AGÊNCIA_SUCURI_MEGA_BI
Bonito Informa - Notícias de Bonito e região
Bonito, 23 de abril de 2018
KAGIVA
ITALÍNEA DOURADOS
13 de maio de 2011 09h29

Código Florestal não tem nova data para votação

Campo Grande News

Após dois adiamentos, não há previsão para que o novo Código Florestal (PL 1876/99) seja votado pela Câmara. Depois da ameaça de derrota, o governo federal obstruiu a votação de ontem e não fixou nova data para que a proposta entre novamente na pauta.

“Foi uma manobra regimental do governo e da base aliada – contra o meu voto e de alguns outros – diante da iminente derrota em relação a um destaque que seria apresentado para impedir que, por decreto, se pudesse regulamentar as APPs”, explica o deputado federal Fábio Trad (PMDB-MS).

As APPs (Áreas de Proteção Permanente) são um dos pontos mais polêmicos do novo projeto. Pelo texto final do relator, essas áreas serão regulamentadas por meio de decreto federal e deverão atender a três critérios básicos: ter utilidade pública, interesse social e baixo impacto ambiental.

A oposição e a bancada ruralista se manifestaram contra à regulamentação por decreto. A emenda que provocou a reação do governo retirava do Planalto e repassava para os estados a função de executar a regularização.

“Minha posição é clara desde o início: voto com o relator Aldo Rebello, de acordo com o projeto apresentado e discutido exaustivamente durante vários meses”, diz Trad.

O clima foi pesado durante toda a sessão de ontem. O relator chegou a ser acusado de mudar o texto do relatório que havia sido acordado com as lideranças partidárias. Sentindo a ameaça de uma derrota, a base aliada esvaziou o plenário.

“Houve obstrução do PT e PMDB. Votariam um requerimento para retirar o código da pauta, porém, com medo de perder, o governo adotou a obstrução”, resume o deputado federal Edson Giroto (PR-MS).

O líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), disse que não há previsão, por parte do governo, para a proposta do novo código entrar novamente na pauta do plenário. O Executivo quer que sejam votados pelo menos três das oito medidas provisórias (MPs) que perdem a validade no dia 1º de junho, antes de voltar a apreciar o PL.

O governo quer votar as MPs 517/10, que reduz a zero o Imposto de Renda incidente sobre os rendimentos de títulos privados se o comprador residir no exterior; a 520/10, que cria a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) para apoiar os hospitais universitários federais; e a 521/10, que cria um regime especial para a licitação das obras da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016.

Comentários
Veja Também
AGÊNCIA_SUCURI_LATERAL
Últimas Notícias
  
conde_foto
SCOORIA TATOOO
dothCom © Copyright BonitoInforma - Todos os Direitos Reservados.