º maior prêmio da história
Chuva
Previsão é de chuvas e temperaturas amenas neste feriado de Carnaval, em Bonito
LUTO NO MS
Governo de MS decreta luto de três dias por conta da morte de ex-prefeito
NÃO RESISTIU
Ex-prefeito de Amambai e secretário especial da Casa Civil não resiste e morre no Hospital