Menu
ITALÍNEA DOURADOS
quarta, 19 de setembro de 2018
KAGIVA
Busca
EM ENTREVISTA NA TV MORENA

Denúncia da JBS é retaliação por cobrança de impostos, diz Reinaldo

Denúncia da JBS é retaliação por cobrança de impostos, diz Reinaldo

13 Set 2018 - 15h03Por DA REDAÇÃO / ASSESSORIA

Após operação da Polícia Federal, o governador Reinaldo Azambuja apresentou esclarecimentos sobre as denúncias feitas por delatores da holding J&F, que controla a JBS. Ele declarou que as denúncias de Joesley e Wesley Batista foram uma retaliação à nova política de cobrança de impostos em Mato Grosso do Sul. 

“É momento de restabelecer a verdade para a população de Mato Grosso do Sul. Esse grupo [JBS] roubou o Brasil. Desviaram recursos em muitos estados brasileiros. E fizeram uma delação. Essa delação, inclusive que foi homologada pelo Ministério Público Federal, foi questionada pelo próprio Ministério Público, pedindo a anulação. Esse pessoal [JBS] era mal acostumado aqui em Mato Grosso do Sul. Eles tinham benefícios fiscais e pagavam poucos tribunos aqui no Estado. E nós enquadramos ele como enquadramos todas as cadeias produtivas”, disse em entrevista à TV Morena, nesta quinta-feira (13).

Reinaldo afirmou que o grupo pagava poucos tributos e fez a delação após um embate com o Governo do Estado, que acabou com os privilégios da empresa. “Nós igualamos os benefícios fiscais do grupo JBS, da holding H&F, [com os de outros frigoríficos] e posso dizer, com muita tranquilidade: eles saíram de R$ 41 milhões/ano, que pagavam até 2014, e no último ano, em 2017, pagaram R$ 199 milhõe de tributos”, pontuou.

Segundo ele, a partir daí, a JBS deu início a uma campanha suja e mesquinha contra o Governo. “Nós tivemos ali momentos extremamente tensos: ameaçaram fechar plantas, fecharam em Coxim, fecharam em Iguatemi, colocaram funcionários ali na Assembleia Legislativa quando o Estado pressionou a mudança dos incentivos fiscais, e nós enquadramos eles para pagar mais impostos”.

Na quarta-feira (12), Reinaldo prestou depoimento na Polícia Federal. Ele respondeu a 34 perguntas. “Eu queria falar, nunca tinham me dado a oportunidade”, alegou. Além disso, ele criticou o fato de a operação policial acontecer a apenas 20 dias da eleição. “Poderiam ouvir todos antes. Inverteram a situação: primeiro prendem e depois investigam”.

Caravana da Saúde

Na entrevista à TV Morena, Reinaldo Azambuja também falou sobre a regionalização da saúde, que está em implantação, e sobre a Caravana da Saúde. “A Caravana é um programa para suprir uma necessidade. A Caravana é para tirar da fila pessoas que ficaram anos esperando. Quando comecei o governo tinha 72 mil pessoas para fazer uma cirurgia. Pergunta para quem foi na Caravana da Saúde se não está contente. Foram 66 mil pessoas que passaram por uma cirurgia. Gente que estava aguardando a 10, 15 anos. Desculpem-me os críticos da Caravana da Saúde, mas enquanto houver uma pessoa para fazer a cirurgia, eu vou continuar, se for eleito, com a Caravana da Saúde”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GOVERNO DO ESTADO DO MS
Governo de MS abrirá 10 concursos públicos para PM e Bombeiro
POLÍTICA
Com renúncias e mudanças, disputa eleitoral em MS envolve 509 candidatos
BONITO - MS - VISITA NO GABINETE
Prefeito recebe atletas que participaram dos JEMS e JOJUMS em Bonito (MS)
BONITO - MS - MODERNIDADE NO TRÂNSITO
Semáforos começam ser instalados em Bonito (MS)
PREFEITURA EM MS - OPORTUNIDADES
Prefeitura abre concurso público com mais de 300 vagas e salários de até R$ 6 mil em MS
ELEIÇÕES 2018
TRE-MS recebe 108 denúncias de infrações no período eleitoral
ELEIÇÕES 2018 - CANDIDATO AO GOVERNO DO MS
MPF manda Polícia Federal investigar Odilon de Oliveira, denunciado por crimes na 3ª Vara Federal
POLÍTICA
MPF reforça alerta sobre prisão por compra de voto e boca de urna
POLÍTICA
'Violência se combate com inteligência', diz Meirelles em visita a MS
POLÍTICA
Justiça Eleitoral tem até hoje para analisar registros dos candidatos