Menu
domingo, 20 de setembro de 2020
Busca
ZAP INFORMÁTICA

Estudo do Ipea mostra que 65% da população usam transporte público nas capitais

5 Mai 2011 - 17h03Por Boni Miranda - Bonito Informa - Agência Brasil

Um estudo divulgado ontem (4) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) aponta que 65% da população das capitais usam transporte público para se deslocar. Esse percentual cai para 36% nas cidades que não são capitais. Apenas 2,85% da população residente em capitais se locomovem a pé no dia a dia. Já nas outras cidades, esse percentual sobe para 16,63%.

A bicicleta é o meio de transporte de 3,22% das pessoas que vivem nas capitais. Nas outras cidades, esse percentual é 8,45%. A moto é usada por 5,5% da população que vive nas capitais e por 15% nas demais cidades. Em todos os municípios brasileiros, 23% da população adotam o carro como meio de transporte.

O estudo sobre mobilidade urbana faz parte de uma série chamada Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS). A partir deste e de outros estudos, o órgão poderá propor medidas mais adequadas para cada tipo de região. E, também, deixar a população mais esclarecida sobre os serviços e as possibilidades de transporte que são oferecidos.

Nas grandes cidades, por exemplo, o governo poderá aplicar ações que motivem as pessoas a deixarem o carro na garagem e usar o transporte público. E em pequenas cidades, estimular o uso de bicicletas ou o hábito de andar a pé quando a locomoção for por pequenas distâncias.

Uma das conclusões à que chegou o Ipea é a tendência de se alcançar melhores resultados a partir de investimentos em corredores de ônibus e metrôs, aliados a políticas tarifárias que permitam ampliar o número de usuários de transporte público.

Em Curitiba, a diarista Benedita de Oliveira, 50 anos, diz que só o transporte rápido e integrado do município permite que ela trabalhe em até três casas por dia. “É comum sair de onde moro e trabalhar em três lugares diferentes gastando apenas duas passagens de R$ 2,50 cada”, diz.

O Ipea enfatiza que a redução do tempo de viagem deve ser estimulada. “A rapidez, a disponibilidade e o menor custo foram características recorrentemente citadas de forma explícita pelos entrevistados”, afirma o estudo. Segundo ele, a diferença de percepção da segurança entre os usuários de automóveis e os de transporte público pode revelar importantes aspectos para a atuação pública.

A pesquisa perguntou que motivo faria os não usuários de transporte público a passar a fazer uso dele. A maior rapidez do transporte público foi a resposta mais apresentada pelos usuários de bicicleta, carro e moto. Para quem se locomove a pé, a resposta está ligada à questão da disponibilidade desse tipo de meio de transporte.

Os motivos mais indicados pelos pedestres para terem optado por andar a pé são a saúde e a rapidez. No entanto, eles afirmam predominantemente que passariam a usar o transporte público caso houvesse maior disponibilidade, fosse mais barato e também mais rápido. Para o pedestre, estas duas últimas características são necessárias para se ter um bom transporte.

Os ciclistas escolhem essa forma de transporte pelos mesmos motivos apresentados pelos pedestres: saúde e rapidez. Mas também ressaltam, como motivo, o baixo custo.

No uso do transporte individual motorizado (carro e moto), quem utiliza o primeiro ressalta o motivo do conforto e a comodidade, enquanto os que optam pela moto justificam sua escolha devido ao preço. Mas ambos consideram a rapidez como o fator de maior importância.

O gerente Luís Otávio de Sousa, 32 anos, morador de Brasília, gasta R$ 250 por mês de combustível. "O carro é o meio de transporte que uso diariamente para ir ao trabalho, pelo fato da comodidade e rapidez,” disse.

Segundo ele, entre os motivos para não usar o transporte público estão o descumprimento do horário, a má conservação dos veículos e as poucas unidades circulando pelas ruas. “Não utilizo o ônibus porque fico horas na parada e ele não passa. Quando passa, é sempre cheio e na maioria das vezes quebra no meio do percurso”, afirmou.

O auxiliar administrativo Adílson Ribeiro, 59 anos, utiliza a moto para ir trabalhar e para a maioria de seus compromissos. "Às vezes uso ônibus, mas o tempo que gasto na parada esperando é muito longo, daria para  chegar ao meu destino se tivesse de moto. Além disso, [usar a moto] é mais barato e mais rápido, gasto, em média, R$ 100 com combustível", disse Adílson que reclama da falta de respeito às leis de trânsito e ao motociclista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Van que se envolveu no acidente em Patos de Minas (MG) na madrugada deste domingo (20)  Foto: Polícia Rodoviária Federal/Divulgação TRAGÉDIA NAS ESTRADAS
TRAGÉDIA: Batida entre van e caminhão mata 12 pessoas, 02 adolescentes e 01 criança estão entre elas
Renato tinha 50 anos e era formado em educação física - Assessoria/Cedida CORONAVÍRUS NO MS
Professor e candidato a vereador morre em decorrência da Covid-19 em MS
PLANTÃO POLICIAL CRIME EM MS
ASSASSINATO: Jovem de 23 anos é morto a facadas pela namorada de 17 anos e ainda ameaça socorristas
BONITO - MS - A CASA CAIU
CASA CAIU: Polícia Militar apreende cerca de 700 quilos de maconha em Bonito (MS)
LUTO NO BOMBEIROS DE MS
Corpo do Subtenente BM que morreu em acidente em Santa Catarina chega em Dourados
BONITO - MS - BOLETIM COVID-19
Homem de 64 anos é a 7ª vítima de coronavírus em dia de mais 05 confirmados em Bonito (MS)
FOGO NO PANTANAL
Governo envia equipamentos de combate a incêndio e caminhões-pipa para Costa Rica e Corumbá
ELEIÇÕES 2020
Foi dada largada na corrida pela prefeitura de Bonito; 4 candidatos estão na disputa
FOGO NO PANTANAL
Governo reduz focos de incêndio no Pantanal de MS e controla fogo no Parque Estadual do Taquari
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Parceria entre Agehab, Agraer e Prefeitura garante título definitivo a 215 famílias em Bodoquena