Menu
sexta, 29 de maio de 2020
BANNER ANNA
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO
Política

Bolsonaro pode abrir crise com Congresso se vetar novas regras eleitorais

Parlamentares avaliam que, se Bolsonaro vetar trechos considerados essenciais, poderá abrir uma crise com o Poder Legislativo

20 Set 2019 - 10h30Por Redação

A cúpula do Congresso Nacional acompanha com lupa os movimentos do presidente Jair Bolsonaro em relação ao projeto que estabelece novas regras eleitorais. Parlamentares ouvidos pelo blog da Andréia Sadi, avaliam que, se Bolsonaro vetar trechos considerados essenciais, poderá abrir uma crise com o Poder Legislativo.

O texto foi aprovado pela Câmara na última quarta-feira, dia 18 de setembro, um dia após ser votado no Senado, e depende agora da sanção presidencial para entrar em vigor. Entre outros pontos, a proposta cria um fundo eleitoral sem valor definido para financiar as campanhas do ano que vem.

Para alguns parlamentares, o presidente até pode vetar um trecho ou outro do projeto sem grandes consequências para os trabalhos com o Legislativo. Mas há preocupação com um eventual veto ao ponto tido como fundamental: justamente o que trata do fundo.

Deputados e senadores ouvidos pelo blog repetem que já tiveram o desgaste de se "expor" em nome da "sobrevivência política", votando a favor do fundo mesmo à revelia da opinião pública e apesar da crise nas contas públicas.

Diante disso, esses parlamentares argumentam que, se Bolsonaro vetar a criação do fundo, como defendem alguns aliados, terão de lidar com um segundo desgaste: derrubar o veto mesmo diante da possibilidade de novas críticas surgirem.

Nos bastidores, o argumento é o de que a eleição do ano que vem envolve mais candidatos, vai ser maior e, portanto, precisa de mais recursos.

Para valer em 2020, a lei precisa ser sancionada por Bolsonaro até 4 de outubro. Inicialmente, os líderes partidários chegaram a anunciar um acordo para manter o fundo com o mesmo montante da eleição de 2018 (R$ 1,7 bilhão), mas caberá à Comissão do Orçamento fixar o valor.

Desgaste

Parlamentares lembram que Bolsonaro, recentemente, vetou trechos da Lei do Abuso de Autoridade, aprovada pelo Congresso, o que foi considerado um "sinal de desprestígio" do Palácio do Planalto em relação a deputados e senadores.

Por isso, afirmam, eventuais vetos às novas regras eleitorais poderiam atrapalhar a vida dos parlamentares nas próximas eleições e, consequentemente, também a de Bolsonaro no Congresso.

Deputados e senadores lembram que o Congresso ainda vai analisar, por exemplo, a possível indicação de Eduardo Bolsonaro para o cargo de embaixador do Brasil nos Estados Unidos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Secretaria  de Educação  de MS  exibirá  aulas remotas na TVE SED/MS e FERTEL
SED/MS e FERTEL firmam convênio para transmissão de aulas da rede pública pela TVE Cultura
Cada unidade habitacional possui dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço. AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Agehab divulga lista de pré-selecionados em programa habitacional em Aquidauana
Com inclusão das instituições de longa permanência na ação do Governo, 1.606 idosos de 49 cidades serão atendidos AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Em nova entrega de cestas básicas, Reinaldo Azambuja destaca atendimento de 1,6 mil idosos
Política
Bolsonaro proíbe Mandetta de trabalhar por seis meses: 'estou abismado'
POLÍCIA FEDERAL EM AÇÃO
Aliados de Bolsonaro, Roberto Jefferson, Luciano Hang, e blogueiro são alvos de operação da PF
CORONAVÍRUS NO MS
Governo de MS vai comprar 3 milhões de máscaras e estuda kit para volta às aulas
BONITO - MS - APROVADO
Prefeitura aprova Protocolo de Biossegurança. Confira aqui o documento na íntegra
Basta criticar para ser 'comunista'
Após Bolsonaro criticar repórteres, apoiadores hostilizam jornalistas
ELEIÇÕES 2020
Líderes municipalistas confirmam inviabilidade das eleições 2020
CORONAVÍRUS NO MS
Prefeitura notifica JBS/Seara e solicita novamente a suspensão temporária das atividades em MS