Menu
KAGIVA
segunda, 20 de agosto de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Reajuste pedido pela Enersul é desestímulo, avalia presidente da Fiems

15 Mar 2011 - 13h44Por Campo Grande News

O presidente da Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul), Sérgio Longen, defendeu, nesta segunda-feira,ao participar de reunião ordinária do Concen (Conselho de Consumidores da Enersul), o presidente da Fiems, Sérgio Longen, preços menores para tarifa de energia elétrica no Estado, para que o pagamento seja acessível a todas as categorias de consumidores. Para ele, estes e outros aumentos em serviços e impostos são um desestímulo à atividade econômica.

“A Fiems sempre lutou contra o alto custo da energia elétrica em Mato Grosso do Sul e, portanto, não poderia concordar com o índice que vem sendo pleiteado pela Enersul”, afirmou, sobre o fato de a empresa ter encaminhando documentação propondo reajuste de 19,35%, em média, à Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Na avaliação do presidente da Famasul, a pressão que vem sendo feita sobre o setor produtivo e a população, com seguidos tarifaços, como o do IPTU, por exemplo, é um desestímulo. “O impacto desse índice solicitado pela Enersul no bolso dos consumidores vai ser muito grande”, alertou. “Por isso mesmo, a Fiems já articula parcerias com a Assembléia Legislativa e bancada federal do Estado para estabelecer uma tarifa que seja economicamente viável”, pontuou.

Comparação-O percentual de aumento da tarifa solicitado pela empresa é superior ao do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que no acumulado nos últimos 12 meses está em 6,01%. O deputado estadual Paulo Corrêa, primeiro-secretário da Assembléia Legislativa, que também participou da reunião do Concer realizada na Enersul, disse que os consumidores de energia elétrica do Estado não suportam mais o alto custo da tarifa. “Trata-se de um fardo pesado que o setor produtivo e a população em geral têm carregado e, portanto, também não podemos concordar com o índice de reajuste proposta pela Enersul”, disse apoiado pelo atual presidente do Concen, Edison Araújo, presidente da Fecomércio.

O vice-presidente da Enersul, Cyro Vicente Boccuzzi, admitiu aos participantes da reunião que o índice médio de reajuste de 19,35% é um estímulo à inadimplência, porém, não tem como deixar de cumprir os cálculos elaborados pelos técnicos. “Nosso encaminhamento à Aneel não é um pedido, trata-se de mais uma etapa que faz parte do rito de adequar a tarifa à realidade”, declarou durante a reunião do Concen.

Durante a reunião do Concen, uma equipe da Enersul detalhou que o reajuste médio de 19,35% é composto por 8,31% referente ao reajuste econômico, 5,77% de componentes financeiros, já incluídos os 3% referentes à tarifa social dos consumidores de baixa renda, e 5,27% relativo à devolução feita aos consumidores até o ano passado por cobrança abusiva. A Aneel deve definir qual o índice a ser aplicado até o próximo dia 7 de abril para que entre em vigor no dia 8 de abril.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROPAGANDA ANTECIPADA
Juiz rejeita recurso e mantém multa de R$ 31,5 mil a Odilon por uso de outdoors
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Em 4 anos, Governo Reinaldo entrega mais pontes de concreto do que em toda história do Estado do MS
BONITO - MS
Jogos Escolares 2018 terão início nesta segunda-feira, dia 20 em Bonito
EM MIRANDA - MS - CASO DE POLÍCIA
Donos de casa noturna são presos por estupro coletivo de adolescente em Miranda
STOCK CAR
Vítima atropelada na Stock Car Light permanece no CTI
TJMS
Tribunal de Justiça triplica valor do "auxílio saúde" para juízes e desembargadores
ECONOMIA
Tesouro pagou em julho R$ 602,43 milhões em dívidas de estados
EDUCAÇÃO
Começam hoje inscrições para bolsas remanescentes do ProUni
JUSTIÇA
Ministras do STF conclamam mulheres a buscar igualdade pelo voto
ESTUDANTE DE MEDICINA NO PARAGUAI
Estudante de medicina foi morta com mais de 16 facadas na fronteira; namorado é principal suspeito