Menu
sexta, 22 de janeiro de 2021
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO JANEIRO

Ex-presidente José Alencar morre aos 79 anos

29 Mar 2011 - 14h08Por Midiamax

Morreu no início da tarde desta terça-feira o ex-vice-presidente da República José Alencar. Ele foi internado na tarde desta segunda-feira (28) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, e faleceu hoje por volta das 14h45 (horário local) por falência múltipla de órgãos, aos 79 anos. De acordo com o boletim médico divulgado pelo hospital nesta manhã, Alencar tinha “quadro de oclusão intestinal e peritonite, em condições críticas”.

Alencar lutava contra o câncer havia 13 anos, mas nos últimos meses, a situação se complicou.

A internação tinha sido motivada pelas sucessivas hemorragias e pela necessidade de tratamento do câncer no abdômen. No dia 26 de janeiro, recebeu autorização da equipe médica do hospital para permanecer em casa. No entanto, acabou voltando ao hospital dias depois.

Durante o período de internação, Alencar manifestou desejo de ir a Brasília para a posse da presidente Dilma Rousseff. Momentos antes da cerimônia, cogitou deixar o hospital para ir até a capital federal a fim de descer a rampa do Palácio do Planalto com Luiz Inácio Lula da Silva.

Ele desistiu após insistência da mulher, Mariza. Decidiu ficar, vestiu um terno e chamou os jornalistas para uma entrevista coletiva, na qual explicou por que não iria à posse e disse que sua missão estava “cumprida”. Na conversa com os jornalistas, voltou a dizer que não tinha medo da morte. “Se Deus quiser que eu morra, ele não precisa de câncer para isso. Se ele não quiser que eu vá agora, não há câncer que me leve”, disse.

Batalha contra o câncer

O ex-vice-presidente travou uma longa batalha contra a doença. Nos últimos 13 anos, enfrentou uma série de operações e tratamentos médicos. Foram mais de 15 cirurgias. Em abril de 2010, desistiu da candidatura ao Senado para se dedicar ao tratamento do câncer.

Desde 1997, foram mais de dez cirurgias para retirada de tumores no rim, estômago e região do abdômen, próstata, além de uma cirurgia no coração, em 2005.

A maior delas, realizada em janeiro de 2009, durou quase 18 horas. Nove tumores foram retirados. Exames realizados alguns meses depois, no entanto, mostraram a recorrência da doença.

Também em 2009, iniciou em Houston, nos Estados Unidos, um tratamento experimental contra o câncer. Alencar obteve autorização para participar, como voluntário, dos testes com um novo medicamento no hospital MD Anderson, referência no tratamento contra a doença. O tratamento não surtiu o efeito esperado e o então vice-presidente voltou a fazer quimioterapia em São Paulo.

José Alencar era casado com Mariza Campos Gomes da Silva e deixa três filhos: Josué Christiano, Maria da Graça e Patrícia.

Tratamento no exterior

O tratamento experimental nos EUA em 2009 não foi a primeira tentativa de Alencar de obter a cura fora do país. Ele já havia viajado para os Estados Unidos em 2006 para se tratar com especialistas. No ano seguinte, no entanto, os exames mostraram que o câncer havia se espalhado para o peritônio, uma membrana que reveste as paredes do abdômen.

Iniciava-se, então, a série de cirurgias na região. Em 2008, foram três internações. Em janeiro e em julho, exames mostraram uma reincidência de tumores abdominais. Em agosto, Alencar começou tratamento com um novo medicamento, a Trabectedina.

Com a saúde fragilizada, o ex-vice-presidente também foi internado por outros problemas. Em novembro de 2008, durante uma visita a Resende (RJ), teve fortes dores abdominais. O diagnóstico foi enterite (inflamação intestinal). Segundo os médicos, não havia relação com o câncer. Vinte dias depois, ele foi internado novamente, com quadro de insuficiência renal. Recebeu alta dois dias depois.

Sempre bem-humorado nas sucessivas vezes em que deixou o hospital Sírio-Libanês, chegava a brincar com seu próprio quadro clínico. "Estou melhor do que das outras vezes", repetia.

Após a maior das cirurgias, em 2009, Alencar saiu do hospital dizendo que não temia a morte. “Não tenho medo da morte, porque não sei o que é a morte. A gente não sabe se a morte é melhor ou pior. Eu não quero viver nenhum dia que não possa ser objeto de orgulho", afirmou. “Peço a Deus que não me dê nenhum tempo de vida a mais, a não ser que eu possa me orgulhar dele.”

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORONAVÍRUS NO MS
Governo do Estado e MPMS alinham estratégias de fiscalização no combate a Covid-19
CORONAVÍRUS NO MS
Reinaldo e mais 15 governadores pedem viabilização de insumos para produção de vacinas contra Covid
BORA PRA BONITO - MS
Programa que concede descontos para moradores do Mato Grosso do Sul em passeios é retomado em Bonito
BONITO - MS - EDUCAÇÃO
Prova de títulos para professor temporário termina nesta sexta-feira em Bonito (MS)
CÂMARA MUNICIPAL DE BONITO BONITO - MS - TRABALHOS LEGISLATIVOS
Trabalhos legislativos retornam dia 02, sem público mas ao vivo pelo facebook em Bonito (MS)
MANAUS - NOVA VARIANTE
MANAUS: Médicos descrevem nova variante do coronavírus como mais rápida e letal
GRUTA DO LAGO AZUL BONITO - MS - GRUTA DO LAGO AZUL
Portaria permite a Prefeitura fazer exploração comercial da Gruta do Lago Azul por 20 anos em Bonito
CRIME A ESCLARECER
Homens são degolados e abandonados às margens de rodovia em MS
DOURADOS DE LUTO
Ex-prefeito e deputado Humberto Teixeira morre vítima de covid-19
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo de MS amplia ações em saúde voltadas para população LGBT, Confira o cronograma das ações