Menu
ASSOMASUL MARÇO
tera, 23 de abril de 2019
mutantes
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

Procuradoria aponta irregularidades em convênio com Incra

29 Mar 2011 - 18h07Por Folha.com

O Ministério Público Federal do Distrito Federal propôs ação de improbidade administrativa contra o ex-presidente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) e mais três pessoas por irregularidades em um convênio do instituto firmado com uma associação em novembro de 2005.

A Procuradoria pediu, em liminar, o bloqueio dos bens dos acusados, entre eles o então diretor de programa do Incra, Roberto Kiel, o ex-presidente do instituto, Holf Hackbart. Segundo a ação, os dois teriam autorizado a despesa.

Procurado, o Incra não se manifestou até as 13h56.

O Incra teria liberado cerca de R$ 2,1 milhões para a Anara (Associação Nacional de Apoio à Reforma Agrária) realizar a capacitação de mais de 7.000 trabalhadores em 10 Estados das regiões Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste, com cursos e oficinas. Além disso, previa a confecção de 11.000 cartilhas; a elaboração e execução de planos de reestruturação e o acompanhamento das ações nos projetos.

No entanto, segundo a Procuradoria o recursos públicos foram liberados, mas o serviço não foi prestado. De acordo com investigações do Ministério Público e do TCU (Tribunal de Contas da União), no entanto, o convênio foi marcado por irregularidades, que beneficiaram indevidamente a Anara e trouxeram prejuízos aos cofres públicos, que já custeava os mesmos serviços em outro contrato.

O caso será decidido pela 7ª Vara da Justiça Federal no DF.

A instituição também não poderia ser prestadora de serviço por estar inadimplente no Siafi (Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo), por não apresentar prestações de contas de convênios anteriores. Além disso, o plano de trabalho apresentado pela associação não apresentava o detalhamento necessário e informações importantes como datas e locais dos cursos, material didático utilizado, equipes técnicas etc.

Se forem condenados pela Justiça, os acusados poderão ter os direitos políticos suspensos, terão de pagar multa e ficam proibidos de contratar ou receber benefícios do Poder Público. Eles também perdem a função pública ou aposentadoria, quando for o caso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CIDADES
Dias Toffoli chama para conciliação com indígenas e revolta sitiantes
POLÍTICA
Deputado quer proibir sátira de imagens cristãs em manifestações de MS
COTIDIANO
Amigos lamentam falecimento de Rubens Catenacci, referência na pecuária brasileira
TURISMO
Boletim comparativo de alta temporada do ObservaturMS mostra crescimento no fluxo turístico
GERAL
MPT investiga demissão de funcionários da Mabel sem aviso prévio em MS
EDUCAÇÃO
Governo de MS divulga inscrições para Vale Universidade Indígena
MEIO AMBIENTE
Desmatamento prossegue em Rio Verde, mas com nova faixa de preservação
POLÍCIA
Traficante foge e abandona picape com mais de 800 kg de maconha
POLÍTICA
Prefeita de Miranda continua no comando até ser notificada de cassação
EMPREGOS E CONCURSOS
Prefeitura abre seletiva com 34 vagas e salários de até R$ 1,7 mil em MS