Menu
ASSOMASUL MAIO 2019
segunda, 27 de maio de 2019
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
POLÍTICA

Lama Asfáltica: 3ª Vara nega novo pedido para que ação vá para a Justiça Eleitoral

Defesa de Puccinelli foi quem tentou recurso desta vez

24 Abr 2019 - 13h00Por DA REDAÇÃO

A defesa do ex-governador André Puccinelli tentou alegar exceção de incompetência criminal contra a 3ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande para afastar da Justiça Federal a ação que denuncia suposto recebimento de propina do Grupo JBS apurados dentro da Operação Lama Asfáltica. A decisão foi publicada no Diário Oficial do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) desta quarta-feira (24).

O juiz afirma que pedidos semelhantes já foram negados e que Puccinelli sequer participou da corrida eleitoral em 2014 para alegar que as investigações devem ser conduzidas pela Justiça Eleitoral e não pela Justiça Federal. “Ainda que sugiram que eventuais propinas poderiam ser usadas para cobrir gastos eleitorais, é certo que não restou demonstrada, na investigação realizada, sua efetiva utilização para esse fim”.

Para justificar o deslocamento para a Justiça Eleitoral, a defesa argumentou também que constaria nos autos que Puccinelli pode supostamente ter recebido dinheiro não contabilizado durante a campanha em 2010, o que evidenciaria possível prática de crime eleitoral.

“Concessa maxima venia, não se concebe que a possibilidade de cometimento de um crime eleitoral seja colocada ao alvedrio daquele a quem interessa, inclusive sob a roupagem de um argumento de autoincriminação, se para fins de deslocamento de competência. Equivaleria a dizer que, quando quer fossem praticados delitos de corrupção, sempre se poderia defender a autoincriminação por delito eleitoral para, com base nisso, alterar supostamente competências firmadas”, despachou.

 Pedidos

Outros sete pedidos iguais foram protocolados e já negados. As defesas sustentam que decisão recente do STF (Supremo Tribunal Federal) declarou competência da Justiça Eleitoral sobre a Justiça Federal em caso de crimes conexos a ambas jurisdições, afirmando ser necessário analisar existência de crimes eleitorais supostamente envolvidos.

Trata- se do posicionamento do STF no Inquérito 4.691/DF, que trata da investigação de suposto esquema de pagamento de vantagem indevida pela JBS S/A ao ex-governador José Orcírio Miranda (Zeca do PT), encaminhado para processamento em uma das varas criminais da Justiça Estadual de Campo Grande/MS.

A 3ª Vara sustenta que as situações são diversas, “Não se descuida do fato de que a denúncia oferecida na ação penal em debate está em boa parte calcada nos relatos dos executivos colaboradores ligados à JBS e documentação por eles repassada; mas o ponto central é que já havia ocorrido coleta prévia e independente de substanciais elementos de prova indicativos do pagamento de propina pela JBS”, publicou, ao justificar que a Operação Lama Asfáltica, buscas e apreensões são anteriores à delação e que todos os elementos compõe a denúncia, e não somente a delação da JBS feita pelos irmãos Wesley e Joesley Batista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - FIB 2019
Festival de Inverno levará espetáculos para assentamentos e distritos de Bonito (MS)
BONITO - MS - NA CÂMARA
Vereador convida população bonitense para a primeira votação do projeto jovem aprendiz nesta segunda
BONITO - MS - VALORIZANDO A ZONA RURAL
Valorizando a zona rural, prefeitura conclui reforma de ponte na fazenda Furna Dourada em Bonito
Bonito
12 produtores vão arcar com reparação de áreas para resolver turbidez de rio de Jardim e Bonito (MS)
CRISE NO BRASIL
Governo de MS só tem garantia de pagar salário em dia até junho
OPORTUNIDADE NO MS
Em MS, Prefeitura abre inscrições para contratação de auxiliares de enfermagem
BONITO - MS - OBRAS
Obras constrói novas sarjetas para escoamento de água das chuvas em Bonito (MS)
CONTRA A LAVA JATO
De MS, Beto, Bia e Vander votaram para tirar Coaf de Sérgio Moro
BONITO - MS - MAIS UM EMPOSSADO
Prefeito dá posse a motorista aprovado no concurso público em Bonito (MS)
BONITO - MS - VETO REJEITADO
Prefeito de Bonito tem a primeira derrota no legislativo em Bonito (MS)