Menu
segunda, 16 de setembro de 2019
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO
EM ENTREVISTA NA TV MORENA

Denúncia da JBS é retaliação por cobrança de impostos, diz Reinaldo

Denúncia da JBS é retaliação por cobrança de impostos, diz Reinaldo

13 Set 2018 - 15h03Por DA REDAÇÃO / ASSESSORIA

Após operação da Polícia Federal, o governador Reinaldo Azambuja apresentou esclarecimentos sobre as denúncias feitas por delatores da holding J&F, que controla a JBS. Ele declarou que as denúncias de Joesley e Wesley Batista foram uma retaliação à nova política de cobrança de impostos em Mato Grosso do Sul. 

“É momento de restabelecer a verdade para a população de Mato Grosso do Sul. Esse grupo [JBS] roubou o Brasil. Desviaram recursos em muitos estados brasileiros. E fizeram uma delação. Essa delação, inclusive que foi homologada pelo Ministério Público Federal, foi questionada pelo próprio Ministério Público, pedindo a anulação. Esse pessoal [JBS] era mal acostumado aqui em Mato Grosso do Sul. Eles tinham benefícios fiscais e pagavam poucos tribunos aqui no Estado. E nós enquadramos ele como enquadramos todas as cadeias produtivas”, disse em entrevista à TV Morena, nesta quinta-feira (13).

Reinaldo afirmou que o grupo pagava poucos tributos e fez a delação após um embate com o Governo do Estado, que acabou com os privilégios da empresa. “Nós igualamos os benefícios fiscais do grupo JBS, da holding H&F, [com os de outros frigoríficos] e posso dizer, com muita tranquilidade: eles saíram de R$ 41 milhões/ano, que pagavam até 2014, e no último ano, em 2017, pagaram R$ 199 milhõe de tributos”, pontuou.

Segundo ele, a partir daí, a JBS deu início a uma campanha suja e mesquinha contra o Governo. “Nós tivemos ali momentos extremamente tensos: ameaçaram fechar plantas, fecharam em Coxim, fecharam em Iguatemi, colocaram funcionários ali na Assembleia Legislativa quando o Estado pressionou a mudança dos incentivos fiscais, e nós enquadramos eles para pagar mais impostos”.

Na quarta-feira (12), Reinaldo prestou depoimento na Polícia Federal. Ele respondeu a 34 perguntas. “Eu queria falar, nunca tinham me dado a oportunidade”, alegou. Além disso, ele criticou o fato de a operação policial acontecer a apenas 20 dias da eleição. “Poderiam ouvir todos antes. Inverteram a situação: primeiro prendem e depois investigam”.

Caravana da Saúde

Na entrevista à TV Morena, Reinaldo Azambuja também falou sobre a regionalização da saúde, que está em implantação, e sobre a Caravana da Saúde. “A Caravana é um programa para suprir uma necessidade. A Caravana é para tirar da fila pessoas que ficaram anos esperando. Quando comecei o governo tinha 72 mil pessoas para fazer uma cirurgia. Pergunta para quem foi na Caravana da Saúde se não está contente. Foram 66 mil pessoas que passaram por uma cirurgia. Gente que estava aguardando a 10, 15 anos. Desculpem-me os críticos da Caravana da Saúde, mas enquanto houver uma pessoa para fazer a cirurgia, eu vou continuar, se for eleito, com a Caravana da Saúde”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MIRANDA E BODOQUENA
Governo do Estado entrega kits esportivos para 6 escolas em Miranda e maquinários em Bodoquena
BONITO - MS - DOENÇA DO SÉCULO
ESF Central realiza palestra sobre prevenção ao suicídio em Bonito (MS)
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Azambuja diz que todas as escolas estaduais serão reformadas durante encontro com prefeitos
COMBATE AO INCÊNDIO NO MS
Corpo de Bombeiros reforça efetivo no combate às queimadas no Pantanal e Cerrado
BONITO - MS - PROTOCOLADO
Prefeito e Vereador pede vinda da Carreta da Justiça e realização de Casamento Coletivo em Bonito
Política
Ex-secretário de Bonito diz que não houve dano ao erário e acredita em arquivamento
LUTO NA POLÍTICA
Ex-candidata a prefeita de Campo Grande morre aos 54 anos vitima de câncer
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Em Três Lagoas, governo entrega novo acesso ao Parque Industrial com ciclovia
DENÚNCIA
Justiça ouvirá testemunha de superfaturamento contra ex-secretário de Bonito (MS)
BONITO - MS - CONGRATULAÇÕES
Vereadores entregam Moção de Parabenização a Igreja Adventista do Sétimo Dia em Bonito (MS)