Menu
KAGIVA
quarta, 20 de junho de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Preso há dois meses, professor acusado de pedofilia vai a julgamento no dia 31

24 Mai 2011 - 08h45Por Midiamax

O caso envolvendo o professor A.L.O acusado de filmar e fotografar alunas nuas e que está preso na Penitenciária Harry Amorim Costa de Dourados desde o dia 22 de março poderá ter um desfecho na semana que vem.

É que a juíza da primeira Vara Criminal Dileta Terezinha Souza Thomaz marcou para as 16h do dia 31 uma audiência de instrução e julgamento. A juíza afirmou que “a defesa preliminar não aduziu qualquer circunstância” que pudesse “ensejar a absolvição sumária” do professor que teve os pedidos de relaxamento da prisão e habeas corpus negados.

Na audiência serão ouvidas as testemunhas arroladas pelo Ministério Público e pela defesa. O professor será interrogado enquanto que a sua filha na condição de vítima também será ouvida pela juíza.

Num primeiro momento o professor A.L.O foi acusado pela ex-esposa A.C.C.M de ter filmado e fotografado alunas de duas escolas públicas e uma particular. Conforme o inquérito policial A.C.C.M denunciou o professor por crime de pedofilia depois que flagrou A.L.O com um pen drive onde continha imagens de crianças e ainda conversas de MSN entre uma pessoa identificada apenas como Pipoca e a filha do casal L. de apenas 12 anos de idade.

Por armazenar fotos ou imagens de crianças nuas o professor, segundo o advogado de defesa Maurício Rasslan teria cometido um crime de menor potencial ofensivo conforme atesta o artigo 241B do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) que prevê pena de reclusão de um a quatro anos e multa.

O advogado afirmou que o professor, além de ser réu primário, possui bons antecedentes. "Se por acaso for condenado, pegará uma pena de apenas oito meses em regime aberto podendo ser substituída em prestação de serviços a comunidade", calcula. Mauricio disse que no computador do professor não existem cenas ou filmagens de sexo ou outros arquivos que comprovem crime de pedofilia.

O caso ganhou novos contornos quando num segundo momento a menina L. prestou novo depoimento e confirmou que havia sido molestada pelo professor. Diante disso a promotoria da Infância e Adolescência se baseou para recomendar a justiça que o professor continuasse preso.

Na audiência da próxima terça-feira a Justiça já terá condições de tomar uma decisão sobre o caso do professor uma vez que terá em mãos os resultados da perícia feita no pen drive do professor e no computador usado por toda a família de A.L.O. Já o depoimento do adolescente A. conhecido como “Pipoca” poderá ser primordial para esclarecer muita coisa, conforme disse o advogado Maurício Rasslan que acredita na absolvição do seu cliente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADES
Senai oferece 1,5 mil vagas em 15 cursos técnicos
CIDADES
IFMS divulga aprovados na graduação e chama para matrícula a partir de sexta
ESPORTES
Atleta de MS avança para fase principal de etapa do Mundial na República Tcheca
COPA 2018
Neymar volta a treinar, e Tite deve repetir equipe titular contra a Costa Rica
EM FAZENDA
Homem é atacado por touro no Pantanal e é resgatado por helicóptero
SANEAMENTO
Terceirização da Sanesul pode sair ainda nesse ano, diz Azambuja
REPERCUSSÃO
Assédio a mulher na Rússia envergonhou Brasil, diz ministro do Esporte
ECONOMIA
Venda direta de etanol pode reduzir preço para o consumidor nos postos
BONITO - MS -OBRAS
Prefeitura de Bonito vai reformar ponte sobre o Córrego Roncador
CRIME ORGANIZDO
Armamento encomendado pelo PCC da Bahia é apreendido em MS