Menu
quarta, 23 de setembro de 2020
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO

Energia cara tira indústria do País

23 Abr 2011 - 11h50Por Estadão.com

O alto custo da energia elétrica, a invasão de produtos chineses e os incentivos tributários concedidos por outros países estão deixando o Brasil em segundo plano na rota de investimentos de empresas multinacionais.

Estudo feito pelo Estado, com fontes do mercado, mostra que fábricas de setores eletrointensivos - em que o custo da energia é um dos principais componentes no preço final do produto, como alumínio, siderurgia, petroquímico e papel e celulose - estão fechando unidades no País ou migrando para outros locais por causa da perda de competitividade no mercado brasileiro.

Nesse contexto, enquadram-se pelo menos sete companhias. A Rio Tinto Alcan está em negociações "avançadas" para instalar a maior fábrica de alumínio do mundo no Paraguai, com investimentos entre US$ 3,5 bilhões e US$ 4 bilhões para produzir 674 mil toneladas de alumínio por ano. A Braskem vai inaugurar unidade de soda cáustica no México e faz prospecção em outros países, como Peru e Estados Unidos.

A Stora Enso, que abrirá em breve fábrica de celulose no Uruguai, admite que, apesar de a produtividade brasileira ser o dobro, essa vantagem é "desperdiçada" pela incidência de impostos. No caso da produção de papel, o preço do produto fabricado no Paraná é mais alto que os similares feitos no exterior.

A siderúrgica Gerdau Usiba, na região metropolitana de Salvador (BA), esteve paralisada por causa do alto custo da energia. A Valesul Alumínio, em Santa Cruz (RJ), também ficou fechada pelo mesmo motivo.

Nesse setor, aliás, a situação é crítica. A Novelis fechou fábrica em Aratu (BA) e, segundo fontes, pode migrar para o Paraguai. A Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), do Grupo Votorantim, está prestes a abrir filial em Trinidad e Tobago.

Importação. Nesse segmento, a avalanche de produtos chineses é outra ameaça. A importação de alumínio chinês, que até 2009 ficou num patamar de 17 mil toneladas, saltou para 77 mil toneladas em 2010, que é o nível mínimo projetado para 2011, de acordo com Eduardo Spalding, coordenador da Comissão de Energia da Associação Brasileira do Alumínio (Abal). "A China, daqui a dez anos, vai ter produção de alumínio igual à do resto do mundo todo somado", adverte.

Outra agravante, segundo ele, é a importação de produtos acabados, sem possibilidade de agregar valor à mercadoria no País. Nesse ritmo, avalia Spalding, o Brasil passará da condição de exportador para importador de alumínio em 2012.

"No Brasil, se nada for feito, o risco é de o setor sumir. Temos vários exemplos de países em que a indústria do alumínio fechou em dois anos. Há mais de 25 anos, nenhuma nova fábrica se instala no Brasil. O que tivemos foi expansão das já existentes e, mesmo assim, parou tudo", diz Spalding.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FOGO NO PANTANAL
Bombeiros de MS e PR resgatam ribeirinhos durante combate a incêndios no Amolar
COVID-19
IDB INFORMA: mesmo com a cidade lotada no último feriadão, casos de covid não aumentaram em Bonito
AMEAÇA
Homem deve pensão, acha ruim de mulher levar caso para justiça e ameaça vítima de morte, em Bonito
COVID-19
Bonito busca soluções para melhorar fiscalização na cidade
Encontro
Pelo segundo ano, Amazônia será tema de Bolsonaro em discurso na ONU
ECONOMIA
Atividade industrial de MS recupera mesmo patamar de produção anterior à Covid-19
Procurado pela polícia
Padrasto de menina baleada na boca fugiu de posto de saúde
Meteorologia
Previsão de temperaturas amenas nesta terça-feira, em Bonito
FESTIVAL BRASIL SABOR
BRASIL SABOR: Reúne mais de 40 estabelecimentos de Campo Grande, Dourados, Três Lagoas e Bonito
Morador de rua dormindo embaixo das tendas - Crédito: Ligado na Redação/Dourados News CORONAVÍRUS NO MS
Tenda instalada para auxílio durante a pandemia é usada de abrigo por morador de rua