Menu
ITALÍNEA DOURADOS
domingo, 18 de novembro de 2018
KAGIVA
Busca
MS - Policial

Presos em MS suspeitos de ataque a acampamento indígena, diz polícia

1 Dez 2011 - 10h30Por G1

Três suspeitos de participação no ataque contra o acampamento indígena da etnia guaraní-kaiwá foram presos na terça-feira (29), de acordo com informações da Delegacia de Polícia Federal de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul. O cacique do acampamento, Nísio Gomes, segue desaparecido desde 18 de novembro, dia do ataque.

A área onde ocorreu o ataque está em estudos para identificação de terras indígenas, e faz parte de fazendas situadas entre os municípios de Aral Moreira e Amambaí. O local foi alvo de pistoleiros que atiraram com armas de balas de borracha contra os índios acampados.

Na quinta-feira (24/11), índios e produtores rurais fizeram um acordo para conviverem na região dos acampamentos indígenas. O compromisso foi firmado durante uma reunião com o procurador do Ministério Público Federal de Ponta Porã, Thiago Santos.

De acordo com a assessoria de imprensa do MPF-MS, ficou acordado que os guarany-kaiwá não vão interferir nos trabalhos agrícolas nas fazendas invadidas e os produtores autorizaram a permanência dos acampamentos.

Os índios afirmam que o corpo do líder religioso foi colocado em uma caminhonete e levado da região. Outras duas pessoas ficaram feridas. No acampamento, vivem cerca de 100 índios da etnia kaiwá.

Entenda o conflito
Brigas por terras entre indígenas e produtores rurais são cada vez mais comuns em Mato Grosso do Sul. Dados do censo feito em 2010 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística revelam que MS é o segundo estado com mais indígenas (73.295), perdendo apenas para o Amazonas (108.080). O ataque ao acampamanto Guaviry foi mais um episódio da violência provocada pela briga.

O historiador Antônio Brand explica que os indígenas foram expulsos de suas terras à medida que os colonizadores chegaram. Segundo ele, aos poucos, as fazendas foram construídas, áreas verdes desmatadas e os nativos mudaram-se para outras localidades. Hoje, grande parte mora em acampamentos e tenta tomar por conta própria o espaço que a eles pertenceu.

O assessor para assuntos fundiários indígenas da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), Josiel Quintino dos Santos, afirma que a maioria das terras dos produtores do estado são regulares. Segundo ele, existem aproximadamente 49 fazendas ocupadas por índios no estado, todas com titulações válidas do ponto de vista jurídico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - FESTIVAL DA GUAVIRA
Prefeitura vai licitar a realização do 15º Festival da Guavira em Bonito (MS)
BONITO - MS - NA TRIBUNA
Lúcia Miranda quer demarcação oficial da Avenida Matheus Muller em Bonito (MS)
ALCOOLISMO
Em MS, jovem de 21 anos passa horas consumindo bebida alcoólica e morre
BONITO - MS - ACADEMIA AO AR LIVRE
Já licitada, Prefeitura vai instalar duas novas academias ao ar livre em Bonito (MS)
CAMPO GRANDE - MUITA CHUVA
Chuva forte deixa trechos alagados e trânsito tumultuado em Campo Grande
BONITO - MS - NOVO COORDENADOR
Odilson nomeia novo coordenador da Defesa Civil de Bonito (MS)
BONITO - MS - REINAUGURAÇÃO
OKA Pisos e Acabamentos reinaugura hoje às 19h, OKA de cara nova em BONITO (MS)
BONITO - MS - REVITALIZAÇÃO
Prefeitura revitaliza iluminação da Praça da Liberdade e do CMU em Bonito (MS)
A FAZENDA 10
A Fazenda 10: Rafael Ilha chora ajoelhado na frente das vacas, entenda o que aconteceu
FORA DA POLÍTICA
Procurador, Sérgio Harfouche nega candidatura e confirma desfiliação da política