Menu
sbado, 27 de fevereiro de 2021
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO JANEIRO
QUEREM PRODUZIR

Índios de MS não podem ficar parados no tempo, diz presidente da Funai

7 Abr 2017 - 06h10Por Campo Grande News

O presidente da Funai (Fundação Nacional do Índio), Antônio Costa, disse em entrevista para a BBC de Londres, levada ao ar nesta quinta-feira, 06, que os povos indígenas devem se inserir no sistema produtivo brasileiro.

Há dois meses e meio no cargo, o dentista e pastor evangélico Antônio Costa é especialista em saúde indígena pela Universidade Federal de São Paulo, e fala do assunto com a experiência de quem trabalhou entre 2005 e 2009 na Missão Evangélica Caiuá, em Dourados, no Mato Grosso do Sul.

“Os índios que querem ser produtores para a subsistência, ótimo, mas não vejo como índios do Mato Grosso do Sul, nem do Mato Grosso, onde as terras são férteis, possam ficar parados no tempo, vendo ao seu redor a produção dos não índios crescendo, sem que eles tenham condições de produzir”, declarou o presidente da Funai.

Sobre a ideia de que os povos indígenas devem participar do sistema produtivo nacional, Antônio Costa disse que isso não significa inserir os indígenas no sistema capitalista.

“No sistema capitalista, não. Mas no sistema produtivo, na cadeia produtiva. Precisamos dar a eles condições de cultivo, através de patrulha mecanizada, sementes, adubos, ensinar como plantar e colher melhor. Eles devem participar dessa cadeia. Os não índios já têm essa prerrogativa, por que os índios não tem? O índio quer universidade, quer ser médico, engenheiro, dentista, enfermeiro, advogado, e temos de dar condições a eles de avançar nesse mercado”, afirmou.

Na entrevista, o presidente da Funai falou de diversos temas, e por diversas vezes a comunidade indígena sul-mato-grossense, a segunda maior do Brasil, esteve no foco da conversa.

O reporter da BBC perguntou: “O senhor citou os indígenas em Mato Grosso do Sul. Para muitas comunidades lá, a prioridade é a demarcação de terras. Como resolver esse impasse e concretizar todos esses planos sem que eles tenham terras?”

 
Antonio Costa em reunião com lideranças indígenas na sede da Funai, em Brasília (Foto: Funai/Divulgação)Antonio Costa em reunião com lideranças indígenas na sede da Funai, em Brasília (Foto: Funai/Divulgação)

Na resposta, o dirigente da Funai falou do problema, mas não sinalizou como os índios poderiam ser inseridos no processo produtivo se brigam por áreas de terras na Justiça

“O governo federal precisa pensar que existem demandas reprimidas de demarcações de terras em Estados importantes, principalmente na Bahia, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina. Elas só vão ser resolvidas quando se pensar dentro do Orçamento brasileiro num fundo especial que possa vir a pagar essas demarcações. Se você não demarca, cria-se um acúmulo de retomadas, que são ações indígenas na ocupação de fazendas em áreas reivindicadas, e a situação fica inviável”, declarou.

Segundo ele, hoje a Funai tem um passivo de mais de R$ 90 milhões de indenizações que precisam ser pagas a proprietários desalojados, mas elas não fazem parte do orçamento.

“Precisamos buscar um diálogo entre as três partes: indígenas, donos da terra e governo federal. Muitas terras em disputa ocupadas por não índios são provenientes da União e não têm nem documentos. Isso só será resolvido quando o governo se comprometer”, ressaltou.

A evangelização dos índios - A BBC questionou Antônio Costa sobre denúncias de indígenas de que algumas igrejas condenam práticas tradicionais dos índios, e que algumas delas tratam xamãs como se fossem adoradores do demônio.

“Essas incidências são insignificantes. Dou o exemplo da Missão Caiuá, que tem um hospital dentro da aldeia em Dourados, no Mato Grosso do Sul. Se tirar esse hospital de lá, como ficaria a assistência desses povos?”.

Diante da insistência do reporter de que o poder público deveria assumir esse papel, Antônio Costa disse que quando o Estado não assume, as parcerias têm de assumir.

“No Mato Grosso do Sul, 95% da população terena é evangélica. Temos pataxós evangélicos na Bahia, com igrejas e tudo. O país está crescendo, mudando. Geralmente a iniciativa de buscar as igrejas parte dos indígenas”, afirmou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - DESTAQUE NA VEJA
BONITO (MS) é destaque na Edição da VEJA como turismo seguro e adaptado em tempo de pandemia
AÇÕES DO GOVERNO DE MS
Com mutirão nos fins de semana, Agesul conclui também reparos feitos entre Guia Lopes e BONITO
BONITO - MS - PAGODE NA CONTA
TÁ NA CONTA: Servidores já podem sacar salários em Bonito (MS)
BONITO - MS - VACINAÇÃO CONTRA COVID
BONITO: Idosos a partir de 75 anos e profissionais saúde serão vacinados contra COVID neste sábado
BONITO - MS - PEDIDO EXECUTADO
População pediu e prefeitura atende, toldos são instados no ESF do Jardim Bom Viver em Bonito
VACINAS POR MUNICÍPIOS
Confira quantas doses de vacina contra a Covid cada município está recebendo neste 5º lote em MS
Fotos destaque: Divulgação UFMS REGIÃO DO PANTANAL
Parceria vai levar assistência, documentação e benefícios a 8 comunidade ribeirinhas região Pantanal
ROUBADA EM BONITO
Operação Big Fish recupera bi-trem avaliada em R$ 400 mil e retroescavadeira roubada em Bonito
PROCON NOS POSTOS
Procon cobra explicações pelo aumento repentino do etanol em MS
Belas cachoeiras estão entre os vários atrativos do Parque Nacional da Serra da Bodoquena (Foto: Divugação/ICMBio) TURISMO EM MS
Parque da Bodoquena entra na lista de concessões para o turismo