Menu
quarta, 28 de julho de 2021
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO JUNHO

Brasil testa novo implante para desobstruir artéria do coração

12 Abr 2011 - 15h22Por Folha.com

Daqui a duas semanas, terá início no Brasil e em mais 67 centros do mundo a maior pesquisa já feita sobre um novo dispositivo que desobstrui artérias do coração bloqueadas por gordura.

O modelo que será testado é feito de um material que é absorvido pelo corpo.

O implante, um stent, é uma espécie de mola colocada via cateter (sem cirurgia aberta) na artéria coronária, para abri-la e permitir o fluxo sanguíneo. A prótese é uma alternativa menos invasiva à ponte de safena.

Depois de seis meses, quando o dispositivo já cumpriu sua função, ele começa a ser absorvido pelo corpo, diferentemente dos similares metálicos, usados hoje.

Os stents de metal ficam no corpo depois de implantados, o que pode causar problemas em novas cirurgias cardíacas e prejudicar a contração e a dilatação dos vasos.

Eles também podem atrapalhar a visualização de artérias coronárias em exames de imagem e causar inflamações, como queloides.

Os dispositivos bioabsorvíveis, feitos de um tipo de polímero, já foram aprovados na Europa no começo deste ano, mas, segundo especialistas, ainda não começaram a ser usados na prática.

Cardiologistas brasileiros dizem que as pesquisas sobre o novo stent são pequenas e faltam dados sobre sua segurança e eficácia a longo prazo.

REVOLUÇÃO CARDÍACA

Agora, o novo estudo envolverá mil pacientes, sendo cerca de 50 brasileiros. Eles serão avaliados no Instituto Dante Pazzanese e no hospital Albert Einstein, em São Paulo, e no Instituto do Coração do Triângulo Mineiro, em Uberlândia (MG).

"Se a pesquisa comprovar que ele pode substituir os stents metálicos, teremos a nova revolução da cirurgia cardíaca", diz Alexandre Abizaid, chefe da seção de intervenções em coronárias do Instituto Dante Pazzanese.

Abizaid é também um dos diretores do encontro de inovações na cardiologia intervencionista que acontecerá em São Paulo nesta semana. Várias palestras terão o stent bioabsorvível como tema.

Segundo Expedito Ribeiro, supervisor do serviço de hemodinâmica do InCor, a tecnologia é promissora, mas ainda não há dados conclusivos. "Questões como os efeitos da absorção do material na artéria não foram esclarecidas", afirma.

Para Marco Antônio Perin, chefe da cardiologia intervencionista do hospital Albert Einstein, o stent bioabsorvível só tem vantagens.

Ele afirma, porém, que é necessário ver seus efeitos a longo prazo. "Precisamos analisar se não criará uma reação inflamatória maior nas artérias."

Abizaid acredita que o dispositivo começará a ser usado comercialmente no Brasil daqui a um ano e meio.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VACINAÇÃO COVID NO BRASIL
Adolescentes entre 12 e 17 anos serão incluídos na vacinação contra Covid, veja como será
TURISMO - AUXÍLIO
Auxílio de R$ 1.000 do Incentiva+MS Turismo, veja como fazer o cadastro e ficar ligado no prazo
PANTANAL - ENERGIA SOLAR ENERGIA SOLAR NO PANTANAL
Governador e ministro visitam projeto para levar energia solar a mais de 2 mil famílias no Pantanal
TURISMO - BONITO TURISMO EM MS
Fundtur apresenta calendário de eventos para promoção online e presencial do turismo de MS
Frio de gelar os ossos chega a MS e há possibilidade de geada no sul do estado (G1) FRIO CHEGA CHEGANDO
Frio intenso com geadas e temperatura de até -5° entre quarta e sexta em MS
BONITO - MS - NO GABINETE
Avaliação da gestão, o que pode melhorar e planos para o aniversário é discutido em Bonito (MS)
A RETOMADA
Volta às aulas e retomada econômica, secretários anunciam medidas e cor das bandeiras do Prosseguir
Secretário de estado de Saúde, Geraldo Resende. (Foto: Paulo Francis) - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS USO DE MÁSCARA
Uso de máscara deve continuar por um bom tempo, avisa secretário
TENTATIVA DE ASSASSINATO
Jovem é surpreendido a tiros em frente à porteira de propriedade rural em MS
Escola Estadual Luiz da Costa Falcão VOLTA ÀS AULAS EM MS
Aulas presenciais na Rede Estadual voltam na próxima semana com toda segurança necessária em MS