Menu
ITALÍNEA DOURADOS
quinta, 16 de agosto de 2018
KAGIVA
Busca

TJ paga auxilio-moradia a 11 magistrados e descumpre regra sobre comissionados

28 Jun 2011 - 16h30Por Campo Grande News

A Justiça de Mato Grosso do Sul está descumprindo regras do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) sobre pessoal, conforme relatório da vistoria feita no Estado pela Corregedoria do Órgão no ano passado.

O Tribunal continua pagando auxilio-moradia a 11 desembargadores, mesmo eles tendo residência fixa em Campo Grande, tem funcionários comissionados além do permitido em relação ao quadro de servidores efetivos, e mantém servidores trabalhando como seguranças dos magistrados, o que também é vetado.

Os problemas constam do relatório aprovado pelo CNJ na semana passada, que determina ao Tribunal estadual que passe a cumprir as determinações.

Sobre o auxilio-moradia, o Conselho determinou que o presidente do TJ esclareça “os critérios e fundamentos legais adotados para conceder o auxílio moradia aos Desembargadores e Juízes. O prazo para isso é de 5 dias.

Conforme o texto, na “situações em que não restar clara a condição temporária e indenizatória do benefício, deverá ser providenciada, de imediato, a exclusão do auxílio moradia da folha de pagamento dos respectivos beneficiários”.

O CNJ sugere, ainda, a alteração do art. 254 da Lei nº 1.511, de 5 de julho de 1994 - Código de Organização e Divisão Judiciária do Mato Grosso do Sul, no sentido de harmonizá-lo ao texto da Lei Organica da Magistratura.

Em relação aos cargos comissionados, o relatório aponta que dos 379 cargos em comissão existentes, 242, ou 63,9%, estão sendo ocupados por quem não possui qualquer vínculo com o Poder Judiciário ou com a administração pública. Isso contraria, a um só tempo, uma resolução do Conselho e uma lei estadual, que estabelecem limite de 50% para os comissionados fora do quadro. A lei teve mudança, dando mais prazo para o TJ se adaptar à exigência.

O CNJ pede que seja encaminhadar à Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça demonstrativo atualizado da situação dos cargos em comissão, discriminando o total geral de cargos, o total de servidores sem vínculo e de servidores efetivos ocupantes dos cargos.

O documento aponta ainda a existência de nove cargos de agente de segurança, no gabinete dos desembargadores, em desacordo com a Constituição. Esses cargos, conforme a determinação devem ser extintos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
TSE registra mais de 23 mil candidatos às eleições de outubro
BONITO - MS - ATENÇÃO MÃES
Dia 'D' contra poliomielite e sarampo será neste sábado em Bonito (MS)
MEIO AMBIENTE - JARDIM E BONITO
A condenação do rio da Prata, essencial para a biodiversidade em Jardim e Bonito (MS)
LOTERIA
Sul-mato-grossense ganha R$ 1 milhão na loteria da Caixa
STOCK CAR 2018
Bons retrospecto em MS anima pilotos da Cavaleiro Sports
CASO DE POLÍCIA
Boliviana denuncia estupro de criança de 8 anos em fazenda no Pantanal
CIDADES
Na contramão do nacional, MS registra queda na mortalidade materna
POLÍTICA
Para eleitores, 2º turno a presidente será entre Bolsonaro e Alckmin
POLÍTICA
Aprovado projeto que proíbe pedófilos de concorrer em concurso estaduais
SAÚDE
CFM lança código de ética para estudantes de medicina