Menu
KAGIVA
sexta, 17 de agosto de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Procuradoria aponta irregularidades em convênio com Incra

29 Mar 2011 - 18h07Por Folha.com

O Ministério Público Federal do Distrito Federal propôs ação de improbidade administrativa contra o ex-presidente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) e mais três pessoas por irregularidades em um convênio do instituto firmado com uma associação em novembro de 2005.

A Procuradoria pediu, em liminar, o bloqueio dos bens dos acusados, entre eles o então diretor de programa do Incra, Roberto Kiel, o ex-presidente do instituto, Holf Hackbart. Segundo a ação, os dois teriam autorizado a despesa.

Procurado, o Incra não se manifestou até as 13h56.

O Incra teria liberado cerca de R$ 2,1 milhões para a Anara (Associação Nacional de Apoio à Reforma Agrária) realizar a capacitação de mais de 7.000 trabalhadores em 10 Estados das regiões Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste, com cursos e oficinas. Além disso, previa a confecção de 11.000 cartilhas; a elaboração e execução de planos de reestruturação e o acompanhamento das ações nos projetos.

No entanto, segundo a Procuradoria o recursos públicos foram liberados, mas o serviço não foi prestado. De acordo com investigações do Ministério Público e do TCU (Tribunal de Contas da União), no entanto, o convênio foi marcado por irregularidades, que beneficiaram indevidamente a Anara e trouxeram prejuízos aos cofres públicos, que já custeava os mesmos serviços em outro contrato.

O caso será decidido pela 7ª Vara da Justiça Federal no DF.

A instituição também não poderia ser prestadora de serviço por estar inadimplente no Siafi (Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo), por não apresentar prestações de contas de convênios anteriores. Além disso, o plano de trabalho apresentado pela associação não apresentava o detalhamento necessário e informações importantes como datas e locais dos cursos, material didático utilizado, equipes técnicas etc.

Se forem condenados pela Justiça, os acusados poderão ter os direitos políticos suspensos, terão de pagar multa e ficam proibidos de contratar ou receber benefícios do Poder Público. Eles também perdem a função pública ou aposentadoria, quando for o caso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÕES DO GOVENO DO MS
Governador afirma que pavimentação asfáltica da MS-223 começa nos próximos dias em Costa Rica
INELEGÍVEL
Procuradoria pede impugnação de candidatura do Zeca do PT
BONITO - MS - INAUGURAÇÃO
HOJE tem inauguração do Santo Rock Bar, caipirinha FREE para mulheres até meia-noite em Bonito (MS)
POLÍTICA
Parecer do TRE-MS dá aval para cassar vereadora Cida Amaral
MEIO AMBIENTE
Em fase final, projeto visa recuperar o Taquari com manejo correto do solo
BONITO - MS - AÇÕES NO ÁGUAS DO MIRANDA
BONITO (MS): Obras realiza serviços de revitalização no distrito Águas do Miranda
BONITO - MS
Almoço beneficente em prol do Instituto Visão de Vida acontecerá neste sábado em Bonito
CASO MAYARA
Acusado de matar a musicista Mayara Amaral diz que estava 'possuído'
ACIDENTE
Mulher é arremessada e morre em capotamento de veículo na BR-359
CIDADES
Mutirão vai analisar 11 mil processos de presos condenados em MS