Menu
BANNER ANNA
sexta, 10 de abril de 2020
Busca
POLONIO IMÓVEIS

Campanha da Fraternidade quer debate sobre mudanças climáticas

9 Mar 2011 - 14h26Por Agência Brasil

A Igreja quer mobilizar fiéis sobre os impactos das mudanças climáticas e estimular ações práticas para preservar o meio ambiente. Com o tema Fraternidade e a Vida no Planeta, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lançou hoje (9) a 48ª Campanha da Fraternidade, que pretende alertar os católicos para a gravidade das consequências do aquecimento do planeta.

No texto-base da campanha, a CNBB expõe as principais conclusões da ciência sobre as mudanças climáticas e a participação humana no problema, faz críticas ao modelo energético que ainda privilegia fontes fósseis – grandes emissoras de gases de efeito estufa, ao desmatamento e até ao agronegócio.

Segundo o secretário-geral da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa, a ideia é aproximar o debate sobre mudanças climáticas das pessoas e estimular mudança de hábitos e políticas públicas que ajudem a preservar a  vida e o planeta.

“Pergunta-se o que o cidadão comum pode fazer. As enchentes em São Paulo e em outros capitais, por exemplo, poderiam ser minimizadas se não houvesse uma massa de detritos jogados nos rios”, citou dom Dimas.

Entre as ações práticas sugeridas pela campanha estão a redução do uso de sacolas plásticas, o uso de energias renováveis e mudanças de hábitos de consumo. “As campanhas da Fraternidade são caracterizadas pela capilaridade, chegamos ao ribeirinhos da Amazônia e aos grandes condomínios. Isso contribui para o alcance da reflexão.”

Durante a apresentação da campanha, o secretário-geral da CNBB criticou a falta de investimentos em fontes alternativas de energia, como a eólica e a solar, o risco de aprovação de mudanças no Código Florestal sem considerar a opinião de movimentos ligados à terra e a construção de grandes projetos de infraestrutura sem garantia de contrapartidas sociais.

Dom Dimas reiterou críticas da CNBB a algumas das propostas de mudanças no Código Florestal previstas no relatório do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), como a possibilidade de anistia para desmatadores e a redução de limites de áreas de preservação. “Nossa preocupação é que o código não seja votado de forma apressada porque as consequências serão duradouras.”

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID-19 EM CIDADE DE MS
ASSUSTADOR: Cidade de MS tem 432 pessoas em isolamento, aponta Central de Monitoramento
CORONAVÍRUS NO MS
Confira o ranking dos 10 municípios exemplos em isolamento social no MS
BONITO - MS - PSD
Em Bonito (MS), PSD aposta na força da mulher e na renovação política
CORONAVÍRUS NO ESPORTE
Conselheiro do Palmeiras, ex-deputado morre com coronavírus
BOLETIM CORONAVÍRUS NO MS
BOLETIM: MS tem 04 novos casos entre eles jovens de 22 e 29 anos com Covid-19, Veja a atualização
PRESOS
Dupla presa por tentativa de homicídio planejava matar mais duas pessoas
Desmatamento
Paulista é autuado em R$ 28 mil por desmatamento ilegal em MS
Tentativa de homicídio
Mulher é baleada pela namorada por terminar namoro em Campo Grande
PERGUNTAS
Detran/MS lança canal e responde dúvidas através das redes sociais
Fiscalização
Exército Brasileiro está intensificando fiscalização nas estradas de Bonito