Menu
ITALÍNEA DOURADOS
segunda, 10 de dezembro de 2018
KAGIVA
Busca

Técnica de esterco com fungos combate parasitas em animais

30 Mai 2011 - 15h43

O cocô de bois, cabras e outros ruminantes pode ser benéfico para o ambiente e evitar a proliferação de vermes e doenças. Para isso, as fezes precisam ser "turbinadas" com fungos específicos.

A técnica, criada e e patenteada por pesquisadores da UFV (Universidade Federal de Viçosa), aproveita-se do antagonismo natural que alguns fungos têm com os vermes como forma de combater os parasitas.

Assim, diminui-se a quantidade de remédios (vermífugos) necessários no rebanho.

Além da economia financeira para os produtores com a redução do uso dos medicamentos, também há vantagens para a saúde de quem consome carne, leite e derivados desses animais.

"O vermífugo pode estar presente nesses subprodutos, como carne e leite e, muitas vezes, não há testes suficientes para controlar o nível dessa substância", diz Jackson Victor de Araújo, professor que comanda o trabalho.

"Em excesso, o consumo dessas substâncias pode ser prejudicial às pessoas", completa o especialista.

ARMA NATURAL

Embora letais para os ovos e larvas dos vermes, esses fungos são inofensivos aos animais e às plantas, assim como aos seres humanos que vierem a consumir a carne e o leite desses rebanhos.

Eles já existem na natureza, mas têm sua concentração potencializada para deliberadamente combater os parasitas dos bois de maneira significativa e duradoura.

De acordo com os pesquisadores, a melhor forma de fazê-lo é simplesmente adicionando um pó concentrado à alimentação dos bichos. Misturados à ração ou ao sal vegetal que os animais consomem, os fungos passam pelo aparelho digestivo do animal sem causar grandes efeitos prejudiciais.

Eles só começam a agir quando saem do animal, misturados às larvas e ovos dos parasitas nas fezes. Além de atuarem contra os vermes diretamente no cocô, esses fungos conseguem se espalhar pelo entorno, ampliando seu poder exterminador de parasitas.

Segundo Araújo, os fungos agem "limpando" o ambiente, enquanto o remédio atua diretamente no verme que já está no animal.

"Uma coisa complementa a outra, mas é claro que com o ambiente com menos ovos e larvas, haverá menos contaminação", explicou.

Segundo ele, os vermífugos não serão completamente eliminados, mas sua necessidade cairá significativamente no futuro. "O objetivo é combinar os dois."

A técnica já está em estado avançado de testes e aguarda registro mo Ministério da Agricultura. Segundo Araújo, o produto deve entrar no mercado até o fim do ano.

O professor diz que, considerando o baixo custo de produção, o preço final para o produtor não deve ser alto.

"O preço quem vai dar é a indústria, mas eu acredito que sairá muito em conta", afirmou ele.

HUMANOS

Em testes de laboratório, os fungos também conseguiram matar os vermes humanos. Segundo o professor, porém, é cedo falar em uma terapia voltada para pessoas.

"São muitas questões éticas, além das implicações técnicas", disse.

Ainda assim, afirmou, esse uso não estaria completamente descartado.

"Poderia ser útil, por exemplo, em comunidades isoladas com grande necessidade de controlar esses parasitas."

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADES NO MS
UFMS abre 74 vagas para professores substitutos com salário de até R$ 6 mil em 7 cidades do MS
VÍDEO - UFC - MARRETA
Assista ao nocaute de Thiago Marreta sobre Manuwa no UFC
DOURADOS - ASSALTO À IDOSA
Idosa é espancada, esfaqueada e vai parar na UTI após assalto em Dourados
AÇÕES DA G.M DE BONITO
Guarda Municipal de Bonito prende condutor embriagado em flagrante
AÇÕES DA GUARDA MUNICIPAL DE BONITO
Menores são presos por estarem destruindo o patrimônio público em Bonito
CONCURSOS
EDITAL da Polícia Militar abre 120 vagas com salário de R$ 5.769,42
TECNOLOGIA - ANDROIDS
Estes 22 apps detonam a bateria de milhões de Androids; veja a lista
BONITO - MS - NO JAPÃO - MMA
Bonitenses Sidy Rocha e a Edna Trakinas lutam neste domingo em Tokyo no Japão
BONITO - MS - AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Governador entrega na terça-feira mais de R$ 36 milhões em obras em Bonito (MS)
DOR E TRISTEZA
Gabrielly começou a ser agredida por colegas após presentear professora, diz família