Menu
KAGIVA
segunda, 21 de janeiro de 2019
ITALÍNEA DOURADOS
Busca
UNIPAR_PC
Internacional - Politica

Relatório da Anistia Internacional diz que manifestações devem continuar no Oriente M

9 Jan 2012 - 13h55Por Reuters

A violência e a repressão “deverão continuar a assolar o Oriente Médio e o Norte de África em 2012”, segundo relatório da Anistia Internacional (AI), divulgado hoje (9), sobre os efeitos da chamada Primavera Árabe – onda de protestos e manifestações que ocorreram no Oriente Médio e no Norte da África, entre 2010 e 2011, e que culminou na queda de líderes que se mantinham há anos no poder.

O documento analisa com detalhe os casos das revoltas no Egito (onde o presidente Hosni Mubarak renunciou), na Tunísia (onde o ex-presidente Zinedine el Abidine Ben Ali fugiu para a Arábia Saudita) e na Líbia (país que ainda vive em meio a tensões mesmo após a morte do ex-presidente Muammar Khadafi). No relatório Ano de Rebelião: o estado dos direitos humanos no Oriente Médio e no Norte de África, a Anistia Internacional revê “os drásticos acontecimentos” que afetaram estas regiões no ano passado e prevê que os confrontos continuem, “a menos que os governos da região e as potências internacionais percebam a dimensão das mudanças exigidas”.

No documento, a organização descreve “como os governos de toda a região têm recorrido à violência extrema na tentativa de resistir aos pedidos, sem precedentes, [das populações civis] por reformas políticas e sociais”.

Reconhecendo que “os movimentos de protesto na região não mostraram sinais de quererem abandonar os seus objetivos ou aceitar reformas incompletas”, a AI demonstra preocupação com a reação dos regimes.

“Com raras exceções, os governos têm falhado em reconhecer que tudo mudou”, considera Philip Luther, diretor interino da Anistia Internacional para o Oriente Médio e o Norte de África, citado no relatório.

“Os movimentos de protesto em toda a região revelam ser resistentes face à repressão, por vezes, implacável. Eles são liderados, em muitos casos, por jovens - entre eles, mulheres - que desempenham papéis centrais”, avalia o documento.

Apesar das promessas das Forças Armadas em “cumprir as exigências” do movimento civil egípcio, a Anistia constata “uma série de abusos, em alguns aspectos, piores do que os ocorridos sob o governo de Hosni Mubarak”, o presidente deposto. E receia que em 2012 “possam surgir novas tentativas”, por parte dos militares, “de restringir a capacidade dos egípcios de se manifestarem e de expressarem livremente as suas opiniões”.

Desde a deposição do regime anterior, na Tunísia, verificaram-se “melhorias significativas em matéria de direitos humanos, mas, um ano depois, muitos consideram que o ritmo das mudanças tem sido lento, com as famílias das vítimas da revolta ainda aguardando por justiça”, destaca a entidade.

A “capacidade das novas autoridades” líbias para “controlar as brigadas armadas" que ajudaram a depor Muammar Khadafi é questionada pela Anistia Internacional, salientando que “os graves abusos” cometidos contra o anterior regime “raramente foram punidos”.

A organização refere-se ainda a outros “governos que continuam determinadamente agarrados ao poder”.

As Forças Armadas e os serviços secretos sírios "têm sido responsáveis por um padrão de assassinatos e tortura que podem ser considerados crimes contra a humanidade”, sustenta a AI, criticando ainda “o impasse” na situação política no Iémen.

No Bahrein, “no final do ano, continuavam as demonstrações do governo em implementar as amplas recomendações [para conter a repressão contra manifestações civis]” de um relatório independente realizado por peritos internacionais sobre os abusos relacionados com as manifestações civis.

Os protestos seguem ainda na Arábia Saudita, apesar da “repressiva lei antiterrorismo” adotada pela monarquia, e no Irã “o governo continuou a sufocar a oposição, aumentando as restrições à liberdade de informação”.

Mas as críticas da Anistia Internacional não ficam restritas aos Estados que vivem momentos de tensão – “a resposta aos acontecimentos de 2011 por parte das potências internacionais e dos organismos regionais, como a União Africana, a Liga Árabe e a União Europeia, tem sido inconsistente”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PREVISÃO DO TEMPO NO MS
Preparem o tereré - Semana deve ter chuvas rápidas e calorão de 38°C em MS
OUSADIA
Pabllo Vittar empina bumbum e mostra tatuagem em ponto estratégico, VEJA
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
EM CIDADE DO MS
Temporal de 30 minutos alaga ruas e família fica presa em carro em cidade do MS
ACIDENTE FATAL
Em MS, Cinco pessoas morrem em grave acidente na BR-060
JARDIM E MAIS DUAS CIDADES DO MS
Em Jardim, Uems abre amanhã processo seletivo para professor temporário em duas cidades
BONITO - MS - AÇÃO DA POLÍCIA CIVIL
Polícia Civil prende chefe de um dos restaurantes mais badalados de Bonito (MS)
EM CIDADE DO MS
Estudante de medicina morre após jogar partida de futebol em cidade do MS
BONITO - MS - MARIA DA PENHA
PM é novamente acionada por violência doméstica, essa já é a 3ª em menos de 5 dias em Bonito (MS)
VERÃO - BOMBEIROS ALERTAM
Nos primeiros dias de 2019 bombeiros já registram afogamentos em três cidades do MS