Menu
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
domingo, 17 de fevereiro de 2019
mutantes
Busca
UNIPAR_PC

Entidades reagem a declarações polêmicas sobre atuação de juízes

28 Set 2011 - 13h31Por Agência Brasil

A declaração de que a Justiça esconde bandidos atrás das togas, atribuída à corregedora-geral de Justiça, Eliana Calmon, gerou manifestações em órgãos e entidades ligadas à Justiça. O comentário polêmico foi publicado na edição de ontem (27) do jornal Folha de S.Paulo e retirado de entrevista concedida pela corregedora à Associação Paulista de Jornais.

Mais cedo, o próprio CNJ divulgou uma nota em que classificou as declarações de “levianas”. O texto, assinado por 12 conselheiros, foi lido pelo presidente do órgão, ministro Cezar Peluso, em sessão plenária do colegiado.

O tom de repúdio está em nota divulgada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). Para os ministros do TST, os desvios pontuais por parte de magistrados têm sido punidos pelos tribunais locais e pelo próprio CNJ. Eles alegaram que sentem “desconforto e constrangimento pela ofensa graciosa e inominada à honradez de todos os magistrados brasileiros”.

Já a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) defenderam a atuação correicional do CNJ, mas não comentaram as declarações da corregedora nacional de Justiça.

Autora de ação que contesta a constitucionalidade do poder correicional do CNJ, a Associação dos Magistrados de Brasília (AMB) também divulgou nota de repúdio às declarações de Eliana Calmon, depois que o presidente da entidade, Nelson Calandra, concedeu entrevista coletiva em que comentou o caso.

“Não pretendemos cercear ou esvaziar os poderes do CNJ, mas não aceitamos ser amordaçados. Os magistrados, como quaisquer outros cidadãos, têm o direito de questionar e acionar a Justiça, quando julgarem que sua independência e prerrogativas estejam sendo ameaçadas”, disse Calandra.

Para a OAB, a ação da AMB pode fazer com que se volte à “caixa preta do Judiciário”. Já a Anamatra pede que os juízes possam eleger seus representantes no CNJ.

Eliana Calmon não quis se manifestar sobre o caso, mas pessoas próximas a ela garantem que a corregedora está tranquila e que não tem receio de ser interpelada para dar explicações, uma vez que essa não é a primeira vez que isso ocorreria em razão de seu estilo “autêntico” de manifestar suas preocupações.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SURTO DE DENGUE NO MS
Primeira morte por dengue é confirmada em cidade do MS
VOLTA ÀS AULAS NO MS
230 mil estudantes da Rede Estadual de Ensino retornam às aulas nesta segunda-feira
VOCÊ É DE ACORDO?
Vereador veterinário Francisco quer microchipar cães e gatos em Campo Grande
BONITO - MS - OS CAMPEÕES
Bonito (MS): Sob forte calor, Mountain Bike e Duathlon fecham o Bonito Cross, Confira os ganhadores
CARNAVAL NO RIO DE JANEIRO
Descalça, sob chuva e com beijo, Ellen Rocche ensaia em SP, VEJA FOTOS
MINIBOLT - VEJA VÍDEO
MiniBolt, menino de 7 anos está chocando o mundo com sua velocidade espantosa, VÍDEO
DOURADOS - COLISÃO MATOU OS DOIS
Em Dourados, VÍDEO mostra colisão frontal entre motos que matou dois, assista
BONITO - MS - NOVO HORÁRIO
Com o fim do horário de verão Balneário tem novo horário de funcionamento em Bonito (MS)
BONITO - MS - REIVINDICAÇÃO
Meio Ambiente pede mais 10 policiais e 3 viaturas para PMA em Bonito (MS)
MARACAJU - SEGURANÇA
Em Maracaju, Operação Petra cumpre 18 mandados de busca e apreensão e prende três pessoas