Menu
segunda, 19 de abril de 2021
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO JANEIRO

Ìndios kadiwéu acusam Funai de participar de tortura na aldeia São João, em Bonito

21 Mar 2011 - 12h01Por Campo Grande News

Há 3 meses, índios da aldeia São João, em Bonito, tentam afastar da coordenação da Funai no município coordenadores que teriam assistido a sessão de tortura contra 3 kadiwéu, em dezembro do ano passado.

Ao lado de policiais identificados como membros do DOF (Departamento de Operações de Fronteira), os chefes da Coordenação do órgão, Lourival Matechua Souza (titular) e Antônio Bezerra (substituto), segundo os índios, acompanharam e incentivaram espancamento de jovens acusados de roubo de gado.

O cacique Ceprianio Mendes relata em denúncia formalizada ao Ministério Público Federal, presidência da Funai, Polícia Federal e Secretaria de Segurança Pública, que um dos índios, Vanildo Mendes, foi asfixiado, depois submetido a sessões de afogamento no rio Formoso e por fim, teve os testículos rompidos após espancamento.

Os 3 foram obrigados a acompanhar os policiais e membros da Funai por vistoria na região, diz o cacique, sempre com a presença de Lourival e Antônio Bezerra.

Vanildo é filho de Cepriano, e foi detido pelo DOF no dia 10 de dezembro, depois que fazendeiros da região acusaram o grupo kadiwéu de roubar gado. Nenhum animal foi encontrado na área indígena, diz o Cacique, mas os 3 suspeitos estão ainda hoje com as sequelas das agressões.

“Hoje eles estão invadido e tudo isso foi comandado pelos chefes da Funai. Sem nenhum constrangimento com o nome da instituição, ainda realizaram a operação usando os veículos da Funai”, denuncia o cacique.

Em nome dos kadiwéu, ele acusa os dois servidores da Funai de receber suborno de fazendeiros e ser conivente com arrendamento de terras indígenas para não-índios, o que é ilegal.

Em Bonito, o Campo Grande News tentou contado com os coordenadores do órgão via telefone fixo, mas não foi atendido.

Cópias dos relatos estão desde o dia 17 de março com o MPF, Polícia Federal, Funai e Sejusp. Os documentos são assinados pelos caciques Cepriano Mendes, da aldeia São João; Candido Abicho, da aldeia Barro Preto; e Alcolino Abicho, da aldeia Tomázia.

Atualmente, grupo de índios kadiwéu está acampado na fazenda Santa Clara, que faz divisa com a aldeia São João, reivindicando a demarcação da área como indígena.

O clima no local é considerado tenso, porque caseiros estariam impedidos de sair pelos índios. Os proprietários tentam a intervenção da PF.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - LUTO
BONITENSE: Polícia investiga morte de paciente com covid que teve traqueia perfurada em intubação
NOVA VARIANTE EM MS
Bonito, Jardim, Guia Lopes tem casos com nova variante coronavírus, veja todas as cidades de MS
BONITO - MS - BOLETIM COVID-19
Mulher de 35 anos é mais uma vítima da Covid que chega a triste marca de 40 óbitos em Bonito
BONITO - MS - TRABALHOS NÃO PARAM
Mutirão de limpeza e outras ações são realizados na área urbana e nos assentamentos em Bonito (MS)
Geraldo saiu para pegar a caminhonete que estava na frente da casa. (Foto: Kisie Ainoã) - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS CRIME EM MS
Homem é executado com mais de 60 tiros de fuzil na porta de casa em MS
AÇÃO DA PMA
Homem é multado por maus-tratos, ele deixou o cavalo morrer dentro de valeta em MS
BONITO - MS - MÚSICA AO VIVO
Música ao vivo é liberada em bares e restaurantes, respeitando protocolos de biossegurança em Bonito
ATENÇÃO DOADORES
ATENÇÃO DOADORES: Hemosul atende das 7h as 12h e precisa de sangue O- e O+
UEMS
UEMS oferta 78 bolsas no valor de R$ 400 para Projetos de Ensino
PREVISÃO DO TEMPO
Frente fria muda o tempo em boa parte do centro-sul do País, fim de semana pode ser chuvoso em MS