Menu
KAGIVA
sexta, 19 de outubro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

STF decide que aprovados em concursos públicos têm direito á nomeação

11 Ago 2011 - 10h43Por Jornal do Brasil

O Supremo Tribunal decidiu nesta quarta-feira, por unanimidade, que a União, estados e municípios têm a obrigação de nomear candidatos aprovados dentro do número de vagas oferecidas em editais de concursos públicos, a não ser em face da ocorrência de situações “imprevisíveis”, expressamente justificadas. Assim, modificou a jurisprudência até então dominante no sentido da não existência de “direito líquido e certo” — mas simples expectativa de direito — à nomeação dos que forem efetivamente aprovados em concursos públicos.

A decisão foi tomada na rejeição de recurso extraordinário do governo de Mato Grosso do Sul que, diante de um caso concreto, sustentava a violação de dispositivo do artigo 37 da Constituição, segundo o qual “durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação, aquele aprovado em concurso público de provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos concursados para assumir cargo ou emprego, na carreira”. Para o governo daquele estado, tal norma não confere direito líquido e certo à nomeação dos aprovados, mas tem o objetivo de preservar a autonomia da administração pública, concedendo-lhe “margem de discricionariedade para aferir a real necessidade de nomeação dos candidatos aprovados no concurso”.

Ministros do Supremo foram unânimes e criticaram o abuso de poder da administração públicaO voto condutor foi do ministro-relator, Gilmar Mendes, logo apoiado por Marco Aurélio, Luiz Fux, Cármen Lúcia e os demais ministros presentes. Ayres Britto acabou aderindo ao voto do relator, embora preferisse falar não em “direito líquido e certo”, mas em “expectativa de direito qualificado”. O presidente Cezar Peluso também fez alguns reparos quanto à expressão “direito líquido e certo”, mas admitiu que mesmo o “direito subjetivo” de um candidato aprovado é suficiente para impedir que seja preterido pela administração pública sem que esta justifique, expressamente, o seu ato.

Os ministros criticaram, duramente, o abuso do poder discricionário da administração pública, sobretudo nos casos em que anula concurso já realizado -ou deixa escoar o prazo de sua validade — para, logo em seguida, abrir novo certame.

O recurso extraordinário em questão tinha repercussão geral reconhecida e, assim, a decisão do STF terá de ser aplicada pelas instâncias inferiores, em casos idênticos.

A repercussão geral fora reconhecida em maio de 2009, quando o então relator do recurso, o falecido ministro Menezes Direito, considerou que se tratava de matéria constitucional a extrapolar o interesse subjetivo das partes, na medida em que se discutia a “limitação do poder discricionário da administração pública em favor do direito de nomeação dos candidatos aprovados em concursos públicos que estejam classificados até o limite de vagas anunciadas no edital que regulamenta o certame”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

IBOPE NO MS - PESQUISA
IBOPE em Mato Grosso do Sul, votos válidos: Azambuja, 53%; Odilon, 47%
BONITO - MS - AÇÕES MEIO AMBIENTE
SEMA distribui frutas produzidas no Viveiro de Mudas Nativas de Bonito (MS)
BONITO - MS - REFORMA
Prefeitura reforma instalações do Programa Bolsa Família que atende 650 beneficiários em Bonito (MS)
ELEIÇÕES 2018 - FÁBRICA DE FAKE NEWS
Polícia e Justiça 'explodem' fábrica de fake news de coordenador de Odilon
TRAGÉDIA NAS ESTRADAS DO MS
Empresário e filho de 1 ano que morreram em acidente, retornavam de Bonito (MS)
BONITO - MS - ESPORTE -
Bonito (MS) recebe estadual de beach tennis neste fim de semana
TIRO ACIDENTAL
Pai foge após matar filho de 10 anos com tiro acidental no ouvido em cidade do MS
BONITO - JARDIM - BODOQUENA E BELA VISTA
BONITO e mais 3 cidades recebem auxilio da Agesul na recuperação de estradas devido as chuvas
PESQUISA NO MS
Em nova pesquisa, Reinaldo tem 54.21% e Juiz Odilon 45.79%, VEJA NÚMEROS
DATAFOLHA - PRESIDENTE
Datafolha para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 59%; Haddad, 41%