Menu
ITALÍNEA DOURADOS
sexta, 17 de agosto de 2018
KAGIVA
Busca

Um terço dos deputados estaduais deve disputar prefeituras em MS

16 Mai 2011 - 10h37Por Midiamax

Ao menos oito dos 24 deputados estaduais já declararam que devem disputar as eleições municipais no ano que vem como candidatos a prefeitos.

Os parlamentares que já discursam como candidatos são o petista Paulo Duarte, tido como certo na disputa pela prefeitura de Corumbá; o tucano Onevan de Mattos, que pretende concorrer à prefeitura de Naviraí, e o deputado Diogo Tita (PPS) que disse entrar no embate pela prefeitura de Paranaíba.

Além desses parlamentares, há outros que não fugiriam da raia caso fossem convocados aos confrontos eleitorais. É o caso do petista Pedro Kemp e do tucano Rinaldo Modesto, que disseram estar prontos para a disputa.

A deputada Dione Hashioka, do PSDB, encararia a disputa para a prefeitura de Nova Andradina.

Mesmo dizendo que não quer disputar a prefeitura de Aquidauana, o deputado Felipe Orro (PDT) poderá tentar o cargo caso seu grupo político não consiga um nome com musculatura política para o embate.

O deputado Alcides Bernal (PP) já alardeou que quer entrar na disputa pela prefeitura de Campo Grande, no entanto, a falta de organização na sigla seria um obstáculo para concretizar o sonho de ser prefeito da capital morena.

Ele explica que, caso a legenda não dê estrutura para a candidatura, ele cogita a possibilidade de se filiar em outra sigla para disputar.

O deputado Marquinhos Trad (PMDB) que estaria na liderança em pesquisas internas do PMDB como candidato para assumir o lugar do irmão, Nelson Trad Filho (PMDB), na prefeitura de Campo Grande, tem um problema jurídico.

Para que Marquinhos possa se candidatar, o atual prefeito teria que se afastar da prefeitura seis meses antes do embate. No entanto, há controvérsias dessa decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Caso Nelsinho renuncie em nome da candidatura do irmão, teoricamente, Marquinhos, na prefeitura da capital, serviria como suporte para a pretensão de Nelsinho para ser governador em 2014.

Outro que vive uma situação parecida com a de Marquinhos é o deputado Eduardo Rocha (PMDB). Ele já declarou que quer disputar a prefeitura de Três Lagoas, mas não pode em razão da mulher, Simone Tebet (PMDB), que foi prefeita por dois mandatos no município.

Caso esses parlamentares troquem a Assembleia Legislativa de Mato Grosso pelas respectivas prefeituras das bases eleitorais, eles, teoricamente, perderiam o salário de R$ 12,4 mil de salário mais R$ 25 mil que seria verba de gabinete, segundo alguns deputados consultados pela reportagem, pelo salário de R$ 15,582 mil. Esse valor é do salário do prefeito de Campo Grande.

De acordo com a Constituição, os deputados estaduais podem receber até 75% do salário dos deputados federais. Lembrando que o salário dos prefeitos é fixada pela Câmara dos Vereadores.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Parecer do TRE-MS dá aval para cassar vereadora Cida Amaral
MEIO AMBIENTE
Em fase final, projeto visa recuperar o Taquari com manejo correto do solo
BONITO - MS - AÇÕES NO ÁGUAS DO MIRANDA
BONITO (MS): Obras realiza serviços de revitalização no distrito Águas do Miranda
BONITO - MS
Almoço beneficente em prol do Instituto Visão de Vida acontecerá neste sábado em Bonito
CASO MAYARA
Acusado de matar a musicista Mayara Amaral diz que estava 'possuído'
ACIDENTE
Mulher é arremessada e morre em capotamento de veículo na BR-359
CIDADES
Mutirão vai analisar 11 mil processos de presos condenados em MS
DEFESA SANITÁRIA
Campanha de vacinação da febre aftosa atinge 99% de cobertura em MS
SAÚDE
Pesquisa indica que 16 milhões de brasileiros vivem sem nenhum dente
SAÚDE
Dia D de vacinação contra pólio e sarampo será neste sábado