Menu
ITALÍNEA DOURADOS
quarta, 17 de outubro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Reajuste pedido pela Enersul é desestímulo, avalia presidente da Fiems

15 Mar 2011 - 13h44Por Campo Grande News

O presidente da Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul), Sérgio Longen, defendeu, nesta segunda-feira,ao participar de reunião ordinária do Concen (Conselho de Consumidores da Enersul), o presidente da Fiems, Sérgio Longen, preços menores para tarifa de energia elétrica no Estado, para que o pagamento seja acessível a todas as categorias de consumidores. Para ele, estes e outros aumentos em serviços e impostos são um desestímulo à atividade econômica.

“A Fiems sempre lutou contra o alto custo da energia elétrica em Mato Grosso do Sul e, portanto, não poderia concordar com o índice que vem sendo pleiteado pela Enersul”, afirmou, sobre o fato de a empresa ter encaminhando documentação propondo reajuste de 19,35%, em média, à Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Na avaliação do presidente da Famasul, a pressão que vem sendo feita sobre o setor produtivo e a população, com seguidos tarifaços, como o do IPTU, por exemplo, é um desestímulo. “O impacto desse índice solicitado pela Enersul no bolso dos consumidores vai ser muito grande”, alertou. “Por isso mesmo, a Fiems já articula parcerias com a Assembléia Legislativa e bancada federal do Estado para estabelecer uma tarifa que seja economicamente viável”, pontuou.

Comparação-O percentual de aumento da tarifa solicitado pela empresa é superior ao do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que no acumulado nos últimos 12 meses está em 6,01%. O deputado estadual Paulo Corrêa, primeiro-secretário da Assembléia Legislativa, que também participou da reunião do Concer realizada na Enersul, disse que os consumidores de energia elétrica do Estado não suportam mais o alto custo da tarifa. “Trata-se de um fardo pesado que o setor produtivo e a população em geral têm carregado e, portanto, também não podemos concordar com o índice de reajuste proposta pela Enersul”, disse apoiado pelo atual presidente do Concen, Edison Araújo, presidente da Fecomércio.

O vice-presidente da Enersul, Cyro Vicente Boccuzzi, admitiu aos participantes da reunião que o índice médio de reajuste de 19,35% é um estímulo à inadimplência, porém, não tem como deixar de cumprir os cálculos elaborados pelos técnicos. “Nosso encaminhamento à Aneel não é um pedido, trata-se de mais uma etapa que faz parte do rito de adequar a tarifa à realidade”, declarou durante a reunião do Concen.

Durante a reunião do Concen, uma equipe da Enersul detalhou que o reajuste médio de 19,35% é composto por 8,31% referente ao reajuste econômico, 5,77% de componentes financeiros, já incluídos os 3% referentes à tarifa social dos consumidores de baixa renda, e 5,27% relativo à devolução feita aos consumidores até o ano passado por cobrança abusiva. A Aneel deve definir qual o índice a ser aplicado até o próximo dia 7 de abril para que entre em vigor no dia 8 de abril.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESPORTES
Sete atletas representam MS no Brasileiro de Futebol de Mesa
EDUCAÇÃO
Horário de verão vai começar no mesmo dia da primeira prova do Enem
POLÍTICA
TSE reúne equipes de Bolsonaro e Haddad para discutir fake news
ALERTA DE CHUVA DE GRANIZO NO MS
Instituto alerta para chuvas intensas com possibilidade de granizo em MS
AINDA DESAPARECIDA
Servidora pública do TRE/MS continua desaparecida e familiares pedem ajuda
PESQUISA NO MS
Reinaldo abre 14% e chega com 57% dos votos válidos em nova pesquisa no MS
BRIGA INTERNA EM PLENA CAMPANHA
Conselho de Ética do PDT pede 'cabeça' de Odilon por apoio a Bolsonaro
BONITO - MS - OBRAS E MELHORIAS
BONITO: Agesul e prefeitura concluem revitalização de mais de 70 KM da estrada vicinal da La Lima
ELEIÇÕES PARA PRESIDENTE
Bolsonaro lidera em 4 regiões; Haddad está na frente no Nordeste, VEJA OS GRÁFICOS
LUTO NA TV
Aos 78 anos, morre o jornalista Gil Gomes