AGÊNCIA_SUCURI_MEGA_BI
Bonito Informa - Notícias de Bonito e região
Bonito, 21 de Outubro de 2017
CLINICA_RITH
DELPHOS_FULL
11 de Março de 2011 12h09

Herança é origem da fortuna de 50% dos bilionários do Brasil

Folha.com

Ao contrário do que ocorre nos Estados Unidos e na Europa, o empreendedorismo não é a marca principal da fortuna colecionada pelos bilionários brasileiros.

Segundo a lista global da revista "Forbes" divulgada anteontem, metade dos 30 bilionários brasileiros teve a colaboração de herança para alavancar seu patrimônio.

É o caso da família Steinbruch (da CSN), dos Ermírio de Moraes (Votorantim) e de Abilio Diniz (Pão de Açúcar).

Dos 12 brasileiros que estão pela primeira vez no ranking, 9 devem à herança ao menos parte da sua presença na lista são herdeiros do Itaú Unibanco e do Bradesco.

No topo da lista, porém, o cenário é diferente. As quatro pessoas mais ricas do país têm a fortuna chamada "self-made", ou por esforço próprio: Eike Batista, Jorge Paulo Lemann, Joseph Safra e Marcel Telles.

Juntos, os 30 brasileiros mais ricos contam com uma fortuna de US$ 131,4 bilhões, ou mais que o triplo do PIB (soma de todos os bens e serviços produzidos em um ano) uruguaio.

Quase a mesma coisa acontece no ranking global, já que Carlos Slim, Bill Gates e Warren Buffett (os três mais ricos do mundo) não contam com a herança como uma das fontes do patrimônio.

Esse mesmo panorama de predomínio do legado familiar se repete no restante da América Latina, indicando uma dinâmica de economia diferente das da Europa e dos Estados Unidos.

Dos 21 bilionários latino-americanos (e que não são brasileiros), 12 receberam herança que contribuiu para a fortuna.

Somente o México tem mais bilionários que não tiveram origem na herança. Na terra de Slim, o homem mais rico do mundo, o fiel da balança foi o traficante Joaquín Guzmán Loera, que deu a vantagem de 6 a 5 para os "empreendedores".

Nos EUA e na Europa, mais de dois terços têm fortuna "self-made".

FACEBOOK

No caso americano, a lista vem sendo engrossada por empresários jovens envolvidos com o setor de tecnologia. O Facebook, por exemplo, criou seis bilionários, entre eles Eduardo Saverin, que, apesar de ter nascido em São Paulo, é contabilizado como norte-americano pela "Forbes".

O Zynga (criador do jogo Farmville) e o Groupon (de vendas coletivas) contribuíram com um novo bilionário, cada um.

Na China, que abriga a segunda maior quantidade de bilionários -atrás só dos EUA-, também predomina o empreendedorismo, mas algumas fortunas se devem a bons contatos com o Partido Comunista.

Comentários
Veja Também
bonito_celular
Últimas Notícias
  
conde_foto
CLÍNICA_RITH_300
dothCom © Copyright BonitoInforma - Todos os Direitos Reservados.