Menu
ITALÍNEA DOURADOS
quarta, 18 de julho de 2018
KAGIVA
Busca

Servidores se mobilizam contra indicação política no Incra de MS

16 Mar 2011 - 14h37Por MS Notícias

Os servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) estão se mobilizando contra a indicação política para o cargo de superintendente da instituição no Estado. Para eles, a atual situação da superintendência regional do Mato Grosso do Sul, com intervenções da Justiça Federal, provocadas pelo Ministério Público Federal, em decorrência da operação Tellus, é reflexo direto da atuação dos administradores indicados por políticos, que tocaram a reforma agrária no Estado conforme conveniências políticas partidárias.

Os servidores querem que a escolha do próximo superintendente se dê conforme a Portaria Incra/P/n.º 99/2000 que estabelece critérios básicos, entre os quais, que o cargo seja ocupado preferencialmente por servidor da casa, com ilibada reputação e comprovada experiência técnica e administrativa, mínima de dois anos, em atividades compatíveis com a natureza do cargo, além disso, que tenha trânsito e credibilidade entre o público afim, como movimentos sociais, assentados e acampados.

Além de implantar projetos de assentamento, o Incra é responsável por outras atividades importantes, como o levantamento da malha fundiária do Estado e aplicação de créditos, envolvendo um orçamento anual de mais de R$ 100 milhões.

Segundo Vera Pena, presidente da Associação dos Servidores do Incra (Assincra-MS), o quadro de funcionários do Incra está muito aquém da necessidade para o atendimento da demanda. Dos 212 servidores no Estado, 28 estão afastados por licença remunerada (doutorado, cedidos a outros órgãos e afastados por decisão judicial). São 178 assentamentos existentes no Estado, que abrigam quase 30 mil famílias.

“O Incra precisa realizar concurso urgente para suprir as vagas existentes e que vão surgir com a previsão de aposentadoria de mais 40% da força de trabalho ora em exercício”, disse Vera.

“Em todo o Brasil existem 30 superintendências e o sentimento dos trabalhadores da casa é o mesmo. Basta de ingerência política. Queremos uma reforma agrária eficiente, onde as famílias possam morar e produzir com conforto e segurança. Isso só será possível com uma administração técnica”, concluiu a presidente da Assincra.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
TSE vai fiscalizar uso de dinheiro vivo nas eleições
SAÚDE
Pacientes do SUS vão receber notificações de consulta pelo celular
BONITO - MS - AÇÃO DA PMA
PMA autua fazendeiro em R$ 47 mil por desmatamento ilegal de cinco áreas nativas em Bonito
BONITO - MS - DETERMINAÇÃO DA JUSTIÇA
Justiça determina paralisação do loteamento Rio Mimoso em Bonito (MS)
BONITO - MS
Licença para poda ou retirada de árvores é obrigatória
BONITO - MS
Obras do Corpo de Bombeiros devem começar em setembro em Bonito
BONITO - MS
Confira a programação completa do Festival de Inverno de Bonito 2018
BONITO - MS
Agehab e prefeitura entregam Residencial Lago Azul/Etapa I em Bonito
PANTANAL
Cheia recua e parte do gado volta às áreas altas até o fim deste mês
EDUCAÇÃO
IFMS divulga resultado de seleção com 71 vagas para cursos de graduação