Menu
sexta, 24 de setembro de 2021
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO JUNHO
NOVO SALÁRIO MÍNIMO

Bolsonaro aumenta salário mínimo de R$ 998 para R$ 1.039

Bolsonaro aumenta salário mínimo de R$ 998 para R$ 1.039

31 Dez 2019 - 16h20Por TERRA

O presidente Jair Bolsonaro decidiu nesta terça-feira, 31, reajustar o salário mínimo dos atuais R$ 998 para R$ 1.039, segundo informou a Secretaria-Geral da Presidência. O valor representa um aumento de R$ 8 do que estava previsto no Orçamento de 2020. O novo mínimo passa a vigorar a partir desta quarta-feira, 1º de janeiro.

Uma medida provisória com o novo valor foi assinada na manhã desta terça-feira, 31, por Bolsonaro, após o presidente se reunir com os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira, no Palácio do Alvorada. A MP foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União ainda nesta terça.


O presidente estava na Bahia com a filha caçula, Laura, onde ficaria até o próximo domingo, mas decidiu antecipar o retorno para passar a virada do ano com a mulher, Michelle Bolsonaro. Ela havia ficado em Brasília porque, segundo o presidente, passaria por uma pequena cirurgia.

O Orçamento de 2020 aprovado no último dia 17 por deputados e senadores previa o valor de R$ 1.031, sem aumento real (ou seja, com reajuste apenas para compensar a perda da inflação estimada para este ano).

O mês de dezembro é sempre um dos melhores para pequenos e grandes empreendedores e as vendas de Natal e fim de ano costumam dar uma boa aquecida na economia do país. Aumente as vendas do seu negócio! Clique aqui.

O valor mais baixo havia sido proposto pelo próprio governo em novembro, após o Ministério da Economia revisar a estimativa do INPC, índice de inflação usado como base para o cálculo, que passou de 4% para 3,5%.

Política de reajuste - A política de aumentos reais (acima da inflação) do salário mínimo vinha sendo implementada nos últimos anos, após ser proposta pela então presidente Dilma Rousseff e aprovada pelo Congresso. Os reajustes pela inflação e variação do PIB vigoraram de 2011 a 2019, mas nem sempre o salário mínimo subiu acima da inflação.

Em entrevista no último dia 18, após o Congresso aprovar o Orçamento para o ano que vem, o ministro da Economia, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o valor do mínimo será discutido ano a ano. Para ele, a decisão de governos anteriores de fixar uma regra que valia para vários anos "não foi boa para o País". "Quando a gente pensa hoje em política salarial, você está fazendo demagogia", afirmou.

O ministro afirmou ainda que um aumento maior do salário mínimo pode ter consequências perversas no mercado de trabalho. "Temos receio de alimentar a máquina de desemprego se a gente fizer qualquer coisa que dificulte a geração de emprego", afirmou. Segundo ele, o trabalhador recebe R$ 1 mil, mas custa R$ 2 mil para a empresa. Por isso, elevar ainda mais o piso tem impacto no mercado e nas contratações.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - VISITA DO PRESIDENTE
Bolsonaro cancela vinda ao MS, presidente iria passar dia 1º de outubro em Bonito
BONIITO - PARCERIA
BONITO: Lâmpadas de LED e câmeras de segurança são destaques da parceria com Energisa e FIEMS
TRISTE REALIDADE
Rio Miranda sofre com assoreamento e corre risco de 'secar'
ICMS DA CONTA DE LUZ
Aprovado na Assembleia, projeto que reduz imposto da conta de luz
AÇÕES DEPUTADO RENATO
Projeto reconhece importante papel dos conselheiros estaduais de direitos e políticas públicas
BONITO - NOTA DE ESCLARECIMENTO
BONITO: Prefeitura esclarece sobre print que circula no WhatsApp sobre Bolsa Educacional
VEJA COMO FAZER
Governo reabre inscrições do Programa 'Incentiva+MS Turismo' de R$ 1 mil para guias de turismo
BONITO - TRABALHOS LEGISLATIVOS
Confira o trabalho do seu vereador e vereadora durante sessão ordinária da Câmara de Bonito (MS)
AÇÕES DEPUTADOS RENATO
Idosos e pessoas com deficiência podem solicitar carteira digital para transporte intermunicipal
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo de MS e mais 19 governadores reforçam que preço da gasolina é um 'problema nacional'