Menu
KAGIVA
quinta, 21 de junho de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Trabalho estressante é pior que desemprego, afirma pesquisa

16 Mai 2011 - 17h42Por Estadão.com

Emprego estressante, que paga mal e sem perspectivas de crescimento pode acarretar mais problemas de saúde mental do que o desemprego.

O dado é de estudo da Australian National University, elaborado com 7.000 australianos durante sete anos, concluído em março.

Em uma escala que mede a qualidade de vida baseada nos níveis de depressão e ansiedade, desempregados tiveram pontuação média de 68,5. Os que conseguiam bom trabalho tinham aumento de 3,3 pontos. Os que obtinham emprego ruim viam a pontuação cair para 62,9.

"Faz todo sentido, porque, cada vez mais, os trabalhadores têm tido doenças como síndrome do esgotamento profissional", considera Alexandrina Meleiro, médica do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.

O ex-bancário William Sérgio, 44, entrou em depressão após 20 anos de trabalho em oito instituições diferentes. "Não tinha motivação, briguei com a família e me divorciei, de tão estressado", diz. Hoje, Sérgio dá aulas de marcenaria em ONGs.

Atílio Bombana, do departamento de psiquiatria da Unifesp (Universidade de São Paulo), salienta, entretanto, que, se o desemprego durar muito tempo, os danos à saúde mental poderão ser piores do que estar em um emprego considerado não satisfatório.

O diretor da Anamt (Associação Nacional de Medicina do Trabalho) Duílio Camargo complementa que estar desempregado na Austrália é diferente de no Brasil. "Aqui ainda há muito medo do desemprego. Ficar sem ocupação afeta emocionalmente."

Na avaliação de Fernando Coelho, gerente de saúde do Sesi (Serviço Social da Indústria) "é melhor procurar ajuda na empresa do que pedir demissão e ficar mais doente por estar desempregado".

"Mas é preciso ter atividades lúdicas, que ajudem a aguentar as pressões do trabalho", afirma Bombana.

SINTOMAS de TRANSTORNOS MENTAIS

  • Cansaço
  • Fraqueza
  • Falha de memória
  • Intolerância a ruídos
  • Taquicardia
  • Irritabilidade
  • Desmotivação
  • Faltas constantes no trabalho
  • Dificuldade em tomar decisões
  • Abuso de álcool e drogas
  • Sensação de morte iminente
  • Dificuldade para dormir

O QUE FAZER AO NOTAR ALTERAÇÕES?

  • Procurar a equipe de recursos humanos -- as empresas devem manter PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) para prestar atendimento
  • Não se isolar
  • Fazer exercícios físicos
  • Procurar atividades lúdicas e prazerosas
  • Dar mais atenção à família e aos amigos
  • Comer verduras e legumes

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADES
Senai oferece 1,5 mil vagas em 15 cursos técnicos
CIDADES
IFMS divulga aprovados na graduação e chama para matrícula a partir de sexta
ESPORTES
Atleta de MS avança para fase principal de etapa do Mundial na República Tcheca
COPA 2018
Neymar volta a treinar, e Tite deve repetir equipe titular contra a Costa Rica
EM FAZENDA
Homem é atacado por touro no Pantanal e é resgatado por helicóptero
SANEAMENTO
Terceirização da Sanesul pode sair ainda nesse ano, diz Azambuja
REPERCUSSÃO
Assédio a mulher na Rússia envergonhou Brasil, diz ministro do Esporte
ECONOMIA
Venda direta de etanol pode reduzir preço para o consumidor nos postos
BONITO - MS - OBRAS
Prefeitura de Bonito vai reformar ponte sobre o Córrego Roncador
CRIME ORGANIZDO
Armamento encomendado pelo PCC da Bahia é apreendido em MS