Menu
quarta, 8 de dezembro de 2021
Busca
BONITO ÁGUAS GREEN WEEK

Casamento entre jovens ainda é tradição mantida por cigano

24 Mai 2011 - 11h06Por Agência Brasil

Muitas comunidades ciganas que vivem no país ainda cultivam tradições de séculos passados. Além do nomadismo de algumas famílias, é comum ver jovens entre 13 e 15 anos casando-se e formando família. Em muitos casos, a união é feita entre parentes.

De acordo com Elias da Costa, líder de um acampamento Calom no Distrito Federal, os ciganos se casam cedo para garantir a união da comunidade. A festa de casamento chega a durar três dias. “A gente se casa cedo porque é uma tradição de muito tempo. Para segurar a nossa adolescente, para que ela fique dentro da comunidade. Como cigano nunca estudou, nunca se formou, se casa cedo.”

Daqui a dois meses, o filho de Elias, de apenas 14 anos, vai se casar com uma adolescente de 13. O casamento foi combinado entre os pais dos noivos, pois, segundo a tradição, ciganos são proibidos de namorar. Entre os Calom, não há dote, mas uma ajuda conjunta da comunidade para que o casal comece a vida conjugal.

“O primeiro dinheiro do comércio, para ele começar [o negócio], sou eu que dou. Por exemplo, vou dar um carro para ele começar a vender as coisas. Mas ele tem dinheiro para comprar a mercadoria e começar a vender”, disse Elias.

No clã Rom, os casamentos também têm festas que duram três dias e custam até R$ 140 mil. A família da noiva costuma oferecer um dote ao noivo. “A cultura cigana é casamento, três dias de festa, 5 mil litros de chope, 20 carneiros no rolete, 16 porcos no rolete, festa grande mesmo”, disse o rom Maicon Martins.

O casamento entre pessoas do mesmo clã não é mais uma regra tão rígida para os ciganos, segundo Nicolas Ramanush, do clã Sinti.

Eles gostam de preservar sua identidade cultural. As mulheres Calom gostam de usar saias longas e acessórios, como pulseiras e brincos. A maquiagem é essencial. A influência brasileira, entretanto, já mudou alguns hábitos ciganos. Em uma comunidade de ciganos Calom em Planaltina, cidade do Distrito Federal, os homens não dispensam o cinto com fivela nem o chapéu de caubói. As canções ciganas cederam lugar à música sertaneja.

Já as mulheres Rom e Sinti mantêm a tradição de usar saias longas apenas em festas. “Nós usamos calça, fazemos o que queremos, somos donas do nosso nariz”, diz a cigana Rom Vanessa Martins.

As músicas, com influência europeia, são tocadas por grupos musicais formados por pessoas do próprio clã. As mulheres dançam para acompanhar o ritmo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - OBRAS NÃO PARAM
Obras realiza limpeza e roçada no Assentamento Guaicurus, VEJA FOTOS em Bonito
PLANTÃO POLICIAL CRIME EM MS
CRIME: Homem mata a mãe e esfaqueia o irmão em MS
Foto Capa: Saul Schramm AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Governo concede isenção de IPVA na primeira tributação para motos de até 150 cilindradas
AEROPORTO DE BONITO BONITO - INÉDITO
Lançamento do novo voo Congonhas-Bonito saiu em mais de 230 matérias na imprensa de todo o país
PLANTÃO BONITO - ROUBO DE FERRAMENTAS
Construtor tem prejuízo de R$ 10 mil em roubo de ferramentas e pede ajuda para encontrar em Bonito
FOTO: GUARDA MUNICIPAL BONITO - AÇÃO DA GUARDA MUNICIPAL
Guarda Municipal prende motociclista armado até os 'dentes' em Bonito (MS)
FOTO: azzolinadvogados PENSÃO ALIMENTÍCIA
Devendo R$ 65 mil de pensão em MS, homem é preso pela PF no Rio de Janeiro
Foto: Arquivo Prefeitura de Bonito TURISMO - A RETOMADA
Turismo do MS capacita agentes de viagens durante Road Show em São Paulo e Ribeirão Preto
BONITO - SERRA DA BODOQUENA
Jornalistas e influenciadores aproveitam voo direto para conhecer as belezas naturais de Bonito
Davi tentou proteger mãe antes de ser assassinado por Maurílio - Crédito: Reprodução/Facebook PONTA PORÃ DE LUTO
Cena chocante, choro de policial e áudio: morte de mãe e filho deixou Ponta Porã em luto