Menu
ITALÍNEA DOURADOS
domingo, 19 de agosto de 2018
KAGIVA
Busca

Empresários investigados pela Polícia Federal negam participar de fraudes

19 Mai 2011 - 09h20Por Campo Grande News

O advogado Ronaldo Faro Cavalcanti, do empresário Jeferson Benites Cardoso, preso pela PF (Polícia Federal) na última segunda-feira durante a Operação Questor, negou envolvimento do cliente nas fraudes de licitação na prefeitura, que envolve recursos do governo federal. O empresário fornecia merenda e medicamentos à prefeitura de Ladário, a 419 quilômetros de Campo Grande.

Ronaldo Cavalcanti negou que Jeferson esteja envolvido e disse ao Campo Grande News que o cliente não trabalha com venda de remédio. Segundo o advogado, as vendas feitas pela empresa eram através de licitação, mas não eram feitas pelo cliente.

De acordo com o jornal O Estado, Jeferson Benites Cardoso assinava contratos em nome da empresa CBC (Camerson Benites Cardoso). Segundo o delegado chefe da PF em Corumbá, Alexandre do Nascimento, o empresário participava da montagem dos editais que vendia para a prefeitura e ganhava a licitação combinando o preço.

O advogado disse que os fatos divulgados não correspondem a verdade. “Em nenhum momento ele foi envolvido com qualquer tipo de venda de merenda e de remédios para a prefeitura de Ladário e muito menos com montagem de edital para licitação”, justifica.

O proprietário da empresa CBC, Camerson Benites Cardoso também procurou o Campo Grande Newspara afirmar que não vende merenda, nem remédios e sim “outros materiais”.

Questionado sobre qual motivo está sendo investigado, Camerson disse não saber e o que o caso corre em segredo de justiça. “Não temos a ver, tão investigando toda a parte da prefeitura. Nem conheço o processo de licitação e nunca fui à prefeitura”, responde.

Camerson disse que somente o representante da empresa tinha contato com o processo de licitação.

Operação - Na ação, foram investigadas fraudes envolvendo licitações com recursos do governo federal. Conforme a PF, o prejuízo aos cofres públicos supera meio milhão de reais.

Todo o material apreendido na prefeitura, será analisado por servidores do CGU (Controladoria Geral da União).

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADES NO MS
Governo de MS tem quatro concursos com 2,3 mil cargos ainda em 2018
NOVA FRENTE FRIA - VEJA A PREVISÃO
Nova frente fria chega a Mato Grosso do Sul e mínima será de 6ºC
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Governador afirma que pavimentação asfáltica da MS-223 começa nos próximos dias em Costa Rica
INELEGÍVEL
Procuradoria pede impugnação de candidatura do Zeca do PT
BONITO - MS - INAUGURAÇÃO
HOJE tem inauguração do Santo Rock Bar, caipirinha FREE para mulheres até meia-noite em Bonito (MS)
POLÍTICA
Parecer do TRE-MS dá aval para cassar vereadora Cida Amaral
MEIO AMBIENTE
Em fase final, projeto visa recuperar o Taquari com manejo correto do solo
BONITO - MS - AÇÕES NO ÁGUAS DO MIRANDA
BONITO (MS): Obras realiza serviços de revitalização no distrito Águas do Miranda
BONITO - MS
Almoço beneficente em prol do Instituto Visão de Vida acontecerá neste sábado em Bonito
CASO MAYARA
Acusado de matar a musicista Mayara Amaral diz que estava 'possuído'