Menu
quinta, 5 de agosto de 2021
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO JUNHO

Hostels viram "negócio sério" e vão do Leblon à favela

17 Jun 2013 - 15h01Por Veja

A expectativa pela Copa do Mundo de 2014 e pelos Jogos Olímpicos aqueceu o mercado de hotelaria no Brasil - e os hostels surfam nessa onda. Esse tipo de hospedagem mais barata, informal e caracterizada por quartos compartilhados tem ganhado a atenção de empresários brasileiros interessados em oportunidades no setor de serviços num momento em que o turismo se desenvolve como nunca no país. Apenas em São Paulo, o número de estabelecimentos cresceu 159% no primeiro semestre de 2013 (de 22 para 57 estabelecimentos), na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo a Associação de Hostels de São Paulo (Ahostelsp).

Se nos Estados Unidos e na Europa os hostels são uma forma corriqueira de hospedagem, esse tipo de negócio, no Brasil, é tão novo quanto o interesse dos jovens estrangeiros em passar férias no país. No Rio de Janeiro, a cidade que mais recebe turistas, são apenas 72 hostels, de acordo com a Riotur - alguns deles, inclusive, em favelas como a Rocinha. Para se ter uma ideia do quanto o mercado poderá crescer no Brasil, em Nova York, são mais de 150 estabelecimentos. Já em Barcelona, 400.

Diante do déficit hoteleiro que não cede no país - a oferta continua escandalosamente menor que a demanda e se reflete nos preços, sobretudo em tempos de grandes eventos esportivos -, o mercado de hostels se mostra oportuno em algumas capitais turísticas. Contudo, especialistas ouvidos pelo site de VEJA fazem um alerta aos empreendedores de primeira viagem: não basta colocar um monte de camas em uma casa grande e esperar os hóspedes chegarem. É necessário planejamento e, em muitos casos, investimentos quase milionários.

Mesmo assim, o setor vem seduzindo empreendedores de todo o país, que estão largando empregos "engessados" e apostando em uma área que, além de ganhos, traz a experiência de conhecer pessoas de todo o mundo. De acordo com Laura Maia, que é proprietária do Adventure Hostel e supervisora do Ralé Chateau (na favela pacificada do Cantagalo) – ambos no Rio – e presta consultoria para interessados em entrar no setor, o investimento em um hostel fica entre 150 e 400 mil reais. No Ralé - nome que satiriza a rede de hotéis de luxo Relais & Châteaux -, as diárias estão entre 45 e 60 reais.

No entanto, há lançamentos mais vultosos - sobretudo quando o investimento é um hostel "boutique", cujo público é formado por jovens "descolados"que querem hospedagem com estilo, sem pagar por uma diária de hotel. Localizado em um edifício de três andares na zona sul carioca, o Leblon Spot foi lançado em 2010 como um design hostel: decoração minimalista, trilha sonora de música eletrônica e serviço comparável ao de um hotel 4 estrelas. Para tal resultado, foram investidos 800 mil reais apenas na reforma e decoração do local.

Em São Paulo, um outro hostel foi lançado com investimentos de peso. No mês passado, após nove meses de reformas, um casarão na região da Avenida Paulista deu lugar ao Beew, que exigiu aporte de 700 mil reais. “Praticamente colocamos o imóvel original abaixo. Depois, adequamos as instalações ao que pensamos ser o melhor para o hostel”, afirma Gustavo Dermendjian, sócio do Beew. Animado com o novo negócio e com os eventos que a cidade recebe e vai receber, Dermendjian planeja lotação máxima no período da Copa do Mundo. Em seu hostel, a diária é de 60 reais para quartos compartilhados e de 250 reais para suítes particulares.

É preciso segmentar – Se, no Rio de Janeiro, o mercado de hostels é abastecido pelos milhares de turistas estrangeiros que buscam aproveitar as belezas da cidade, em São Paulo, a oferta precisará se concentrar em nichos, como o Beew, para que não haja falta de hóspedes.

A capital paulista é notória pelo turismo empresarial, onde os hóspedes mantêm a preferência por tradicionais quartos de hotéis. O aumento do número de hostels precisará ser acompanhado por estratégia e plano de negócios para atrair os demais turistas - sobretudo jovens. Segundo Maria José Giaretta, presidente da Hostelling International do Brasil, a cidade já sente os efeitos de queda na taxa de ocupação - e os estabelecimentos terão de se destacar pela segurança de acomodações e direcionar o foco para públicos específicos. "Agora é a hora de organizar a casa e primar pela qualidade para conseguir crescer", afirma a empresária. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cachorro abre portão no São Conrado em Campo Grande - Crédito: Reprodução Facebook/ Francisco Assis Dias SÃO MUITO INTELIGENTES
Cachorro abre portão de elevação quando quer passear em Campo Grande
Câmara Municipal de Bonito - Sessão Ordinária BONITO - TRABALHO LEGISLATIVO
Confira o trabalho do seu vereador durante a sessão ordinária da Câmara de Bonito (MS)
BONITO - VACINAÇÃO COVID-19 BONITO - VACINA NO BRAÇO
BONITO vacina pessoas a partir de 24 anos nesta sexta-feira, veja horário e local
BONITO - MS - PARCERIA UFMS
Prefeitura estabelece parceria com a UFMS para cessão de uso de espaço físico da unidade de Bonito
BONITO - AÇÃO DA GUARDA MUNICIPAL
Guarda Municipal combate mais de 20 focos de incêndio só no mês de julho em Bonito
BORA PRA BONITO - MS
Águas de Bonito oferece muito conforto para seus melhores momentos na hospedagem em Bonito (MS)
TCHAU FRIO!!!
TCHAU FRIO: Nova onda de calor deve chegar na próxima semana, confira a previsão
Bombeiros controlam incêndio no carro do motorista de aplicativo  Foto: José Aparecido/TV Morena POR POUCO
Motorista de aplicativo sequestrado é tirado de porta-malas antes de carro ser tomado por chamas
POLÍCIA
Homem é encontrado durante a madrugada por garota de programa todo ensanguentado em MS
ESPORTE
Inscrições abertas para a 1ª Corrida Virtual de MOUNTAIN BIKE em cidade de MS, veja como participar