Menu
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
quinta, 21 de fevereiro de 2019
mutantes
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

Setor público economizou R$ 4,56 bilhões em agosto para pagar juros da dívida

30 Set 2011 - 11h47Por Agência Brasil

O superávit primário (economia para o pagamento de juros da dívida pública) do setor público consolidado – governo federal, estados, municípios e empresas estatais – chegou a R$ 4,561 bilhões em agosto, informou hoje (30) o Banco Central (BC). No mesmo mês de 2010, esse resultado ficou em R$ 5,193 bilhões.

Mas a economia não foi suficiente para cobrir os gastos com juros, que chegaram a R$ 21,663 bilhões, ante R$ 15,893 bilhões registrados em igual período do ano passado. Com isso, o déficit nominal, que são receitas menos despesas, incluídos os gastos com juros, ficou em R$ 17,101 bilhões, contra R$ 10,699 bilhões de agosto de 2010.

Em agosto, o Governo Central (Banco Central, Tesouro Nacional e Previdência) registrou superávit primário de R$ 2,031 bilhões, enquanto os governos estaduais contribuíram com R$ 2,697 bilhões. No mês passado, os governos municipais não contribuíram com o esforço fiscal. As empresas estatais, excluídos os grupos Petrobras e Eletrobras, registraram superávit primário de R$ 166 milhões.

Nos oito meses do ano, o superávit primário do setor público consolidado chegou a R$ 96,540 bilhões, contra R$ 48,781 bilhões de janeiro a agosto de 2010. O governo elevou em R$ 10 bilhões a meta de superávit primário do setor público, para R$ 127,9 bilhões, este ano. O esforço adicional deverá ser feito pelo Governo Central, que, nos oito meses do ano, registrou superávit primário de R$ 68,338 bilhões.

Os governos estaduais tiveram superávit primário de R$ 24,408 bilhões e os municipais contribuíram com R$ 2,049 bilhões. As empresas estatais registraram R$ 1,744 bilhão.

De janeiro a agosto, os gastos com juros chegaram a R$ 160,207 bilhões, ante R$ 125,045 bilhões de igual período do ano passado. De acordo com o relatório do BC, o aumento dos juros este ano em relação a 2010 foi influenciado, “principalmente, pelo patamar mais elevado da taxa Selic acumulada no ano e pela maior variação do IPCA [Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo], indicadores que incidem sobre parcela significativa dos títulos federais”.

No acumulado do ano, o déficit nominal ficou em R$ 63,667 bilhões, ante R$ 76,263 bilhões.

Em 12 meses encerrados em agosto, o superávit primário chegou a R$ 149,455 bilhões, o que corresponde a 3,78% de tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB). Os gastos com juros chegaram a R$ 230,531 bilhões ou 5,83% do PIB. Nesse mesmo período, o déficit nominal ficou em R$ 81,076 bilhões, que correspondem a 2,05% do PIB.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

GESTÃO PÚBLICA
Reinaldo Azambuja fala sobre desafios da nova gestão em entrevista à GloboNews
BONITO - MS - CONGRESSOS DE NETWORKING
Bonito (MS) receberá pelo menos 10 mil visitantes na baixa temporada em busca de networking em 2019
AGORA DEU MEDO
PMA captura cascavel de 1,3 metros em residência na Capital
GERAL
Em MS, 38 radares voltam a operar na BR-163 a partir da próxima semana
TEMPO E TEMPERATURA
Alerta: 24 cidades de MS estão com aviso de tempestade de perigo potencial
BONITO - MS - POLÍCIA
Vítima de 'estupro virtual' volta para casa e retoma rotina na escola em Bonito (MS)
GERAL
Sistema do Detran-MS continua fora do ar nesta quarta-feira
GERAL
Gabaritos do Enade 2018 já estão disponíveis no site do Inep
COTA ZERO
Deputados pedem que caça do jacaré seja liberada
POLÍCIA
Homem é preso, suspeito de exploração sexual de criança