Menu
ITALÍNEA DOURADOS
quarta, 17 de outubro de 2018
KAGIVA
Busca

Reduzida pena de homem em cuja casa estavam 60 quilos de cocaína

14 Jul 2011 - 11h16Por Correio do Estado

Por maioria, os desembargadores da Seção Criminal deferiram o pedido de revisão de pena interposto por Luiz Carlos Pereira de Moraes contra o Ministério Público Estadual. Ele havia sido condenado  porque, de acordo com o processo,.em 2007 foram encontrados em sua residência, 60 quilos de cocaína, uma pistola calibre 7,65 e uma mira a laser.

Ao ser interrogado em juízo, Luiz negou a autoria, alegando que uma pessoa, a qual conheceu há vinte dias e nem sequer sabia o nome, ofereceu dinheiro emprestado para que ele guardasse caixas de substâncias químicas de venda proibida.

Em primeira instância, o magistrado o condenou ao total de 13 anos, quatro meses de reclusão e 709 dias-multa, e a pena-base para o delito de tráfico de drogas foi fixado em seis anos de reclusão e 520 dias-multa, sendo definitivo em oito anos e 693 dias-multa, porque havia a agravante da reincidência. No pedido de revisão,  ele sustentou a falta de fundamentação na fixação da pena-base.

O relator do processo , desembargador Dorival Moreira dos Santos, explicou que foram consideradas para a fixação da pena-base as seguintes circunstâncias: antecedentes criminais, conduta social, personalidade, motivos do crime, circunstâncias e consequências do crime.

Porém, o desembargador reconheceu ter havido fundamentação indevida. Ele entendeu que o quesito conduta social revela-se por seu relacionamento no meio em que vive, tanto perante a comunidade, quanto perante sua família e seus colegas de trabalho, não se referindo a fatos criminosos, e sim ao comportamento da pessoa no mundo exterior que habita.

Por motivos do crime, o desembargador Dorival entendeu que a busca do lucro fácil pelo autor do crime de tráfico de drogas não pode ser valorada negativamente no momento da aplicação da pena, uma vez que é próprio do delito.

Já em relação às circunstâncias do crime e suas consequências, ponderou que “merecem ser afastadas por falta de fundamentação idônea, visto que não devem ser aceitas considerações genéricas e abstratas. A fundamentação das decisões do Poder Judiciário, conforme se depreende do inciso IX do artigo 93 da Constituição da República, é condição absoluta de validade e, dessa forma, pressuposto de eficácia. Toda a decisão judicial deve possuir descrição suficiente dos fatos e do direito que a embasam”.

“Diante da presença de duas circunstâncias judiciais negativas, altero a pena-base para pouco acima do mínimo legal, ou seja, 5 (cinco) anos, 4 (quatro) meses de reclusão e 500 (quinhentos) dias-multa”, concluiu o desembargador.

Considerando a agravante da reincidência e aumentando a pena no patamar de 1/3, como na sentença em primeiro grau, o relator desembargador Dorival tornou a pena definitiva em sete anos, um mês, dez dias e 666 dias-multa, em regime fechado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MELHOR SALÁRIO É DO MS
Fetems confirma: Reinaldo paga o melhor salário de professor do Brasil
NO RIO MIRANDA - MULTA E APREENSÃO
PMA prende e autua em R$ 17 mil oito turistas paulistas pescando com redes e tarrafas no Rio Miranda
BONITO - MS - TESTE EM AEROPORTO
Aeroporto terá testes durante Seminário Nacional de Perícia em BONITO (MS)
ENTRETENIMENTO
FAZENDA 10: Dívida de Perlla com ex-empresário ultrapassa R$ 1 milhão
A FAZENDA 10 - ENTRETENIMENTO
'Vaza' passado cabeludo de Fernanda Lacerda e Léo Stronda fora da Fazenda
A FAZENDA 10 - FOGO NO FENO
Mulher de Rafael Ilha detona Gabi Prado e dispara contra peoa: 'Deve sofrer de alguma doença'
RETA FINAL - NOVELA DA GLOBO
Beto confronta Karola: 'Você roubou a vida de outra mulher' em Segundo Sol
OPERAÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL
Temer recebeu R$ 5,9 mi em propinas do setor portuário, diz PF
BONITO - MS - RESULTADO DO CONCURSO
Confira os aprovados no concurso público da Câmara em BONITO (MS)
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Em quatro anos, governo de MS investe R$ 265 milhões em Corumbá