Menu
tera, 11 de agosto de 2020
BANNER ANNA
Busca
ZAP INFORMÁTICA

Apenas 10,6% dos municípios oferecem peixe na escola

15 Mar 2011 - 17h17Por Estadão.com

Levantamento feito pelo Ministério da Pesca com base em questionários respondidos por 1.718 prefeituras de todo o País constatou que apenas 10,6% dos municípios (183 do total) incluem peixe na alimentação escolar. Os dados foram colhidos em 2009 pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que, entre outros temas, pesquisou a composição da merenda. Só 5,3% dos municípios (92) colocam pescados ao menos uma vez por semana no cardápio.

A pesquisa servirá de base para as primeiras medidas de um plano nacional para ampliar a presença de pescados nas escolas. Oito municípios - Mundo Novo (MS), São José do Ribamar (MA), Palmas (TO), Itanhaém (SP), Linhares (ES), Morada Nova de Minas (MG), Gravataí (RS) e Concórdia (SC) - receberão neste semestre equipamentos para oficinas de treinamento para pescadores e merendeiras.

Uma das inspirações do ministério é um projeto desenvolvido pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) no município de Marechal Cândido Rondon. Em novembro de 2009, um grupo de alunos de 4 a 13 anos foi "apresentado" a uma novidade no almoço da escola: almôndegas de peixe com molho de tomate. O índice de aprovação variou de 57% a 80% e, ao longo de 2010, o prato foi servido em seis escolas municipais onde o cardápio semanal de proteínas alternava carne de boi, de frango, de porco, ovos e leite.

Produção nacional. A meta de ampliar o consumo de peixe nas escolas públicas, anunciada pela ministra da Pesca, Ideli Salvatti, esbarra na baixa produção nacional de pescados, nas dificuldades de congelamento ou refrigeração, na necessidade de eliminar as espinhas e na resistência de parte das crianças ao peixe apenas cozido ou ensopado. "Não é um processo que se faz da noite para o dia. É necessário criar condições de armazenamento, além de processar o peixe para a criança consumi-lo de forma segura", diz a ministra.

Ideli diz que, além dos benefícios nutricionais, o aumento no consumo de peixe ajuda a cumprir a lei federal de 2009 que determina que ao menos 30% dos recursos do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) sejam usados na compra de alimentos da agricultura familiar.

O projeto em Marechal Cândido Rondon consiste no treinamento de pescadores para o preparo de polpa de tilápia, peixe de água doce comum na região. A base para as almôndegas é obtida com o uso de uma despolpadeira, máquina que retira gordura, vísceras, escamas e espinhas do peixe. O ideal é que cada associação de pescadores tenha seu próprio equipamento, mas o preço é alto: entre R$ 25 mil e R$ 50 mil. São misturados à polpa ingredientes como proteína de soja, temperos e ovos desidratados e farinhas de aveia e de rosca.

A produção prevista para 2011 no município é de 600 quilos de tilápia. Para atender as 17 escolas municipais seriam necessários 700 quilos por mês. Ao longo de 2010, a rede municipal consumiu 100 quilos de tilápia.

 

 

?

Deixe seu Comentário

Leia Também

HORÓSCOPO DO DIA
Horóscopo do dia: desta quarta-feira 12 de agosto de 2020
VÍTIMA CORONAVÍRUS
CORONAVÍRUS: Médica de 29 anos perde a vida para a covid-19 após ficar quase 30 dias da UTI
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Governo divulga resultado preliminar de processo seletivo para área da saúde
Turismo seguro
Bonito e região: saiba como o turismo está lidando com a covid-19
CRUELDADE
CRUELDADE: Grávida leva 22 facadas do marido e perde bebê
COVID-19
SÃO 16: Secretaria Municipal diz que Bonito teve um caso de Covid-19 duplicado
COVID-19
Bonito confirma mais 17 novos casos de covid-19; até ontem 119 pessoas já estavam curadas
BONITO - MS - BARREIRAS SANITÁRIAS
Barreiras Sanitárias começam nesta terça-feira nas duas entradas em Bonito (MS)
Instituto de Desenvolvimento de Bonito
IDB INFORMA: conheça o Pantanal com a segurança que precisa; desfrute da Fazenda San Francisco
Sorteio
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 11 milhões nesta terça-feira