Menu
quarta, 28 de julho de 2021
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO JUNHO

Lei que cria alternativas à prisão provisória pode reduzir superlotação, diz Pastoral

6 Mai 2011 - 17h02Por Agência Brasil

O assessor jurídico da Pastoral Carcerária, José de Jesus Filho, acredita que a lei que cria alternativas à prisão provisória, sancionada nesta semana pela presidenta Dilma Rousseff, pode significar a redução da superlotação nos presídios. Segundo ele, o índice de presos provisórios, no Brasil, é aproximadamente 44% da população carcerária que, em 2010, era mais de 490 mil pessoas.

Segundo ele, se a lei for aplicada da forma adequada, a expectativa é que ela seja muito benéfica à toda população.

“O contribuinte brasileiro gasta uma fortuna com o sistema prisional, enquanto o problema poderia ser resolvido de forma mais racional”, disse em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional.

Para o assessor da Pastoral Carcerária, ligada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), há pessoas com condições de responder aos seus delitos em liberdade, porém é preciso um monitoramento. “Imagine a pessoa que furtou R$ 50, o Estado vai prender e gastar cerca de R$ 1,5 mil por mês para mantê-la presa por um ano até o julgamento final”, explica Jesus Filho.

A Lei 12.403, sancionada nesta semana, modifica o Código de Processo Penal e cria alternativas à prisão provisória. A norma deve entrar em vigor em 60 dias. Antes da criação da lei, a única opção dos juízes era determinar a prisão provisória ou a plena liberdade a suspeitos de praticarem crimes. Não havia um meio termo, mesmo para as situações de crimes de menor potencial ofensivo. Com a nova lei, foram criadas medidas como a prisão domiciliar e o monitoramento eletrônico, por meio de tornozeleira, para esses casos.

As medidas cautelares à prisão preventiva são determinadas por juízes, entre elas, estão a prisão domiciliar, a liberdade monitorada, a proibição de frequentar determinados lugares, a proibição de ausentar-se da comarca quando a presença é necessária e a suspensão do exercício de função pública.

Os delegados poderão conceder fianças para crime em que a pena máxima é de quatro anos. Os demais casos devem ser encaminhados ao Judiciário. A lei só prevê a aplicação de medidas alternativas à prisão preventiva aos delitos menos graves.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VACINAÇÃO COVID NO BRASIL
Adolescentes entre 12 e 17 anos serão incluídos na vacinação contra Covid, veja como será
TURISMO - AUXÍLIO
Auxílio de R$ 1.000 do Incentiva+MS Turismo, veja como fazer o cadastro e ficar ligado no prazo
PANTANAL - ENERGIA SOLAR ENERGIA SOLAR NO PANTANAL
Governador e ministro visitam projeto para levar energia solar a mais de 2 mil famílias no Pantanal
TURISMO - BONITO TURISMO EM MS
Fundtur apresenta calendário de eventos para promoção online e presencial do turismo de MS
Frio de gelar os ossos chega a MS e há possibilidade de geada no sul do estado (G1) FRIO CHEGA CHEGANDO
Frio intenso com geadas e temperatura de até -5° entre quarta e sexta em MS
BONITO - MS - NO GABINETE
Avaliação da gestão, o que pode melhorar e planos para o aniversário é discutido em Bonito (MS)
A RETOMADA
Volta às aulas e retomada econômica, secretários anunciam medidas e cor das bandeiras do Prosseguir
Secretário de estado de Saúde, Geraldo Resende. (Foto: Paulo Francis) - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS USO DE MÁSCARA
Uso de máscara deve continuar por um bom tempo, avisa secretário
TENTATIVA DE ASSASSINATO
Jovem é surpreendido a tiros em frente à porteira de propriedade rural em MS
Escola Estadual Luiz da Costa Falcão VOLTA ÀS AULAS EM MS
Aulas presenciais na Rede Estadual voltam na próxima semana com toda segurança necessária em MS