Menu
quinta, 1 de outubro de 2020
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO

Domésticas tinham salário menor que o mínimo em 2009

6 Mai 2011 - 17h17Por Agência Brasil

Em 2009, as trabalhadoras domésticas brasileiras tinham um rendimento R$ 78,55 menor que o salário mínimo de então, cujo valor era R$ 465. As informações são de um estudo divulgado ontem (5) sobre o perfil das trabalhadoras domésticas, realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea).

Os dados têm como base a Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio (Pnad) de 2009, feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o estudo, as trabalhadoras domésticas recebiam em média R$ 386,45 naquele ano.

O Ipea mostra ainda que há diferença entre a remuneração das trabalhadoras brancas e negras. As brancas recebiam, em média, R$ 421,58 e as negras, R$ 364,84. Outro dado relevante é que as mulheres representam 93% dos trabalhadores domésticos e os homens são 7% deles.Entre as mulheres trabalhadoras, mais da metade, 61,6%, eram negras e, para esse grupo, o trabalho doméstico representava 21,8% da ocupação feminina.

No caso das mulheres brancas, 12,6% delas estavam no trabalhado doméstico. Além de receber menores salários do que as trabalhadoras brancas e de serem maioria entre as domésticas, poucas das mulheres negras tinham Carteira de Trabalho assinada.

Entre as negras, 24,6% das trabalhadoras tinham emprego formalizado, sendo que, entre as  brancas, esse número representava 29,3%. Outro dado importante do estudo é que apenas 30,1% das trabalhadoras de ambas as raças contribuem para a Previdência Social.

No ano analisado, a jornada de trabalho das domésticas era 58 horas semanais em média.

Parte dessa jornada era dividida entre 35,3 horas ao exercício profissional e 22,7 horas aos cuidados com a casa e a família.

De acordo com a pesquisa, tem diminuído o número de adolescentes e jovens que participam do trabalho doméstico. Em 2009, existiam cerca de 340 mil crianças e adolescentes de 10 a 17 anos ocupadas, o que equivalia a 5% do total de trabalhadoras. As jovens de 18 a 24 anos representavam 11%. Já as mulheres acima dos 45 anos eram um terço das trabalhadoras domésticas.

Segundo a pesquisadora do Ipea responsável pelo estudo, Luana Pinheiro, uma das conclusões é que, com o aumento da idade das trabalhadoras e a redução do número daquelas que entram para a profissão, as famílias terão de se reorganizar para realizar os trabalhos domésticos.

“O impacto dessa redução para as famílias é que elas terão que redistribuir os afazeres domésticos. Para o Estado, esse impacto vai se dar na formação de políticas públicas. Isso porque as trabalhadoras domésticas cobrem uma lacuna deixada pelo Poder Público. Não há creche para todas as crianças, por exemplo. Por isso é necessário ter uma pessoa que cuide da criança em casa”, explicou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LUTO NA MÚSICA
Morre aos 68 anos o músico Maurício de Barros Almeida
COVARDIA
Homem joga álcool na cama e ateia fogo na mulher
CALOR DE RACHAR!
EM BONITO: fim de semana vai ser extremamente quente, com sensação térmica acima dos 50°C
COVID-19
Bonito registra mais 3 novos casos de covid-19
AMEAÇA
Mulher é arrastada pelos cabelos durante briga, no centro de Bonito
5 MEIOS
5 Meios Pelos Quais Colaboradores Desatentos Abrem as Portas para Criminosos Cibernéticos
BONITO - MS - FERIADÃO DO SACO CHEIO
SACO CHEIO: Com previsão de receber 15 mil pessoas, medidas de segurança é discutida em Bonito (MS)
Sorteio
Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 90 milhões
CADASTRO NO ENEM
Enem: estudantes têm até hoje para inserir foto no cadastro
TRÁFICO DE DROGAS
Após tentativa de fuga, micro-ônibus escolar tomba com 4,5t de maconha