Menu
ITALÍNEA DOURADOS
segunda, 15 de outubro de 2018
KAGIVA
Busca

USP testa técnica contra diabetes 1 sem uso de injeção de insulina

9 Set 2011 - 14h34

Pesquisadores da USP estão testando uma nova estratégia para livrar os portadores de diabetes tipo 1 das injeções diárias de insulina.

O objetivo da técnica é aumentar a segurança e a eficácia do transplante de ilhotas de Langerhans, conglomerado de células do pâncreas responsável pela produção de insulina.

O transplante, em si, não é novidade e data da década de 70. No Brasil, cinco pacientes já foram submetidos à técnica entre 2002 e 2006.

Mas a cirurgia ainda tem problemas sérios, como a exigência de que o paciente passe a tomar remédios imunossupressores para evitar a rejeição às células transplantadas. Essas drogas baixam as defesas do corpo. Outra dificuldade é manter as ilhotas produzindo insulina a longo prazo.

Estudos de um grupo canadense mostram que, depois de cinco anos, apenas 10% dos pacientes transplantados estavam livres das injeções do hormônio.

INOVAÇÃO

Para sanar esses problemas, pesquisadores do Nucel (Núcleo de Terapia Celular e Molecular), sob a coordenação da bióloga Mari Sogayar, professora titular do Departamento de Bioquímica do Instituto de Química da USP, criaram uma cápsula que envolve as ilhotas.

A cápsula é feita de um material, patenteado como BioProtect, feito de alginato, extraído de algas marrons. A estrutura tem ainda substâncias que melhoram a função e a longevidade das ilhotas.

Segundo o médico Thiago Rennó dos Mares Guia, coordenador do grupo de microencapsulamento do Nucel, a composição da cápsula permite a entrada de oxigênio nas células e a saída de insulina. Ao mesmo tempo, a barreira impede que células do sistema imunológico destruam as ilhotas.

O material que envolve as células foi desenvolvido em parceria do Nucel com a CellProtect Biotechnology, empresa criada em incubadora da USP para criar substâncias usadas em terapia celular.

A cápsula já foi testada em camundongos diabéticos, com sucesso o material provou sua capacidade de diminuir a rejeição ao transplante de ilhotas, que produziram insulina por mais tempo.

O próximo passo, segundo Sogayar, é testar em animais maiores e em seres humanos. Mares Guia acredita que, se tudo correr bem, esses testes podem começar dentro de um ou dois anos.

O que está mais perto de acontecer é a retomada dos transplantes de ilhotas, ainda sem as cápsulas, no Hospital das Clínicas da USP.

"De 2007 para cá ficamos sem recursos. Já temos a aprovação do Hospital das Clínicas. Faltam mais dinheiro e o recrutamento de pacientes", diz Sogayar.

Para serem submetidos à técnica experimental, os pacientes devem ter grandes variações de glicemia e episódios frequentes de hipoglicemia sem o aparecimento de sintomas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÃO DA PMA
PMA apreende rede e anzóis de galho nos rios Miranda e da Prata
RIO MIRANDA EM BONITO - MS
Em BONITO, Rio Miranda atinge nível de emergência e Imasul emite alerta a ribeirinhos
PRIMEIRO PESQUISA DO 2º TURNO
Pesquisa do 2º turno para governador do MS indica Reinaldo com 54%, veja números
BONITO - MS - E MAIS 56 CIDADES
BONITO e mais 56 cidades do MS em sinal de alerta para mais tempestades
EM CIDADE DO MS
Rapaz morre afogado enquanto nadava em lago de represa em cidade do MS
ELEIÇÕES 2018 - AÇÃO NA FRONTEIRA
Bolsonaro planeja implantar trabalho do DOF nas demais fronteiras do Brasil
BRASILEIRA EXECUTADA
Brasileira dona de escritório contábil é executada com 9 tiros de pistola na fronteira com MS
A FAZENDA 10 - ELIMINAÇÃO
Ana Paula Renault é eliminada de A Fazenda 10, VEJA COMO FOI
ROTA 262 - CORUMBÁ - MS
Rumo a Corumbá: 262 é rota da chipa, jacaré pego à unha e a doce prosa
BALANÇO DOS ACIDENTES
Dez crianças morreram e 37 ficaram inválidas após acidentes em MS neste ano