Menu
quinta, 28 de janeiro de 2021
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO JANEIRO

Ministra diz que obras de infraestrutura não podem atropelar direitos sociais

14 Mai 2011 - 15h25Por Agência Brasil

As grandes obras de infraestrutura em curso no Brasil devem beneficiar as comunidades e não trazer prejuízos a elas. A avaliação é da ministra da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, Maria do Rosário, ao comentar o relatório da Anistia Internacional que constatou que algumas comunidades estão enfrentando ameaças de despejo por causa dos projetos de infraestrutura planejados para a Copa do Mundo e as Olimpíadas.

A ministra garantiu à Agência Brasil que o governo federal acompanha de perto a situação. “O governo está atento, não somente à situação do Rio de Janeiro, mas de todas as capitais que recebem importantes empreendimentos com vistas aos grandes eventos. E nós não permitiremos que essas obras ocorram sem que se tenha uma atenção redobrada aos direitos sociais e à cidadania dessas comunidades que devem ser beneficiadas por essas obras”.

Para Maria do Rosário, é preciso escutar as comunidades para produzir soluções efetivas para assegurar moradia digna. Ela lembra que muitas famílias estão em situação precária e de risco, como em beiras de arroios e encostas de morros. “Essas comunidades têm que ser ouvidas sobre a nova localização de suas moradias, mas é inegável que não se pode deixar essas pessoas em situação de risco”.

A ministra relatou que um grupo de trabalho, formado por membros da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, da Secretaria de Políticas para as Mulheres, e dos ministérios da Cultura, dos Esportes e das Cidades, está em contato com todas as capitais brasileiras onde estão sendo realizados grandes empreendimentos para que seja assegurado o respeito às comunidades atingidas, especialmente quando há a necessidade de realocação das famílias.

Em relação às críticas da Anistia Internacional sobre a violência policial e a situação dos presídios no Brasil, Maria do Rosário disse que o governo brasileiro é o principal interessado na superação das violações dos direitos humanos no país e tem trabalhado neste sentido.

Ela pediu o apoio da comunidade internacional no reconhecimento do esforço brasileiro. “Nós contestamos um certo tom pessimista do relatório [da Anistia Internacional]. Assim como assumimos a existência de violações e nos colocamos como aqueles que devem prestar contas e afirmar os direitos humanos no Brasil, muitas ações estão em curso para enfrentar as violações de direitos humanos e não descansaremos enquanto elas não tiverem resposta”.
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - VISITA ADIADA
Chuvas adia visita do governador em exercício em Bonito (MS)
BONITO - MS - VACINAÇÃO
Vacinação para idosos acima de 75 anos começa nesta quinta-feira (28), em Bonito
ACIDENTE FATAL
Carro é partido ao meio e uma pessoa morre em acidente em MS
BONITO - MS - A FILA VAI ANDA
Com 400 pacientes aguardando, corpo clínico do Darci Bigaton retoma cirurgias eletivas em Bonito
Serão beneficiadas 3,3 milhões de pessoas - Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil AUXÍLIO EMERGENCIAL
AINDA NÃO SACOU: Auxílio emergencial tem última parcela para saque hoje
MACABRO
Macabro: Bombeiros descobrem ossada de homem dentro de fossa em Maracaju
MS NA PANDEMIA
Pandemia não impede que MS tenha número recorde de novas empresas abertas em 2020
CORONAVÍRUS EM MS
Mato Grosso do Sul registra 582 novos casos de Covid e 9 óbitos nas últimas 24h
ACIDENTE NAS ESTRADAS
Incêndio derrete ônibus de viagem que trazia 40 pessoas para Campo Grande
TURISMO EM MS
Estudo para concessão de parques estaduais deve ser concluído no 1° semestre