Menu
segunda, 18 de outubro de 2021
Busca
BONITO ÁGUAS GREEN WEEK
SERRA DA BODOQUENA

Cachoeira Boca da Onça 'seca' e especialistas investigam o motivo

5 Abr 2017 - 06h25Por Midiamax

A maior cachoeira de Mato Grosso do Sul, conhecida como Boca da Onça, está seca há 4 meses. Os registros da situação de um dos maiores pontos turísticos do Estado foram realizadas por proprietários e moradores da região. As primeiras fotos que mostravam o pico de 156 metros sem vazão de água foram tiradas em 20 de dezembro. Agora, quase 4 meses depois, a situação é a mesma.

“Mesmo as chuvas dos últimos meses não foram suficientes para restabelecer a vazão da água da cachoeira Boca da Onça (Bodoquena-MS-Brasil), a mais alta de MS e a oitava do Brasil? A preocupação continua! Afinal, o que acontece?”, comentou o professor universitário Edson Silva, ao postar as imagens no facebook.

Agora, a questão chegou ao Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), que irá enviar equipes ao local para investigar o motivo dos meses de seca. “A situação na cachoeira Boca da Onça,em Bodoquena ainda não era de conhecimento do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul). Agora, uma equipe do escritório regional do Instituto, em Bonito, será destacada para averiguar a denúncia e tomar as medidas necessárias”.

Estiagem e desmatamento

Pesquisador da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) Pantanal, Ivan Bergier explicou sobre uma pesquisa que pode estar relacionada com a questão. Ainda assim, ele afirma que as hipóteses devem ser confirmadas pelas equipes na região.

O local estudado pelo pesquisador é o entorno do rio Paraguai em Ladário. O que Ivan descobriu é a hipótese de que o desmatamento pode estar relacionado com a diminuição das chuvas.

“E por que isso? Provavelmente, a hipótese que eu levantei, que é a seguinte, quando você remove a cobertura vegetal do planalto, você remove o que a gente chama de esponja. Essa esponja faz o que? O que a gente chama de ciclo de água verde. Tem o ciclo da água verde e o ciclo da água azul. A água azul são os rios, a água verde é aquela água que penetra lentamente e abastece os aquíferos. E, ao mesmo tempo, essa água é evapotranspirada pela planta, que formam as nuvens, que faz chover de novo. Então, assim, que tem sofrido mais de seca no pantanal são as áreas menos influenciadas pelos rios e mais influenciadas pelas águas de chuva, dessa chuva de origem vegetal, de entorno”, relatou.

“Agora na Bodoquena, não sei te dizer o que está acontecendo. É menos água chegando no rio, isso com certeza. Agora, essa água em menos quantidade chegando no rio, se estiver seco, deve ser porque está chovendo menos, abaixo da média histórica”, complementou.

O abastecimento dos aquíferos têm uma relação de interdependência com o bioma do cerrado, presente em Mato Grosso do Sul. É o que mostrou uma reportagem da BBC Brasil. O arqueólogo e antropólogo baiano Altair Sales Barbosa, que há quase 50 anos estuda o papel do Cerrado na regulação de grandes rios da América do Sul.

"Se você arrancar uma dessas plantas, vai contar milhares ou até milhões de raízes, e quando cortar uma raiz e levá-la ao microscópio, verá inúmeras outras minirraízes que se entrelaçam com as de outras plantas, formando uma espécie de esponja."

Similar à pesquisa de Ivan, o que o arqueólogo explica, é o sistema vegetal retém água e alimenta as plantas na estação seca. Graças a ele, as árvores do Cerrado não perdem as folhas mesmo nem mesmo no auge da estiagem - diferentemente do que ocorre entre as espécies do Semiárido, por exemplo. Barbosa conta que, quando há excesso de água, as raízes agem como esponjas encharcadas, vertendo o líquido não absorvido para lençóis freáticos no fundo. Dos lençóis freáticos a água passa para os aquíferos.

Turismo sem água

Secretária municipal de turismo em Bodoquena, Vívian Barbosa da Cruz, explica que apesar da seca, o local continua atraindo os turistas. Ainda assim, as agências avisam os visitantes sobre a cachoeira.

“Na própria agência já é comunicado que tem pouca água”, conta. Vivian afirma que não é só a cachoeira que está sofrendo com a seca. “Não é só a cachoeira, diminuiu muito o volume de água dos rios, os rios estão baixos, devido à poucas chuvas nesse período. Esse ano choveu muito abaixo do esperado”, relatou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Pantanal na escuridão deixou equipe apreensiva - (Fotos: Reprodução, Instagram) FOI TENSO
VÍDEO: Elenco de Pantanal viveu momentos de terror durante tempestade de areia em MS
GUARDA MUNICIPAL DE BONITO NO GABINETE BONITO - MS - NO GABINETE
Trutis garante emenda de R$ 180 mil para compra de equipamentos para Guarda Municipal de Bonito
Elaine Paes, SAD OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Inscrições abertas para o Processo Seletivo da Agepan, veja como fazer
Vítima foi levada para a Unidade Básica de Saúde do município, onde foi constatada a morte (Foto: arquivo / Liga da Justiça) FATALIDADE
Jovem morre após receber descarga elétrica em área rural
A concessionária alega que reestabeleceu o serviço para 78% dos clientes de Mato Grosso do Sul - Crédito: Wesley Ortiz CAOS PÓS TEMPORAL
Ao menos 08 bairros permanecem sem energia em Campo Grande
TEMPO PREVISÃO DO TEMPO
Chuvas e ventos fortes com eventual queda de granizo são esperados nesta segunda e terça-feira
Foto: Divulgação do evento FESTIVAL UNIVERSITÁRIO DA CANÇÃO
Inscrições abertas para o Festival Universitário da Canção com prêmios de até R$ 8 mil
BONITO - MS BONITO - MS - TURISMO COM RESPONSABILIDADE
Turismo de Bonito tem o melhor setembro dos últimos 7 anos
Mais dois corpos foram achados logo nas primeiras horas de buscas neste sábado DURANTE TEMPORAL
Chalana vira com 21 pessoas durante vendaval, 06 corpos já foram encontrados no rio Paraguai
Assessoria de Comunicação UEMS EDUCAÇÃO DE QUALIDADE
UEMS investe mais de R$ 13 milhões em bolsas e auxílios para estudantes