Menu
KAGIVA
sbado, 22 de setembro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca
MS - Policial

Presos em MS suspeitos de ataque a acampamento indígena, diz polícia

1 Dez 2011 - 10h30Por G1

Três suspeitos de participação no ataque contra o acampamento indígena da etnia guaraní-kaiwá foram presos na terça-feira (29), de acordo com informações da Delegacia de Polícia Federal de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul. O cacique do acampamento, Nísio Gomes, segue desaparecido desde 18 de novembro, dia do ataque.

A área onde ocorreu o ataque está em estudos para identificação de terras indígenas, e faz parte de fazendas situadas entre os municípios de Aral Moreira e Amambaí. O local foi alvo de pistoleiros que atiraram com armas de balas de borracha contra os índios acampados.

Na quinta-feira (24/11), índios e produtores rurais fizeram um acordo para conviverem na região dos acampamentos indígenas. O compromisso foi firmado durante uma reunião com o procurador do Ministério Público Federal de Ponta Porã, Thiago Santos.

De acordo com a assessoria de imprensa do MPF-MS, ficou acordado que os guarany-kaiwá não vão interferir nos trabalhos agrícolas nas fazendas invadidas e os produtores autorizaram a permanência dos acampamentos.

Os índios afirmam que o corpo do líder religioso foi colocado em uma caminhonete e levado da região. Outras duas pessoas ficaram feridas. No acampamento, vivem cerca de 100 índios da etnia kaiwá.

Entenda o conflito
Brigas por terras entre indígenas e produtores rurais são cada vez mais comuns em Mato Grosso do Sul. Dados do censo feito em 2010 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística revelam que MS é o segundo estado com mais indígenas (73.295), perdendo apenas para o Amazonas (108.080). O ataque ao acampamanto Guaviry foi mais um episódio da violência provocada pela briga.

O historiador Antônio Brand explica que os indígenas foram expulsos de suas terras à medida que os colonizadores chegaram. Segundo ele, aos poucos, as fazendas foram construídas, áreas verdes desmatadas e os nativos mudaram-se para outras localidades. Hoje, grande parte mora em acampamentos e tenta tomar por conta própria o espaço que a eles pertenceu.

O assessor para assuntos fundiários indígenas da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), Josiel Quintino dos Santos, afirma que a maioria das terras dos produtores do estado são regulares. Segundo ele, existem aproximadamente 49 fazendas ocupadas por índios no estado, todas com titulações válidas do ponto de vista jurídico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - VISITA NO GABINETE
BONITO (MS): No gabinete, Prefeito recebe visita de dirigentes e alunos da Pestalozzi
BONITO - MS - PRAÇA DA MARAMBAIA
Praça da Marambaia terá aulas de zumba neste sábado em Bonito (MS)
BONITO - MS
Clube do Laço Nabileque de Bonito convoca associados para Assembleia geral ordinária
POLÍTICA
Assembleia Legislativa: nova pesquisa Ranking tem novidades
ECONOMIA
Presentes e comemorações do Dia das Crianças devem movimentar R$ 130 milhões em MS
CIDADES
De cada 10 cidades de MS, menos de 4 tem plano municipal para o saneamento básico, aponta IBGE
POLÍTICA
Líder, Azambuja tem 42,9%; juiz Odilon é segundo, com 29,35%
ECONOMIA
Brasileiros poderão receber remessas do exterior diretamente em reais
SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE
Futuro presidente terá de enfrentar financiamento do SUS
GERAL
Ninguém acerta as seis dezenas e prêmio da Mega-Sena acumula