Menu
segunda, 20 de setembro de 2021
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO JUNHO
TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO

Alunos de Dourados vão criar satélite para monitorar queimadas no Pantanal

Projeto está selecionado na 2ª etapa da 7ª Olimpíada Brasileira de Satélites MCTI (OBSAT)

29 Ago 2021 - 11h46Por SUBCOM

Estudantes da Rede Estadual de Ensino de Dourados vão criar e lançar ao espaço um satélite para monitorar as queimadas no Pantanal. O projeto  é  desenvolvido por alunos com altas habilidades de escolas públicas  e está selecionado na 2ª fase da 7ª Olimpíada Brasileira de Satélites MCTI (OBSAT).

O objetivo é contribuir com informações e imagens que possam ajudar no controle dos incêndios que estão devastando o Pantanal. Somente no ano passado as queimadas destruíram 26% do bioma, uma área maior que a Bélgica. Na maior tragédia de sua história, o Pantanal teve mais de 10 milhões de animais mortos.

Em Dourados, os estudantes idealizadores do projeto são do Centro Estadual de Atendimento Multidisciplinar para Altas Habilidades/Superdotação (CEAM/AHS). As aulas acontecem no Núcleo de Atendimento para Altas Habilidades localizado na Coordenadoria Regional de Educação. Os alunos são orientados no contraturno pelo professor Rodolfo Alves dos Santos.    

A equipe  denominada “CEAMSAT”  é composta pelos estudantes Hillary Avlis Chela, 3º Ano do Ensino Médio - Escola Estadual Presidente Vargas, Hannyel Avlis Chela, 9º ano do Ensino Fundamental - Escola Estadual Presidente Vargas,  Jamille da Silva Oliveira, 3º ano do Ensino Médio - Escola Estadual Presidente Vargas e Gabriel Fernandes Bueno, 1º ano do Ensino Médio - Escola Estadual Vicente Pallotti  do Munícipio de Fátima do Sul.

Integrante do grupo, Hannyel Avlis Chela, de 14 anos, se diz confiante com o projeto. “Quando o professor falou sobre a olimpíada, me interessei e me inscrevi, juntamente com os demais integrantes do grupo. Nós enviamos um projeto e fomos selecionados. Recebemos o kit do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e nesta segunda fase o desafio é programar e lançar o satélite. Tenho certeza de que o projeto será muito útil para levar conhecimento às futuras gerações”, destacou.

A gerente pedagógica do CEAM/AHS, Eliane Morais Fraulob, acredita que a participação dos alunos e a seleção deles para a segunda fase das olimpíadas são importantes acontecimentos de reconhecimento nacional. “Além disso, permite aprimorar seus conhecimentos técnicos, científicos, familiarizar-se com a metodologia científica, aproximar-se da cultura aeroespacial, bem como dar oportunidade de desenvolver, integrar, testar, lançar e analisar os dados obtidos”.

Hannyel Avlis Chela

O coordenador regional de educação estadual em Dourados, Nei Elias Coinete, ressaltou a missão social por trás do projeto.  “Trouxemos esse desafio para os alunos, para que não só na teoria eles aprendam e despertem o interesse por ciência e tecnologia, mas também possam se desafiar na prática, ao construir pequenos satélites capazes de executar missões reais e melhorar a realidade local, a partir das suas ideias, dos seus planejamentos e programações”.

Equipe Campo Grande

Além dos estudantes de Dourados, a Olimpíada Brasileira de Satélites também selecionou para a segunda etapa a equipe  “Stormtroopers”, de Campo Grande, do Centro Estadual de Atendimento Multidisciplinar para Altas Habilidades/Superdotação (CEAM/AHS).

O grupo é composto pelos alunos Jonas Rodas da Silva, 2º ano do Ensino Médio - E. E. Coração de Maria de Campo Grande - MS, Leonardo Paillo da Silva, 2º ano do Ensino Médio - Colégio Militar de Campo Grande e Luiz Satoshi Yunomae Oikawa, 2º ano do Ensino Médio - Colégio Militar de Campo Grande.

A equipe irá construir um satélite para observar o Cerrado. O objetivo é contribuir para o monitoramento dos danos e desequilíbrios ambientais no bioma importante para o Brasil e para o mundo.

Olimpíadas

A Olimpíada Brasileira de Satélites é uma competição científica de abrangência nacional, concebida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, e organizada pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) em conjunto com a Agência Espacial Brasileira (AEB/MCTI), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE/MCTI) e a Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), da Universidade de São Paulo (USP).

São iniciativas para promover a popularização e difusão da ciência e tecnologia junto aos estudantes brasileiros, além de despertar o interesse por carreiras na área de ciência e tecnologia de forma atrativa, e sempre que possível, prática. Vários estudos científicos já demonstraram que as atividades práticas promovem um aprendizado mais atrativo e eficaz.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FATALIDADE NO RIO MIRANDA
Adolescente morre afogado em rio durante passeio com a família em Jardim
VISITA EM BONITO
Durante visita, Ministro de Turismo é agraciado com o Prêmio Piraputanga em Bonito (MS)
BONITO - MS - REVITALIZAÇÕES
BONITO: Prefeito acompanha serviços de revitalização que serão entregues no aniversário, CONFIRA
Foto: Polícia Militar de Bonito AÇÃO CONJUNTA DAS POLÍCIAS
Ação conjunta das Polícias predem autores pelos crimes de cárcere privado e roubo na forma tentada
Comunicação Governo MS CULTURA
Festival Cultural do Chamamé de Mato Grosso do Sul integra Brasil, Paraguai, Argentina e Chile
BOLETIM COVID-19
VENCENDO A COVID: MS registrou 2 óbitos nas ultimas 24 horas, Confira o boletim
CHUVA DE GRANIZO E VENDAVAL
Chuva de granizo e forte vendaval deixa ruas cobertas de gelo e sem energia em cidade de MS
OPORTUNIDADE
Caixa abre concurso com salários de mais de R$ 3 mil; confira
Foto: Reprodução/Campo Grande News SE A MODA PEGA
Mulher grava vídeo após espancar companheiro e pergunta: 'A noitada foi boa?'
Foto: Edemir Rodrigues/Arquivo VACINAÇÃO COVID EM MS
MAIS VACINA CHEGANDO: MS recebe 85.240 doses de vacina contra a Covid