Menu
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
tera, 19 de fevereiro de 2019
mutantes
Busca
UNIPAR_PC

Poluição do ar pode aumentar risco de ataque cardíaco

22 Set 2011 - 12h34Por Revista Veja online

A poluição do ar aumenta o risco de ataque cardíaco em pacientes que já sofrem de males do coração. É o que mostra uma pesquisa publicada na versão on-line do periódico médico British Medical Journal. De acordo com o estudo, as primeiras seis horas de exposição à poluição são marcadas pela evolução do risco de infarto em pacientes que já estavam propensos a sofrê-lo - já que a sujeira do ar funciona como um "acelerador" da evolução dos problemas cardíacos. As causas para esse aumento, no entanto, ainda não foram estabelecidas.

Dada a natureza transitória da elevação dos riscos, os pesquisadores especulam que o ataque cardíaco poderia ter acontecido de qualquer maneira, e foi apenas adiantado em algumas horas – um efeito da poluição conhecido como deslocamento (ou colheita) em curto prazo. Enquanto pesquisas estabelecidas concluíram que altos níveis de poluição estão associados a morte prematura por doenças cardíacas, a relação com um aumento nos riscos de ataque cardíaco ainda permanecia obscura.

Levantamento de dados - Durante a pequisa, Krishnan Bhaskaran, epidemiologista da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, e sua equipe revisaram 79.288 casos de ataque cardíaco, de 2003 a 2006, e a exposição de cada pessoa, de hora em hora, aos níveis de poluição atmosférica.

Os autores usaram o padrão UK National Air Quality Archive para investigar os níveis de poluentes específicos na atmosfera. Isso incluía partículas poluentes (PM10), monóxido de carbono (CO), dióxido de nitrogênio (NO2), dióxido de enxofre (SO2) e ozônio. Altos níveis de PM10 e NO2 são marcadores de poluição causada pelo tráfego, de acordo com Bhaskaran.

Dado que os autores não encontraram um aumento líquido no risco de ataque cardíaco durante um período de tempo mais longo, eles argumentam que pode haver “um potencial limitado para reduzir a carga global de infarto do miocárdio apenas pela redução da poluição. Mas isso não deve comprometer ações para controle da poluição do ar, que tem associação com um viés mais amplo da saúde, como mortalidade geral, respiratória e cardiovascular”.

Em um editorial que acompanha a pesquisa, Richard Edward e Simon Hales, da Universidade de Otago, na Nova Zelândia, afirmam que, apesar da força do estudo, é possível que o verdadeiro efeito não tenha sido totalmente esclarecido - tanto pela utilização de medidas imprecisas quando pelo poder estatístico inadequado. “Considerando-se outras evidências de que a exposição à poluição aumenta a mortalidade em geral e a morbidade, o controle rigoroso dos níveis de poluentes deve permanecer forte”, disseram.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Justiça confirma proibição da venda de agrotóxicos no Mercado Livre
SEM DEFESA
Advogada ameaça suicídio e júri é suspenso com réu sem defesa em MS
SUPERLUA
Maior superlua em 2019: o fenômeno astronômico que ocorre nesta terça-feira
AGRICULTURA
Em MS, Iagro e SES enfrentam venda e uso irregular de agrotóxicos na agricultura
MÚSICA
João Carlos Martins passa por cirurgia para tratar dor e tem movimento da mão reduzido
CIDADES
'Ganhei um presente embalado', diz mãe de bebê que nasceu dentro da bolsa amniótica
POLÍTICA
Nelsinho Trad é eleito coordenador da bancada de MS em Brasília
POLÍCIA
Tarado que tentou estuprar mulheres é procurado em cidade de MS
BONITO INFORMA TV
Fórum Municipal de Cultura de Bonito convoca comunidade para reunião sobre 20º Festival de Inverno
SAÚDE
Projeto Roda-Hans/Carreta da Saúde está atendendo hoje em Bonito