Menu
ITALÍNEA DOURADOS
tera, 16 de outubro de 2018
KAGIVA
Busca

Zona de Alta Vigilância deverá ter gado rastreado

29 Mar 2011 - 12h16Por Campo Grande.com

 

Uma semana depois de o Ministério da Agricultura e Pecuária publicar a portaria que reconhece como área livre de aftosa com vacinação a ZAV (Zona de Alta Vigilância) nas regiões de fronteira entre Mato Grosso do Sul e o Paraguai e a Bolívia, a Iagro (Agência de Defesa Sanitária Animal e Vetegal) publicou baixou hoje série de regras para controle do rebanho bovino na região.

Entre as medidas estabelecidas, está a obrigatoriedade de que o gado de todas as propriedades que se encontram na ZAV, cerca de 800 mil animais, seja rastreado. A identificação será por meio de brincos e bottons, instalados na orelha dos animais.

Conforme a portaria publicada pela Iagro, os objetos serão fornecidos pela agência, mas se houver falta deles, o pecuarista pode ser autorizado a comprar.

A medida estabelece ainda como será a vacinação contra a aftosa na região terá calendário específico e regras diferenciadas, com a possibilidade de vacinação oficial, bancada pela Iagro, vacinação acompanhada e vacinação fiscalizada, feita pelo produtor, mas assistida pela Iagro.

A região foi considerada área livre da doença no dia 4 de fevereiro pela OIE (Organização Mundial de Saúde Animal) e faltavam as deliberações nacionais para concretização da mudança.

De acordo com a instrução normativa do Ministério da Agricultura e Pecuária da semana passada, foram definidos 15 postos de fiscalização sanitária fixo em municípios da região da ZAV, que deverão monitorar o trânsito dos animais na região de fronteira.

A Iagro também estabeleceu regras para a entrada e saída de animais. Os bezerros, por exemplo, terão de ser identificados e receber vacina assim que entrarem na região.

Onde fica-A Zona de Alta Vigilância é uma área que compreende 15 quilômetros de largura ao longo de mil quilômetros de fronteira com Bolívia e Paraguai. São 13 municípios que compõem a ZAV: Antônio João, Aral Moreira, Bela Vista, Caracol, Coronel Sapucaia, Corumbá, Japorã, Ladário, Mundo Novo, Paranhos, Ponta Porã, Porto Murtinho e Sete Quedas. São pelo menos 800 mil cabeças de gado na região.

Com o reconhecimento da ZAV de Mato Grosso do Sul pela OIE como livre de febre aftosa, o Estado passou a ter um status único de classificação e a exportação de carne nas fazendas da região pode voltar ao normal. Em 2001, o Estado já havia alcançado o status de livre de febre aftosa com vacinação, porém com o surgimento de um novo foco da doença na região, em 2005, os organismos internacionais decidiram suspender esse reconhecimento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AINDA DESAPARECIDA
Servidora pública do TRE/MS continua desaparecida e familiares pedem ajuda
PESQUISA NO MS
Reinaldo abre 14% e chega com 57% dos votos válidos em nova pesquisa no MS
BRIGA INTERNA EM PLENA CAMPANHA
Conselho de Ética do PDT pede 'cabeça' de Odilon por apoio a Bolsonaro
BONITO - MS - OBRAS E MELHORIAS
BONITO: Agesul e prefeitura concluem revitalização de mais de 70 KM da estrada vicinal da La Lima
ELEIÇÕES PARA PRESIDENTE
Bolsonaro lidera em 4 regiões; Haddad está na frente no Nordeste, VEJA OS GRÁFICOS
LUTO NA TV
Aos 78 anos, morre o jornalista Gil Gomes
TRAGÉDIA
Menina de 2 anos é atropelada na garagem de casa quando mãe dava ré no carro, em Campo Grande
APOIO À REINADO AZAMBUJA
Deputado do MDB reúne prefeitos, vereadores e lideranças de MS em apoio à Reinaldo Azambuja
BONITO - MS
Conhecimento e muita diversão marcaram o 7° Acampamento do Instituto Mirim Ambiental de Bonito
DESAPARECEU
Servidora pública com depressão desaparece e preocupa família