Menu
segunda, 26 de julho de 2021
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO JUNHO
Saúde

Parte dos brasileiros desconhece alimentos com alto teor de sal

6 Nov 2013 - 11h11Por Agência Brasil

Mesmo com uma intensa publicidade nos meios de comunicação e nos próprios consultórios médicos, muitas pessoas desconhecem os perigos que o consumo excessivo de sal pode causar à saúde. Outras, por sua vez, sabem dos riscos à saúde mas ignoram os alimentos que têm alto valor de sal ou sódio, como os embutidos – presunto, mortadela e mortadela de frango  –, macarrão instantâneo e maionese, por exemplo.

Tabela da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mostra que o queijo parmesão ralado, tão utilizado pelas famílias brasileiras nas macarronadas de fim de semana, lidera os alimentos com maior teor de sal em sua composição. Ontem (5), o Ministério da Saúde e a Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação assinaram o quarto acordo para diminuir a quantidade de sal nos produtos que vão à mesa dos brasileiros.

O médico cardiologista Geniberto Paiva Campos, ex-presidente da Sociedade de Cardiologia do Distrito Federal (SBC-DF) e atualmente coordenador do Observatório da Saúde do Distrito Federal disse à Agência Brasil que o sal é o grande responsável por problemas como o infarto, a diabetes e a hipertensão, esta última de difícil diagnóstico que se tornou um problema de saúde pública. “O excesso de sal é ruim, traz problemas para o coração, para os rins, eleva a pressão arterial e está diretamente ligado as causas de infarto”, destacou o cardiologista.

Segundo ele, todo esse impacto na saúde do brasileiro torna o consumo excessivo de sal e de sódio um problema de saúde pública e, por isso, torna-se necessária a redução do uso do sódio nos alimentos. Ele reconheceu que a tradição da culinária brasileira é um dos pontos que mais dificultam o processo de convencimento do cidadão. Geniberto citou, por exemplo, o tradicional churrasco gaúcho. Uma forma de driblar a quantidade de sal colocada na carne, segundo ele, é descartar a capa da carne, onde o produto se concentra. “Agora, vai dizer isso para o gaúcho”, brincou.

Apesar de o consumo excessivo fazer mal a saúde, o sal é necessário para o corpo humano e, ao mesmo tempo, a redução da quantidade ingerida é facilmente aceita pelo organismo. O segredo é diminuir gradativamente o consumo e não tentar cortá-lo da dieta de uma vez.

A nutricionista e professora da Universidade de Brasília (UnB), Raquel Botelho, deu dicas para controlar o consumo de sal. “Nós temos que incentivar a população a usar temperos a base de ervas, até mesmo pimentas, porque não contêm sódio”. Outro produto que pode ajudar no processo de redução do consumo de sal é o alho, tempero que é benéfico à saúde que contribui no tratamento de infecções patogênicas e previne doenças como o câncer e problemas cardiovasculares.

A professora explicou que o cidadão tem que tomar cuidado com os temperos industrializados. “Cada tablete de tempero contém mais de 1 mil miligramas de sódio”. Segundo ela, o brasileiro consome três vezes mais sal do que deveria.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VACINA MAIS VACINA CHEGANDO
Mato Grosso do Sul recebe essa semana 112.660 doses de vacinas contra Covid-19
Foto: Filipi Brites - Ascom - Arquivo BONITO - MS - VACINAÇÃO CONTRA COVID
Bonito aplicou mais 271 doses contra Covid na última sexta-feira
PREVISÃO DO TEMPO PREVISÃO DO TEMPO
Forte frente fria traz chuva para vários estados, MS pode ter fortes rajadas de vento
FRIO PREVISÃO DO TEMPO
Julho termina com onda de frio intensa e neve, em MS mínimas podem chegar a 2º
Foto: Mycchel Legnaghi - São Joaquim online FRIO INTENSO
Maior frio do ano? Temperaturas negativas, geada e até neve!
HEMOSUL HEMOSUL
VAMOS DOAR: Hemosul Coordenador abre neste sábado das 7h às 17h para repor estoques de sangue
FRIO FRIO INTENSO
Frio chega com força e pode ser o mais intenso do século no Brasil
VACINA CORONAVÍRUS EM MS
ALERTA: Não é momento de descuidar, taxa de contágio tem leve aumento em MS
ASTRAZENECA VACINA ASTRAZENECA
AstraZeneca: 02 doses têm proteção de 93,6% contra mortes por Covid, entenda sobre a 1ª e 2ª
VACINA VACINAÇÃO COVID EM MS
A cada 10 pessoas em MS, 3 foram completamente imunizadas